quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Ampliado o número de ônibus no corredor ABD

31/10/2013 - DCI

A Metra colocou 50 novos ônibus para circular nos 33 km do Corredor ABD, que liga São Mateus, na zona leste de São Paulo, ao Jabaquara, na zona sul da capital paulista, passando pelas cidades de Santo André, São Bernardo do Campo, Diadema, além da extensão entre Diadema-Estação Berrini, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), na zona sul de São Paulo. Com isso, a empresa aumentou sua capacidade de transporte de passageiros em 30%.

A novidade inclui 20 trólebus e 30 ônibus superarticulados - com 23 metros de comprimento cada um. Estes comportam até 160 passageiros, sendo 70 sentados. Ar condicionado, poltronas com encosto para cabeça, iluminação led, tomadas internas para os passageiros carregarem celulares, notebooks e outros aparelhos, além de vidros panorâmicos, fazem parte da configuração destes novos veículos.

Os veículos contam ainda com motor (Euro 5), que emite menos poluentes que os convencionais. Segundo a Metra, foram investidos R$ 30 milhões só com os superarticulados.

Já os 20 trólebus, que têm 18 metros de comprimento, possuem os mesmos itens dos superarticulados, mas não emitem nenhum poluente na operação. Como diferencial, têm baterias de armazenamento de energia, que possibilitam o deslocamento do trólebus por aproximadamente dez quilômetros após uma eventual interrupção de fornecimento de energia elétrica, evitando transtornos e/ou eventuais problemas na rede.

Os novos ônibus da Metra estão em circulação desde o final do mês de maio. Por mês, cerca de 5,5 milhões de passageiros são atendidos pela empresa.

Prefeitura amplia meta e prevê faixa para ônibus na av. Sumaré

31/10/2013 - Folha de SP

Com as novas pistas, velocidade média dos coletivos em São Paulo aumentou 48%, diz secretário Jilmar Tatto

A Prefeitura de São Paulo reviu, mais uma vez, a meta de criação de faixas exclusivas de ônibus em São Paulo para este ano. Até dezembro, a atual gestão promete segregar mais 57 km de vias, o que totalizaria 300 km.

Para alcançar a nova marca, o Executivo terá de inaugurar quase 1 km de faixa por dia.

Foram os protestos de junho pela redução da tarifa de ônibus que fizeram o prefeito Fernando Haddad (PT) priorizar as faixas. Pressionado, ele já havia baixado a tarifa de R$ 3,20 para R$ 3.

Até então, o objetivo era fazer 150 km até 2016, último ano de mandato. Após as manifestações, a meta passou para 220 km. Foi superada neste mês, totalizando até agora 243 km de faixas implantadas pela gestão Haddad.

Entre as vias que integram o novo pacote está o corredor Sumaré (zona oeste), que inclui as avenidas Paulo 6º e Antártica. A via já foi alvo de uma batalha entre prefeitura e moradores.

Em 2011, a ideia de se criar de um corredor de ônibus à esquerda na avenida foi amplamente criticada --diferentemente das faixas, os corredores são normalmente separados das demais pistas por obstáculos físicos, como blocos.

A possibilidade fundamentou o pedido de tombamento histórico do avenida, projeto que nunca saiu do papel.

De acordo com o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, a escolha dos locais obedece a um critério previamente estabelecido.

"Quando há mais de 40 coletivos por hora no horário de pico, damos preferência para a instalação da faixa."

Segundo ele, a política de prioridade ao transporte coletivo melhorou a velocidade média dos ônibus. Antes de segregar as vias, os veículos circulavam, em média, a 13 km/h. Agora, a velocidade é de 20 km/h, aumento de 48%.

Algumas regiões, porém, não atingiram a média da cidade. A zona sudoeste é a que tem o pior desempenho -- 14 km/h, à tarde. Para tentar equacionar a velocidade nas regiões mais problemáticas, a prefeitura faz obras viárias.

RADARES

O secretário também prometeu para até janeiro a instalação de radares exclusivos para flagrar motoristas invadindo as faixas exclusivas de ônibus. No total, serão 240 equipamentos específicos para autuar esses infratores.

Os locais onde os novos radares serão instalados ainda estão sendo definidos pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego). Quem for flagrado leva multa de R$ 53,20 e três pontos na carteira.

Em toda a cidade, foram mais de 202 mil multas por desrespeito às faixas de ônibus em setembro.

FUTURAS FAIXAS

SUMARÉ
Avenida Antártica, av. Sumaré e av. Paulo VI
VILA MARIANA
Av. Lins de Vasconcelos, da av. Prof. Noé de Azevedo à rua Calixto da Mota
R. Vergueiro, entre a r. Estela e a r. Domingos de Morais
BUTANTÃ
Av. Corifeu de Azevedo Marques, da av. Martin Luther King à r. Pereira do Lago
IMIRIM
Av. Imirim, entre a av. Eng. Caetano Álvares e a alameda Afonso Schmidt
CARANDIRU
Av. Zaki Narchi, entre a av. Cruzeiro do Sul e a praça Orlando Silva
JAGUARÉ
Avenida Jaguaré, desde a avenida Politécnica até a rua Cerro Corá
QUARTA PARADA
R. Álvaro Ramos, entre a Radial Leste e o Largo Água Rasa
JARAGUÁ
Av. Elísio Teixeira Leite, entre a avenida Deputado Cantídio Sampaio e a rua Silvério de Castro Souza

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Avenidas Sumaré e Jabaquara terão faixas exclusivas de ônibus

30/10/2013 - O Estado de São Paulo

Segundo o secretário dos Transportes, São Paulo deve chegar a 300 km de faixas neste ano

Caio do Valle e Leandro Manço - O Estado de S. Paulo

SÃO PAULO - O secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto, disse nesta quarta-feira, 30, que a cidade de São Paulo vai ganhar mais 57 km de faixas exclusivas de ônibus até o fim do ano. É que a nova meta apresentada pela gestão Fernando Haddad (PT) eleva para 300 km a quantidade desse mecanismo implantada na capital em 2013 - o dobro da previsão inicial.

Avenidas como Sumaré, Paulo VI e Corifeu de Azevedo Marques, na zona oeste, Jabaquara, na sul, e Doutor Assis Ribeiro, na leste, serão algumas a ganhar as faixas à direita. Além disso, as Ruas Vergueiro e Domingo de Moraes, na zona sul, também receberão as vias exclusivas para o transporte coletivo.

"Estamos criando uma rede com faixas exclusivas na cidade, de mobilidade, o que é muito importante", disse Tatto, segundo quem a velocidade média dos ônibus cresceu de 13,8 km/h para 20,4 km/h depois de a Prefeitura ter implantado 243 km de faixas exclusivas até agora neste ano.

Ele declarou ainda que, com isso, os veículos apresentaram uma redução de 8,8% no consumo de óleo diesel, pois ficam menos parados no trânsito. "São dados preliminares, mas você pode fazer vários raciocínios: economia do sistema, diminuição de poluição atmosférica. E se tiver uma migração do usuário do carro para o ônibus (isso aumenta)."

Com a implantação de mais quilômetros, a cidade terá, ao final de 2013, um total de 391 km de faixas exclusivas. É que até o fim da gestão anterior, do prefeito Gilberto Kassab (PSD), 91 km já haviam sido implantados nas vias da cidade.

"O conceito é: em vias onde passa ônibus, dar prioridade para os ônibus. Não vai parar nos 300 km, necessariamente", revelou o dirigente.

Radares. Para incentivar os motoristas de automóveis e motociclistas a respeitarem as faixas exclusivas de ônibus, a Prefeitura já começou a instalar 240 radares que flagram a invasão desses mecanismos por toda a cidade. Quatro aparelhos já passaram a funcionar. Eles ficam na Rua Teodoro Sampaio, na zona oeste, e nas Avenidas Aricanduva, na leste, e Cruzeiro do Sul, na norte.

Tatto afirmou que sua expectativa é que a totalidade desses equipamentos esteja funcionando em janeiro de 2014.

Desculpas. O secretário de Haddad ainda se desculpou pela confusão relatada por muitos passageiros em terminais e pontos de ônibus na zona leste após alterações promovidas em 43 linhas da região. As mudanças foram colocadas em prática no fim de semana e pegaram muita gente de surpresa.

Questionado se achava que a divulgação das informações sobre essas mudanças haviam lhe contentado, Tatto disse que não.

"Eu peço desculpa para a população, para o usuário do sistema de transportes, do que aconteceu. Nós vamos aprimorar. Determinei que fizessem mais panfletos, avisassem melhor. Foi um aprendizado. Foi uma mudança bastante grande. Talvez pudéssemos fazer melhor. Mas nesse sentido está sendo um aprendizado e nós vamos aprimorar a parte de informação ao usuário."

O secretário afirmou que determinou a impressão de "mais 300 mil panfletos" para serem distribuídos aos passageiros de bairros como Cidade Tiradentes e São Mateus, para esclarecê-los sobre as mudanças, que têm por meta reorganizar o transporte na região, deixando-o em formato de rede, com viagens mais rápidas (embora seccionadas, ou seja, demandando baldeações) para o centro.

Tatto disse que "o tempo máximo" para esperar o ônibus no ponto não deve ultrapassar cinco minutos, embora esse intervalo ainda não seja respeitado em várias linhas.

Bilhete único mensal. Sobre o bilhete único mensal, que permitirá viagens ilimitadas nos ônibus a R$ 140 por mês, para quem se cadastrar, o secretário dos Transportes afirmou que seu uso pode ser iniciado apenas em dezembro, em vez de novembro, uma promessa que fez no início do ano.

"Não tem a data precisa, porque preciso combinar com o prefeito. Acho que vai ser no final do mês, talvez no comecinho de dezembro. Preciso da informação da diretoria de gestão, mas possivelmente no mês de novembro", revelou. Na primeira quinzena de novembro, deverão ser feitos testes de campo. "Vão ser distribuídos alguns cartões e a partir desse teste de campo, é marcar a data para a divulgação."

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Entenda as alterações nas linhas de ônibus em São Paulo

28/10/2013 - G1

SPTrans quer diminuir linhas com trajetos longos e exigir mais integrações. Objetivo é aumentar velocidade dos ônibus e descongestionar vias.

Do G1 São Paulo

Três em cada 10 linhas de ônibus em São Paulo podem ser substituídas ou ter o trajeto encurtado durante a gestão do prefeito Fernando Haddad (PT). A reorganização afeta linhas "estruturais", aquelas que percorrem as principais vias e longas distâncias pela cidade. Agora, passageiros de ônibus substituídos precisarão pegar linhas até terminais, onde precisarão mudar de veículo antes de chegar ao Centro ou até outras regiões.
O objetivo é aumentar a velocidade nos corredores, evitar sobreposição de linhas e oferecer confiança e previsibilidade no sistema de ônibus para que ele seja alternativa aos motoristas e ajude a diminuir o congestionamento (em julho, a capital alcançou 300 km de filas recorde histórico).
No sábado (26), 43 linhas foram alteradas na Zona Leste. Antes, mudanças já tinham sido realizadas na Zona Sul. Desde o início da gestão Haddad, mais de 120 foram alteradas. A SPTrans, empresa que administra o serviço de ônibus na cidade, diz que pretende reduzir de 1.305 linhas para cerca de 900.
Estudos da SPTrans apontam que linhas locais, que atuam dentro nos bairros, sofrerão menos modificações. A administração diz ainda que nenhuma linha será cortada sem uma substituta com intervalo menor que dez minutos.
Segundo a diretora de planejamento da SPTrans, Ana Odila de Souza Paiva, o atual desenho de linhas da cidade é anterior à criação do Bilhete Único, em 2004. Antes disso, as comunidades se juntavam para pedir a criação de linhas de ônibus que ligassem seus bairros diretamente ao Centro. O Bilhete Único, que veio depois, muda essa lógica, pois permite quatro integrações em um período de três horas.
Integração em terminais
O desafio da SPTrans é fazer que essas integrações aconteçam de forma rápida, sem que seja necessário esperar nos pontos. Em mudanças já realizadas na Zona Leste, passageiros já cobram maior agilidade na estação de transferência Itaquera e nos terminais Carrão, São Mateus e Cidade Tiradentes.
Haddad tem como meta construir 150 km de corredores de ônibus e 14 novos terminais até 2016, o que amplia a possibilidade de integrações entre as linhas locais e a estruturais. Outra parte deste processo é a criação de faixas exclusivas de ônibus. Neste ano, a gestão entregou 243,4 km de faixas exclusivas.
Ana Odila explica que os estudos da SPTrans apontam que os trajetos mais curtos e as vias menos congestionadas permitem que os ônibus voltem mais rapidamente ao ponto de início da linha e realizem mais partidas. Isso poderá também ter reflexo no conforto dos passageiros, diminuindo a lotação dos veículos, segundo a administração municipal.

Foco na Zona Leste
A Prefeitura aproveitou o descredenciamento da empresa Itaquera-Brasil, que atuava na Zona Leste, para dar um novo passo no redesenho das linhas. Os 43 itinerários que foram modificados no sábado na Zona Leste se somam a outras 80 que já haviam sido alteradas em outras regiões.

A SPTrans anunciou inicialmente que 45 linhas sofreriam modificações. Mas duas delas continuarão exisitindo por enquanto. São elas: 3539/10 Cidade Tiradentes - Term. Pq. Dom Pedro II e 312N/10 Terminal Cidade Tiradentes – São Miguel Paulista.
Mudança de eixo
A SPTrans reconhece que as mudanças enfrentam resistência. O principal motivo é mesmo a necessidade de integrações.
Por exemplo, quem antes usava a linha 3750-10 Conjunto José Bonifácio, em Itaquera, até o Metrô Belém, agora precisa pegar a linha 4007-10 Cohab Juscelino e ir até o Terminal Vila Carrão. De lá, para chegar até o destino tem como opção pegar a linha 407R-10 Terminal Vila Carrão – Metrô Belém.

sábado, 26 de outubro de 2013

SPTrans alega que corte de linhas de ônibus 'melhora' sistema

24/10/2013 - O Estado de São Paulo

O Ministério Público Estadual questionou nesta terça-feira, 22, a São Paulo Transporte (SPTrans) a respeito de diversas alterações de itinerários de linhas de ônibus promovidas recentemente pela Prefeitura, o que está provocando a insatisfação de muitos passageiros. 

Em nota, a empresa que gerencia o sistema de transporte público de São Paulo informou que a "racionalização" da rede é um meio de "reduzir a sobreposição de linhas" e "melhorar o desempenho operacional do sistema".

Veja a nota da SPTrans:

"A SPTrans informa que a racionalização e reorganização das linhas do sistema de transporte coletivo vêm ocorrendo de forma gradativa e irá reduzir a sobreposição de linhas na cidade de São Paulo.

A reestruturação irá melhorar o desempenho operacional do sistema, organizar a circulação nas linhas e contribuir para fluxo e velocidade dos ônibus. O resultado, a médio e longo prazos, será ganho de qualidade para os usuários que terão mais opções de trajeto e menor tempo de deslocamento em suas viagens, com otimização do uso de um mesmo Bilhete Único. 

Mais Notícias de São Paulo
Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook 

Vale ressaltar e esclarecer à comunidade que o seccionamento de linhas está sendo feito a partir de planejamento sob critérios que obedecem rigorosamente pesquisas de origem e destino dos passageiros, abrange somente linhas sobrepostas ou excessivamente extensas e é consolidado apenas em itinerários que também já estão sendo atendidos por outras alternativas de ônibus e transporte de massa.

Em atenção à solicitação da reportagem, seguem as informações detalhadas sobre as linhas em questão:

A linha 8319-10 foi seccionada em 17/08/2013 na região da Barra Funda, passando ser denominada: "Pq. Continental / Metrô Barra Funda".  A medida faz parte dos estudos de reorganização dos transportes no Corredor "Pirituba / Lapa – Centro" e visa melhorar a fluidez dos coletivos nas Avenidas Francisco Matarazzo, Gen. Olímpio da Silveira e São João e reduzir a sobreposição de itinerários.

Contudo  é importante informar aos leitores que os usuários que têm como destino a região central, não ficarão desatendidos, uma vez que desembarcando em um dos pontos da Rua Clélia, entre as Ruas Jeroaquara e Crasso poderão fazer transbordo, sem ônus tarifário com a utilização do bilhete único.

A SPTrans reforça, que a linha 8319-10 está dimensionada para operar conforme padrões pré - estabelecidos para o sistema, devendo realizar nos dias úteis 89 partidas. Com o seccionamento na região da Barra Funda, os coletivos passarão a utilizar a Rua Venâncio Ayres e Av. Antártica para acessar a estação Barra Funda do Metrô, contudo análises  técnicas mostraram que parte dos usuários já realizava a conexão na Rua Clélia (Praça Cornélia), razão pela qual a linha 8319-10 passou a operar até a região da Lapa a partir de 19/10/2013.

Os usuários que desejarem seguir pelo sistema de transporte coletivo até o Metrô Barra Funda têm como opção as linhas 748R/10 "Jd. João XXIII /Metrô Barra Funda" ou 9782/10 "Jd. Carombé / Metrô Barra Funda", cuja conexão poderá ocorrer ao longo do trecho da Rua Clélia

A linha 577T/10 "Jd. Miriam / Vila Gomes", propicia a ligação do Jardim Miriam, localizado próximo a Divisa de Diadema, à Vila Gomes, região do Butantã, via Avenidas; Jabaquara, Paulista, Rebouças, Eusébio Matoso, Dr. Vital Brasil e Corifeu de Azevedo Marques. 

Já o trecho da Av. Paulista, Av. Rebouças, Av. Eusébio Matoso, Av. Dr. Vital Brasil, e Corifeu de Azevedo Marques, também são atendidos pela linha 715M-10 "Jd. Maria Luiza /Largo da Pólvora".

Essas medidas vão ao encontro da  reestruturação do transporte público, possibilitando a realização de mais viagens, com acréscimo na oferta de lugares.

Em 12/10/2013, a linha 375V/10 "Metrô Tamanduateí / Metrô Santa Cruz" teve seu itinerário alterado, no bairro Quinta da Paineira, região de Vila Prudente e foi seccionada no Metrô Alto do Ipiranga passando a denominar-se 375V/10 "Metrô Tamanduateí / Metrô Alto do Ipiranga" (circular).   Essa linha deixou de circular por trecho da Av. Dr. Francisco Mesquita, Av. Dr. Gentil de Moura, Rua Santa Cruz e Loefgreen, porém, essas vias continuam sendo atendidas pelo transporte coletivo, por ônibus conforme abaixo:

Av. Dr. Francisco Mesquita:

- Linha 4031/10 "Pq. Santa Madalena / Metrô Tamanduateí" 

Av. Dr. Gentil de Moura e ruas Santa Cruz e Loefgreen:

- Linha 5103/10 "Terminal Sacomã – Moema" circular 

- Linha 5103/21 "Terminal Sacomã / Metrô Santa Cruz" circular 

Quanto à linha 4714/10 "Jd. São Savério / Metrô Santa Cruz", em 12/10/2013 foi unificada com a linha 4709/10 "Pq. Bristol Metrô Vila Mariana" mantendo a denominação: 4709/10 "Jd. São Savério / Metrô Vila Mariana", com o seu itinerário sobrepondo totalmente ao itinerário da linha 4714/10.

A linha 4709/10 foi reprogramada, com acréscimos de viagens objetivando adequar a oferta à sua nova demanda.

A SPTrans ressalta que em 21/09/2013 o serviço 3303-10 teve seu itinerário seccionado na Estação de Transferência Itaquera - cujo local foi reformado e remodelado para a alocação de novos serviços e reconfigurado para: linha 4003-10 "Prestes Maia - E. T. Itaquera".

Concomitantemente, foi criada a linha 4310-10 "ET Itaquera /Term. Pq. D. Pedro II", que complementa as viagens entre a Estação de Transferência ao Terminal Pq. D. Pedro II e atende não apenas a demanda das linhas seccionadas, mas também das inúmeras outras linhas que atendem de passagem a referida estação e usuários do Metrô, devido a sua saturação e por tratar-se de um serviço com itinerário paralelo ao eixo metroviário. Esse serviço está programado para operar com veículos de grande capacidade (Superarticulados de 23 metros), mais modernos, confortáveis e principalmente com intervalos menores entre as partidas, ofertando 1.200 lugares nos períodos de pico.

A SPTrans reitera que o transporte coletivo é prioridade da atual administração. A empresa não foi notificada até o momento sobre questionamentos do MPE. A SPTrans permanece à disposição para esclarecimentos à comunidade e segue trabalhando pela melhoria do sistema com medidas de curto, médio e longo prazos."

Informações: Estadão

Prefeitura avalia cortar 1 em cada 4 linhas de ônibus

26/10/2013 - O Estado de S.Paulo

Prefeitura avalia cortar 1 em cada 4 linhas de ônibus

Atuais 1.305 itinerários devem ser reduzidos para cerca de 900; ideia é cancelar principalmente percursos extensos

Caio do Valle 

A gestão Fernando Haddad (PT) avalia cortar uma em cada quatro linhas de ônibus na capital paulista até o fim de 2016. Dos atuais 1.305 itinerários, a previsão é de que o número baixe para cerca de 900, disse nessa sexta-feira, 25, Ana Odila de Paiva Souza, diretora de Planejamento da São Paulo Transporte (SPTrans). Devem ser cancelados principalmente os percursos muito extensos, ligando os bairros ao centro.

Os cortes integram o projeto de "simplificação" do sistema de coletivos, que pretende criar uma rede moderna de ônibus, sem reduzir a frota. Com as alterações, o objetivo da Prefeitura é tornar mais dinâmicos e confiáveis os dois subsistemas que compõem a malha paulistana. O primeiro, o estrutural, funciona como uma espécie de espinha dorsal dos transportes, operando nas principais avenidas, com ônibus maiores e linhas longas, e ligando terminais distantes. Já o outro, o local, atende os bairros com veículos menores e serve para "alimentar" de passageiros o estrutural.

Atualmente, segundo Ana Odila, os intervalos nos pontos são irregulares, o que leva à falta de confiança no serviço. Com as alterações propostas pela SPTrans, haverá avanços nesse sentido, além da oferta de ônibus "maiores e melhores" e aumento de velocidade nos eixos estruturais, como, por exemplo, o da Avenida Radial Leste.

Em muitos casos, porém, os passageiros terão de fazer mais baldeações. Onde mudanças assim foram implementadas, passageiros já reclamam. Na avaliação do consultor de engenharia de tráfego Horácio Augusto Figueira, mestre pela USP, a Prefeitura acerta ao apostar em uma rede enxuta, apesar das eventuais reclamações.

Novos eixos. Ana Odila também disse nessa sexta-feira, 25, que a Prefeitura estuda novos itinerários nas Avenidas Caetano Álvares, Sumaré, Paulo VI, Brasil, República do Líbano e Indianópolis. Ali, uma linha passará a funcionar ainda neste ano.

SP ganha mais 7 km de faixas exclusivas para ônibus

25/10/2013 - O Estado de São Paulo

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e a São Paulo Transporte (SPTrans) implementarão mais 7 km de faixas exclusivas para ônibus em São Paulo nesta segunda-feira, dia 28. A expansão, que atingirá vias das zonas sul e norte, além de trechos da região central, faz parte da Operação Dá Licença Para o Ônibus, cujo objetivo é priorizar a circulação do transporte coletivo.

Haverá mais 1,1 km de faixa exclusiva para ônibus em parte da região central. O novo trecho é composto pelo Viaduto Dona Paulina, Praça Dr. João Mendes, Rua Anita Garibaldi e Av. Rangel Pestana, até a região do Parque Dom Pedro II. O transporte público terá a prioridade de segunda a sexta-feira, das 6h às 22 h e, aos sábados, das 6h às 14 h.

Na zonal sul, serão implementados 5,2 km de faixa exclusiva à direita para ônibus na Avenida Engenheiro Armando de Arruda Pereira, no trecho entre as avenidas Engenheiro George Corbisier e Assembleia, no Jabaquara. O horário de funcionamento da nova faixa será de segunda a sexta-feira, das 6 às 20h, e aos sábados das 6 às 14 h, em ambos os sentidos. Pela Avenida Engenheiro Armando de Arruda Pereira circulam 21 linhas de ônibus municipais, transportando 217 mil passageiros por dia útil, em média.

A terceira mudança promovida pela CET nesta segunda-feira será a implementação de 700 metros de faixa exclusiva para ônibus na Avenida Casa Verde e Rua Dom Amaral Mousinho, na zona norte. A exclusividade valerá no sentido centro, de segunda a sexta-feira, das 6h às 20h, e aos sábados, das 6h às 14 h, em dois trechos: na Avenida Casa Verde, entre a Avenida Professor Celestino Bourroul e a Rua Dom Amaral Mousinho; na Rua Dom Amaral Mousinho, entre a Avenida Casa Verde e a Praça Delegado Amoroso Neto.

Com a inauguração dos novos trechos, a malha de faixas exclusivas implementadas neste ano chegará a 243,4 km. De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), transitar na faixa exclusiva à direita de ônibus é uma infração leve, com perda de três pontos na carteira e multa de R$ 53,20. Já invadir faixa exclusiva à esquerda configura infração grave, com cinco pontos na CNH e multa de R$ 127,69.

Informações: Estadão

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

46 linhas vão ter itinerário alterado

25/10/2013 - O Estado de SP

Usuários movem ação contra fim de linhas - O Estado de SP (19/out)

A SPTrans vai alterar o itinerário de 46 linhas de ônibus da zona leste da capital, a partir deste sábado, 26. As regiões afetadas são, principalmente, de São Mateus e de Cidade Tiradentes - justamente as mais mal avaliadas da cidade, cuja empresa que cuidava da gestão das linhas foi descredenciada. As mudanças incluem a divisão de linhas que faziam a ligação direta entre o centro e o extremo leste. Com a mudança, os passageiros terão de trocar de ônibus no meio do percurso.

Essa reorganização criou apenas uma nova linha, segundo a empresa municipal. A relação completa da mudança está no site www.sptrans.com.br.

A reorganização já virou pauta dos protestos de rua comandados pelo Movimento Passe Livre. No mais recente, nessa quinta-feira, 24, à noite, cerca de 80 pessoas fizeram uma caminhada pelo Campo Limpo, na zona sul, exigindo a volta das linhas e melhorias no transporte público na região. Para esta sexta-feira, 25, o MPL convocou um ato, a partir das 17h, na frente do Teatro Municipal.

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Baixada Santista conquista o PAC Mobilidade

24/10/2013 -  Prefeitura de Guarujá

Em reunião nesta terça-feira, 22, em Brasília, a chefe do Executivo de Guarujá, os outros oito prefeitos da Baixada Santista e o deputado federal Beto Mansur se reuniram com o vice-presidente da República, Michel Temer, e com os ministros Aguinaldo Ribeiro (Cidades) e Miriam Belchior (Planejamento) para discutir a inclusão da Região no PAC Mobilidade. O programa federal prevê investimento de 50 bilhões para execução de obras de infraestrutura, mas contempla apenas os municípios com população acima de 700 mil habitantes.

Guarujá tem uma população de mais de 300 mil habitantes. Na alta temporada, esse número chega a quase dois milhões de pessoas. Estas características de Guarujá, somadas aos outros oito municípios da Baixada Santista, que tem características semelhantes, resultam em uma população de cerca de 5 milhões de pessoas, entre munícipes e turistas.

Como a Baixada ficou de fora do PAC Mobilidade, por uma questão populacional, a governante de Guarujá e os outros prefeitos da região já haviam tido uma primeira reunião, no início deste mês, na capital federal com o vice-presidente, na tentativa de sensibilizar o Governo.

 "Depois dessa primeira reunião, consultei a presidenta Dilma, que achou mais de que justa a reivindicação. Depois, falei com a ministra Miriam Belchior e com o ministro Aguinaldo, que designaram seus técnicos para elaborarem fórmulas e projetos que permitam a inclusão, em caráter excepcional, da Baixada Santista no PAC Mobilidade", explicou Temer.

Nesta sexta-feira, 25, técnicos das nove prefeituras da Baixada se reúnem para discutirem e apresentarem projetos de cada cidade e propostas metropolitanas para o transporte público. E, dentro de duas semanas, os prefeitos das nove cidades se reúnem na sede da Agência Metropolitana de Desenvolvimento (AGEM), em Santos.

 "Fomos trazidos aqui pelo deputado Beto Mansur e saímos com uma lição de casa. Precisamos definir os projetos prioritários, por exemplo, túnel, aeroporto, VLT. Precisamos ter projetos prontos, porque uma cidade não pode fazer sozinha. Mas, com recursos do PAC e dentro desse olhar metropolitano, de integração desses modais de transporte público, vamos garantir a conexão das pessoas em nossos municípios. Precisamos estar conectamos, pois temos ainda a questão do pré-sal e o turismo que é a nossa vocação", disse a chefe do Executivo de Guarujá.

Segundo a ministra do Planejamento, o Governo Federal está disposto a atender o pleito dos prefeitos da Baixada Santista, por ser esta uma região muito importante para o PAC Mobilidade. "Vamos ver o todo e quais os melhores projetos para a Baixada. Aquilo que já tem projeto executivo e que já tem projeto básico bastante detalhado terá liberação rápida do Governo. Aquilo que tem projeto conceitual, ainda genérico, o Governo garante recursos para desenvolvimento do projeto e depois para obras", explicou Miriam Belchior.

Outorga do aeroporto

Na segunda-feira, 21 a chefe do Executivo se reuniu com o ministro da Secretaria da Aviação Civil, Moreira Franco, que garantiu a outorga do Aeroporto de Guarujá ao Município. "Foi uma ação intensa do Município, que contou com o apoio do vice-presidente Michel Temer e com um olhar muito especial do Governo Federal. Nesta reunião, o ministro Moreira Franco garantiu que, na segunda quinzena de novembro, assinaremos a outorga do aeroporto. Assim poderemos entrar com o estudo de impacto ambiental e, em seguida preparar a licitação para que o aeroporto possa entrar em funcionamento", comemorou a governante.

Com corredores lentos, SPTrans fará mudanças

24/10/2013 - Destak

A SPTrans (empresa que gerencia o transporte público em SP) vai reorganizar as 80 linhas do corredor Pirituba-Lapa-Centro, o que poderá resultar em corte de algumas delas.

As alterações visam aumentar a velocidade média dos coletivos que passam pela região - que, segundo dados da própria empresa, piorou no primeiro semestre deste ano em seis dos nove corredores existentes, na comparação com o mesmo período de 2012.

As razões apontadas para essa piora são o alto número de linhas que circulam pela faixa, as interferências físicas (como semáforos e cruzamentos) e a invasão por outros veículos no trecho exclusivo.

Só nos oito primeiros meses deste ano foram aplicadas pela CET 152,7 mil multas por invasão às faixas exclusivas, num aumento de 522% em relação ao mesmo período do ano passado.

O plano, segundo a empresa, é o de reorganizar os itinerários dessas linhas, reordenar as paradas e implantar locais para realização de conexões, que começará no início do ano que vem no corredor que liga Pirituba ao centro. Depois, o modelo será implantado em outros corredores.

A melhora no transporte público tem sido uma das principais reivindicações de atos do Movimento Passe Livre em bairros da periferia da capital.

domingo, 20 de outubro de 2013

São Paulo ganha mais de 4 km de faixas de ônibus nesta segunda

20/10/2013 - G1 SP

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) vai implantar nesta segunda-feira (21) novos trechos de faixas exclusivas para ônibus em três avenidas da capital paulista. Ao todo, São Paulo receberá mais 4,3 km de faixas para ônibus.

Com a inauguração, a cidade atinge 236,4 km de faixas exclusivas para ônibus implantadas neste ano, número superior à meta imposta pela Prefeitura para 2013: 220 km. As avenidas George Corbisier, Luiz Dumont Vilares e Álvaro Machado Pedrosa vão ganhar as novas faixas.

A ação faz parte da Operação Dá Licença para o Ônibus, que tem como objetivo priorizar a circulação do transporte coletivo na cidade, diminuir o tempo de viagem dos usuários e melhorar os padrões de conforto e segurança do transporte público.

De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), trafegar pela faixa exclusiva de ônibus é uma infração leve, que gera perda de três pontos na carteira e multa de R$ 53,20. Veja os trechos que receberam novas faixas nesta segunda-feira:

Zona Norte
Avenida Álvaro Machado Pedrosa
A nova faixa será posicionada apenas em direção ao bairro, entre a Praça Orlando Silva e a Avenida Tucuruvi. Ela ficará ativa de segunda a sexta-feira das 6h às 20h e, aos sábados, das 6h às 14h.

Avenida Luiz Dumont Villares
A faixa para ônibus vai ocupar os dois sentidos da via. Em direção ao Centro, a faixa será implantada entre a Rua Sevilha e a Praça Orlando Silva. Já rumo ao bairro, a faixa ficará entre a Praça Orlando Silva e a Av. Tucuruvi. Ela ficará em funcionamento de segunda a sexta-feira, das 6h às 20h e, aos sábados, das 6h às 14h.

Zona Sul
Avenida George Corbisier
A exclusividade para os coletivos será implantada em um trecho à direita da via que tem 1,8 km de extensão. Ela vai funcionar entre as avenidas Engenheiro Armando de Arruda Pereira e General Daltro Filho, em ambos os sentidos. O transporte coletivo terá prioridade de segunda a sexta-feira das 6h às 20h e, aos sábados, das 6h às 14h.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

BRT se consolida como um dos meios de transporte mais eficientes do mundo

04/08/2013 - R7

Corredor Norte/Sul recebe 2ª etapa da faixa exclusiva para ônibus nesta segunda-feira (5)

domingo, 4 de agosto de 2013
A segunda etapa da faixa exclusiva para ônibus no Eixo Norte/Sul é inaugurada na próxima segunda-feira (5) pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego). O trecho, que soma 10,4 km de extensão, vai funcionar desde o Túnel João Paulo II — mais conhecido como Túnel do Anhangabaú —, passando pelas avenidas 23 de Maio, Rubem Berta, Prof. Ascendino Reis, Moreira Guimarães e Washington Luís, até 200 metros após a avenida Jornalista Roberto Marinho.

J. Duran Machfee/Futura Press/Estadão Conteúdo
No sentido centro, a faixa passará pela avenida Washington Luís em três trechos (entre a rua Laplace, com a av. Jônia e a rua Vapabussu; entre praça Comandante Lineu Gomes e via de acesso ao Aeroporto de Congonhas; e entre 90 metros após a passarela (rua Renascença) e a saída para a avenida dos Bandeirantes). A via só para coletivos vai passar ainda pela avenida Moreira Guimarães (trecho entre avenida Miruna e avenida Jandira), pela mesma avenida Moreira Guimarães, só que na pista lateral, pela avenida Rubem Berta (pista lateral) e na avenida Prof. Ascendino Reis, trecho entre avenida dos Jamaris e a rua Estado de Israel. Segue ainda pela avenida 23 de Maio (entre a rua Dr. Luís F. Sobrinho e a rua Barão de Ijuí, e entre o viaduto Jaceguai e 50 metros antes da rua Riachuelo) e pelo túnel João Paulo II (Anhangabaú), entre o viaduto Dr. Eusébio Stevaux e avenida Prestes Maia.

Já no sentido contrário, bairro, a implantação acontece na avenida 23 de Maio (entre a avenida 9 de Julho e Viaduto Engº Antônio de Carvalho Aguiar), na avenida Prof. Ascendino Reis, nas pistas laterais das avenidas Rubem Berta eMoreira Guimarães (entre a rua Ipê e a avenida dos Jamaris). A via só para coletivos segue pela avenida Moreira Guimarães (entre a avenida Jandira e a avenida Moaci) e pela avenida Washington Luís, em dois trechos (um entre a avenida Miruna e 150 metros após Rua Renascença; e o outro entre a rua Tamoios e a rua Laplace com a avenida Jônia).

A exclusividade para o transporte coletivo na nova faixa valerá de segunda a sexta-feira, em ambos os sentidos, das 6h às 22h.

1ª Etapa

No último dia 29, a via já havia recebido 2,1 km de via destinada só para ônibus. Na ocasião, a faixa foi implantada entre as ruas Paineira do Campo e a Carlos de Souza Nazaré.

Faixa no corredor Norte/Sul quase dobra velocidade de ônibus no 1º dia

A implantação de vias exclusivas para coletivos no Corredor Norte/Sul acontece por etapas. A faixa deverá ser ampliada, ganhando continuidade pelas avenidas Washington Luís, Interlagos e Teotônio Vilela, desde a altura da avenida Roberto Marinho até a avenida Atlântica. A terceira e última etapa deve começar a operar no dia 12 deste mês, segundo a companhia. A CET ressalta que a data pode sofrer mudança.

A ativação dessas vias só para ônibus faz parte da operação "Dá Licença para o Ônibus" da CET, que tem como objetivo priorizar a circulação do transporte coletivo nas vias de São Paulo, o que faz com que a velocidade dos coletivos aumentem e os tempos de viagens diminuam.

Linhas e Ônibus

Pelo Eixo Norte-Sul, no trecho desta implantação, circulam 24 linhas de ônibus municipais no sentido centro, transportando 235.375 passageiros por dia útil, e 22 linhas no sentido oposto, bairro, que levam 234.985 passageiros, também por dia útil.

Alterações de Circulação

Por causa da implantação da nova extensão da faixa exclusiva, a CET implantará sentido único de circulação em um quarteirão das ruas Barão de Suruí, Otávio Tarquínio de Souza e Visconde de Aguiar Toledo, entre a avenida Washington Luís e a rua Baronesa de Bela Vista.

Nas ruas Barão de Suruí e Visconde de Aguiar Toledo, a circulação será da avenida Washington Luís para a rua Baronesa de Bela Vista. Na rua Otávio Tarquínio de Souza, será no sentido inverso.

Informações: R7.com

Velocidade dos ônibus nas faixas exclusivas em SP aumenta 30%, diz secretário

04/08/2013 - UOL

Leia: CET implanta faixas de ônibus em novos trechos do Corredor Norte-Sul - G1 SP

Corredor norte-sul, na zona sul de São Paulo, que recebe nesta segunda o segundo trecho da faixa exclusiva para ônibus

A velocidade dos ônibus nos 90 km de faixas exclusivas para ônibus implantadas neste ano na cidade de São Paulo aumentou 30%, diz o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto. No primeiro trecho do corredor norte-sul, houve um aumento na velocidade de 13 km/h para 25 km/h.

"Não existe guerra entre o transporte público e o transporte individual, o que existe é prioridade. A prioridade é o transporte coletivo, se der para conciliar, vamos conciliar. Se não der, vamos priorizar a maioria", disse Tatto na última sexta-feira, quando aconteceu a primeira reunião do CMTT (Conselho Municipal de Transporte e Trânsito), na biblioteca Mário de Andrade, região central da cidade.

A partir desta segunda-feira (5), a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) inaugura a segunda etapa da faixa exclusiva para ônibus no corredor norte-sul, do túnel João Paulo 2º, conhecido como túnel do Anhangabaú, passando pelas avenidas 23 de Maio, Rubem Berta, Professor Ascendino Reis, Moreira Guimarães e Washington Luís, até 200 metros depois da avenida Jornalista Roberto Marinho.

A exclusividade para o transporte coletivo na nova faixa valerá de segunda a sexta-feira, em ambos os sentidos, das 6h às 22h, perfazendo uma extensão total de 10,4 km.

Sentido Santana

Av. Washington Luís, trecho entre a rua Laplace/Av. Jônia e a rua Vapabussu;

Av. Washington Luís, trecho entre a praça Comandante Lineu Gomes e a via de acesso ao Aeroporto de Congonhas;

Av. Washington Luís, trecho 90 metros após a passarela (r. Renascença) e a saída para a avenida dos Bandeirantes;

Av. Moreira Guimarães, trecho entre a av. Miruna e a av. Jandira;

Av. Moreira Guimarães (pista lateral), av. Rubem Berta (pista lateral) e av. Prof. Ascendino Reis, trecho entre a av. dos Jamaris e a r. Estado de Israel;

Av. 23 de Maio, entre a r. Dr. Luís F. Sobrinho e a r. Barão de Ijuí;

Av. 23 de Maio, trecho entre o viaduto Jaceguai e 50 metros antes da r. Riachuelo;

Túnel João Paulo 2º (Anhangabaú), entre o viaduto Dr. Eusébio Stevaux e a av. Prestes Maia.

Sentido aeroporto

Av. 23 de Maio, entre a avenida 9 de Julho e o viaduto Engenheiro Antônio de Carvalho Aguiar;

Av. Prof. Ascendino Reis, avenida Rubem Berta (pista lateral) e avenida Moreira Guimarães (pista lateral), entre a rua Ipê e a avenida dos Jamaris;

Av. Moreira Guimarães, entre a avenida Jandira e a avenida Moaci;

Av. Washington Luís, entre a avenida Miruna e 150 metros após a rua Renascença;

Av. Washington Luís, entre a rua Tamoios e a rua Laplace/avenida Jônia.

Pelo corredor norte-sul, no trecho desta implantação, circulam 24 linhas de ônibus municipais no sentido centro, que transportam 235.375 passageiros por dia, e 22 linhas no sentido oposto, bairro, que levam 234.985 passageiros.

O terceiro trecho da faixa vai atingir o restante das avenidas Washington Luís, Interlagos e Teotônio Vilela, desde a altura da avenida Roberto Marinho até a avenida Atlântica. Esta terceira e última etapa vai começar a operar no dia 12 deste mês.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Após protestos, cidades anunciam redução da tarifa; veja tabela

20/06/2013 - Folha de SP

Após milhares de pessoas protestarem contra o aumento da tarifa do transporte público pelas ruas do país, diversas cidades anunciaram uma redução no valor das passagens.

Ontem, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o prefeito Fernando Haddad (PT) informaram que a tarifa de ônibus, metrô e trens de São Paulo voltará a custar R$ 3,00. O anúncio foi feito após negociação entre as autoridades.

As novas tarifas começarão a valer na próxima segunda-feira (24). A integração pelo Bilhete Único voltará ao valor de R$ 4,65, mesmo para quem carregou o cartão após o aumento.

Eduardo Paes (PMDB) e Sérgio Cabral (PMDB) também anunciaram nesta quarta-feira a redução das tarifas do transporte público no Rio de Janeiro. O valor dos ônibus, que estavam em R$ 2,95 desde o início do mês, volta para R$ 2,75.

As passagens das barcas, que custavam R$ 4,80, voltam ao preço anterior, de R$ 4,50; o metrô voltará a custar R$ 3,20 (tinha aumentado para R$ 3,50); e as tarifas de trem voltam a custar R$ 2,90 (custavam R$ 3,10).

Em Cuiabá, Recife e João Pessoa, a redução, que foi anunciada na terça-feira (18), se baseou em medida do governo datada de 1º de junho, quando as alíquotas do PIS/Pasep e Cofins para o setor de transportes foram zeradas.

Também na terça-feira (18), o prefeito de Porto Alegre, José Fortunati (PDT), anunciou um redução de R$ 0,05. Segundo o prefeito, o município irá isentar o serviço de transporte de ônibus do ISSQN (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza), o que provocaria uma diminuição do valor dos bilhetes para R$ 2,80. Com a isenção do imposto, o município deixará de arrecadar R$ 15 milhões anuais.

Rio, Recife e São Paulo tiveram as maiores reduções: 6,8%, 6,7% e 6,25%, respectivamente. No Recife, a tarifa tem quatro valores diferentes, dependendo do itinerário.

Veja, abaixo, tabela com as reduções.





Comente

Nome
E-mail
Comentário










Envie o link desta página um amigo

Seu Nome
Seu E-mail
Nome do seu amigo
E-mail do seu amigo
Comentário

São Paulo ganha mais duas faixas de ônibus totalizando 70km de faixas só em 2013

24/06/2013 - Diário de SP

Mais dois trechos de faixas exclusivas para ônibus, num total de 400 metros, passarão a funcionar nesta segunda-feira na cidade de São Paulo. A CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) e a SPTrans (São Paulo Transportes) vão implantar os trechos a partir das 6h na Avenida Conselheiro Rodrigues Alves, na Vila Mariana, Zona Sul, e também na Rua Pirajussara, no Butantã, Zona Oeste.

Na Conselheiro Rodrigues Alves, a faixa exclusiva vai funcionar no sentido Centro, do lado direito da via, de segunda a sexta-feira, das 6h às 9h, entre as ruas Doutor Fabrício Vampré e a Domingos de Morais, num total de 300 metros. Por este trecho circulam nove linhas de ônibus, ou 67 ônibus por hora, transportando cerca de 123 mil pessoas em dias úteis.

BUTANTÃ/ Já na Pirajussara, a faixa exclusiva vai operar em um trecho de cem metros, de segunda a sábado, entre 6h e 22h, no sentido da Rodovia Raposo Tavares, entre a Avenida Vital Brasil e a Rua MMDC, das 6h às 22h. Pela rua passam 17 linhas de ônibus, ou 106 ônibus por hora, que transportam cerca de 72,6 mil passageiros em dias úteis.

A ativação das faixas exclusivas está inserida na Operação Dá Licença Para o Ônibus, medida que prioriza o transporte coletivo no horário de maior movimento, buscando a redução dos tempos de viagem, bem como maior conforto aos usuários do transporte público.

A punição para quem entrar na faixa de ônibus é multa de R$ 53,20 mais três pontos na carteira de habilitação.

Sinalização não está concluída
Toda a extensão da Avenida Conselheiro Rodrigues Alves foi recentemente recapeada, segundo a CET. Ainda segundo a CET, a sinalização do trecho da faixa de ônibus estará implantada nesta segunda, mas o restante, entre a Avenida Ibirapuera e a Rua Doutor Fabrício Vampré, ainda será concluído.

70
kms de faixas para ônibus já foram implantadas este ano

150
kms de faixas é o prometido pela Prefeitura até 2016

Informações: Diário de SP

SP abre licitação de R$ 46 bi para renovar transporte

13/06/2013 - O Estado de SP

Serão os maiores contratos feitos na história da Prefeitura. O prazo dos contratos desse serviço de concessão será de 15 anos

São Paulo - O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), abriu nesta quinta-feira licitação para a renovação dos serviços de transporte público feito na capital paulista por 15 mil ônibus coletivos e 7 mil peruas.

Serão os maiores contratos feitos na história da Prefeitura: as duas consultas públicas (para ônibus e vans) somam R$ 46,3 bilhões, valor maior que todo o orçamento da capital para 2013, de R$ 42 bilhões.

A concessão do transporte público, pelo período de 15 anos, será mais uma vez conduzida por um governo do PT. Em 2003, a licitação que reorganizou linhas de ônibus e peruas foi feita pela prefeita Marta Suplicy (PT), pelo período de dez anos e valor de R$ 15 bilhões.

A administração municipal vai agora reconfigurar o sistema de concessão dos transportes da cidade, que hoje é dividida em oito regiões (geridas por consórcios).

A partir de julho, a divisão será de três regiões: leste, noroeste e sul. De acordo com a gestão Haddad, a medida racionalizará a operação. Os contratos devem ser assinados em julho. O prefeito de São Paulo tem dito que o novo modelo ajudará a evitar novos aumentos da tarifa, hoje em 3,20 reais.

O prazo dos contratos desse serviço de concessão (geralmente, prestados por empresas e consórcios que operam os ônibus maiores, entre regiões diferentes do município) será de 15 anos. Já o da permissão (vans e ônibus menores geridos por cooperativas, num perímetro mais localizado) terá validade de sete anos, prorrogáveis por mais três, "quando houver interesse público".

Outra alteração diz respeito às áreas operacionais. Serão três, segundo o decreto: noroeste, leste e sul. A primeira abrangerá as atuais áreas de concessão 1, 2 e 8 e as de permissão 1.0, 2.0, 8.0 e 8.1. As da leste serão as áreas de concessão 3, 4 e 5 e de permissão 3.0, 3.1, 4.0, 4.1 e 5.0. A área de operação sul será composta pelas áreas de concessão 6 e 7 e pelas de permissão 6.0, 6.1 e 7.0.

O Poder Executivo alega que essa mudança "permitirá melhor controle pelo poder público e facilitará o equilíbrio financeiro entre os lotes". Hoje, existem oito áreas operacionais. Com as mudanças, o Executivo espera melhorar a qualidade do transporte público, uma vez que serão pedidas mudanças como a inclusão de GPS nos validadores das catracas.

Em caso de pane no GPS, o validador travará e o ônibus não poderá sair da garagem. A medida ajudará a Secretaria Municipal dos Transportes a ter um maior controle sobre a localização da frota em tempo real.

Os contratos são os maiores já assinados pelo Município desde 2004, quando Marta fez a licitação para a concessão dos serviços de limpeza urbana, pelo período de 20 anos (renovável por mais 10 anos) e valor de quase R$ 20 bilhões.

O maior contrato assinado pelo prefeito Gilberto Kassab (PSD) nos quase sete anos de mandato, em 2012, de R$ 3,36 bilhões, foi para a realização do programa, ainda em andamento, para a reurbanização de 118 favelas nos arredores das Represas Billings e Guarapiranga.

ANÁLISE: Flamínio Fichmann

Linhas devem atender usuários e não empresários

O sistema está organizado com uma lógica geográfica em que as empresas têm um poder quase feudal. E isso precisa mudar. Com o novo edital, os grupos empresariais não vão se alterar. Não porque a Prefeitura não queira, mas porque existe um lobby que ultrapassa a fronteira do nosso território. Precisamos, entretanto, evoluir para que fique claro que as empresas prestam um serviço, e o foco é o atendimento da população. As linhas têm de ser planejadas a partir da origem e do destino dos usuários e não dos interesses dos empresários, como acontece. Faltou e ainda falta processamento dessa análise, que muitas vezes conflita com o que querem as empresas. Isso porque implica transição das áreas operacionais. A vantagem ao se diminuir o número de áreas é a maior liberdade de planejamento. Normalmente, as linhas são radiais nessas oito áreas: saem da periferia para os subcentros e, de lá, para o centro. Não há muitas ligações entre bairros, entre subcentros e linhas perimetrais porque extrapolaria as áreas atuais. Tenho dúvida se o novo edital vai impactar a diminuição de custos, mas pode influenciar em uma rede com diferentes capacidades, mais capilarizada.

Faixa exclusiva da Paulista é antecipada para quarta

06/07/2013 - O Estado de SP

A Prefeitura de São Paulo antecipou em cinco dias a abertura da faixa exclusiva para ônibus na Avenida Paulista. Ela estava marcada para o dia 15, mas será na próxima quarta-feira, logo depois do feriado. Ainda não há data certa para começar a fiscalização, mas a multa por invadir a faixa será de R$ 53,20.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) não informou o motivo da antecipação da inauguração. A ordem do órgão é acelerar a instalação dessas faixas – uma resposta do prefeito Fernando Haddad (PT) aos protestos contra a má qualidade do transporte público. O prefeito já ampliou a meta de 150 km para 220 km de faixas exclusivas até o fim do ano.

A pista exclusiva para coletivos da Paulista será instalada em um trecho de 2 quilômetros, nos dois sentidos, entre a Praça Oswaldo Cruz e a Rua Augusta. Também haverá uma extensão na Avenida Doutor Arnaldo, com 710 metros, no sentido centro, entre a Rua Galeno de Almeida e 175 metros após a Rua Teodoro Sampaio.

As duas faixas exclusivas vão funcionar de segunda a sexta-feira, das 6h às 22h. Nos sábados, a da Paulista vai ser acionada nesse mesmo horário, mas a da Avenida Doutor Arnaldo será só para ônibus das 6h às 14h.

06/07/2013 - Folha.com

Av. Paulista e Dr. Arnaldo ganham faixas ônibus na quarta-feira

As faixas exclusivas de ônibus na avenida Paulista e na avenida Doutor Arnaldo, que estavam previstas para serem implantadas no próximo dia 15 de julho, foram antecipadas e começarão a funcionar já na quarta-feira (10).

Na Paulista, a faixa funcionará em ambos os sentidos, de segunda a sábado, das 6h às 22h, entre a praça Oswaldo Cruz e a rua Augusta, perfazendo uma extensão total de 2 km.

Já na avenida Doutor Arnaldo, a faixa será implantada no sentido centro, entre a rua Galeno de Almeida e a rua Teodoro Sampaio, com extensão de 710 metros, e no sentido bairro, entre a rua Prof. Ernest Marcus e a Teodoro Sampaio, numa extensão aproximada de 550 metros.

O funcionamento da da Doutor Arnaldo será de segunda a sexta-feira, das 06h às 22h, e aos sábados, das 6h às 14h.

Ainda no mês de julho, irão receber as faixas as ruas Brigadeiro Gavião Peixoto, Ibitirama, Loefgreen, Sapopemba e o trecho do corredor norte-sul formado pelas avenidas Tiradentes, Santos Dumont e Prestes Maia.

As faixas exclusivas geralmente ficam à direita das avenidas e funcionam apenas nos horários de pico. A invasão rende multa de R$ 53,20, mais três pontos na carteira de habilitação.

A CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) alerta que em caso de conversão o motorista deve ultrapassar apenas os trechos em que a faixa é tracejada e não contínua. Já ultrapassar a faixa tracejada e não fazer a conversão também está sujeito a multa.

A gestão de Fernando Haddad (PT) já implantou em torno de 60 km de faixas exclusivas. A meta inicial era entregar 150 km até o fim do mandato, mas na semana passada o prefeito antecipou a meta para este ano e aumentou o número para 220 km.

"Todas as grandes avenidas de São Paulo vão contar com faixas exclusivas para aumentar a velocidade, melhorar a qualidade e diminuir o custo [dos ônibus]", afirmou o petista. O anúncio pegou de surpresa técnicos da CET, que ainda não aprontaram todos os projetos.

Marginal Pinheiros, em SP, ganha 3º trecho de faixa exclusiva de ônibus nesta 2ª-feira

14/07/2013 - Uol

Marginal Pinheiros ganha o terceiro trecho de faixa exclusiva de ônibus nesta segunda-feira (15)

Por meio da operação "Dá Licença para o Ônibus", a SPTrans, empresa que gerencia o transporte público na cidade de São Paulo, inaugura nesta segunda-feira (15) o terceiro trecho da faixa exclusiva de ônibus na marginal Pinheiros.

A faixa será implantada na avenida das Nações Unidas, sentido Castello Branco, entre a avenida Mário Lopes Leão e a ponte Engenheiro Ary Torres, com aproximadamente 7,4 km de extensão. A exclusividade dos ônibus na nova faixa valerá de segunda a sexta-feira, das 6h às 9h e das 17h às 20h.

Pela marginal Pinheiros, neste terceiro trecho da nova faixa exclusiva, circulam 17 linhas municipais de ônibus, transportando 193 mil passageiros por dia útil.

Ao todo, portanto, o projeto na marginal contempla 21 km de faixa exclusiva. Desse total, 11,6 km estão implantados no sentido Castello Branco, centro, e 9,4 km estão sinalizados no sentido Interlagos, bairro.

Fretado

Conforme determina a Portaria 051/13 da SMT (Secretaria Municipal de Transportes), está autorizada a circulação de ônibus fretados nas faixas exclusivas recém-criadas nas marginais Tietê e Pinheiros. Os fretados já são autorizados a circular pelas marginais, podendo desde 20 de junho deste ano utilizar as faixas exclusivas.

Fiscalização

A CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) faz um trabalho de orientação na via, com ênfase educativa, sem registro de autuações. A fiscalização será iniciada quando os usuários estiverem adaptados. Vale lembrar que, de acordo com o CTB (Código de Trânsito Brasileiro), transitar na faixa exclusiva à direita de ônibus é uma infração leve, com perda de três pontos na carteira e multa de R$ 53,20.



Comente

Nome
E-mail
Comentário










Envie o link desta página um amigo

Seu Nome
Seu E-mail
Nome do seu amigo
E-mail do seu amigo
Comentário

Milhares nas ruas obrigam Alckmin e Haddad a recuar

20/06/2013 - Folha de SP

Após jogo, torcedores assistem ao anúncio de redução de tarifas em SP (Eduardo Knapp/Folhapress)

Rio e outras 6 capitais também terão redução de passagem de ônibus; mobilização foi a maior desde queda de Collor

Após protestos que levaram centenas de milhares de pessoas às ruas do país, os governadores e prefeitos de São Paulo e do Rio cederam e decidiram reduzir as tarifas do transporte coletivo.

A decisão dos governadores Geraldo Alckmin (PSDB) e Sérgio Cabral (PMDB) e dos prefeitos Fernando Haddad (PT) e Eduardo Paes (PMDB) já se repetiu em diversas cidades nas últimas semanas, incluindo outras cinco capitais --Cuiabá, Recife, João Pessoa, Porto Alegre e Aracaju. Natal também irá anunciar redução da tarifa hoje.

As manifestações pelo Brasil reuniram mais de 215 mil pessoas só na última segunda --na maior mobilização desde a queda do presidente Fernando Collor, em 1992.

Em São Paulo, a redução das passagens de ônibus, metrô e trens, de R$ 3,20 para R$ 3, começa a valer na próxima segunda-feira --três semanas depois do reajuste.

No Rio, a queda das tarifas de R$ 2,95 para R$ 2,75 será válida a partir de amanhã.

As negociações envolveram governantes dos principais partidos do país (como PT, PSDB e PMDB), além da presidente Dilma Rousseff.

Alckmin e Haddad dizem que, com a decisão, terão que cortar investimentos --para aumentar as subvenções à tarifa, que, só para os ônibus, já consumiriam um recorde de R$ 1,25 bilhão este ano.

Eles estimam um gasto extra de R$ 385 milhões para os meses restantes de 2013 --R$ 210 milhões no Estado e R$ 175 milhões na prefeitura.

A pressão ganhou corpo com uma sequência de manifestações em São Paulo a partir do último dia 6. De lá para cá, houve seis grandes atos do Movimento Passe Livre, que interditaram vias importantes como avenida Paulista e marginal Pinheiros.

Apesar do teor pacífico da maioria dos manifestantes, eles acabaram com cenas de violência e pânico --como incêndios, pichações e saques.

A bandeira da tarifa zero, que originou os protestos, acabou incorporando diversas outras reivindicações.

No Rio, Eduardo Paes disse que esse impacto, estimado em R$ 200 milhões por ano, "terá que ser arcado pelo poder público". Afirmou que as prefeituras terão que pressionar o Congresso e o governo para repartir o custo.

O prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB), também deve apresentar hoje à Câmara um projeto de lei de isenção do ISS para baratear a passagem.

APERTANDO O CINTO

O anúncio feito em conjunto ontem em São Paulo por Alckmin e Haddad ocorreu na véspera de mais um ato do Passe Livre, marcado para as 17h de hoje, na av. Paulista.

No começo do ano, os dois haviam postergado a elevação das passagens, atendendo a pedido de Dilma para ajudar a conter a inflação.

Além da tarifa comum, a integrada (entre ônibus e trens e metrô) também cairá, de R$ 5 para R$ 4,65.

O rombo deve ser mais sentido por Haddad, que já enfrenta dificuldade em obter dinheiro para financiar suas promessas de campanha. Pela projeção da gestão, caso a tarifa fique congelada até 2016, o impacto será de R$ 2,6 bilhões --11% do necessário para seu plano de metas.

No caso do Estado, os R$ 210 milhões representam 6% dos investimentos do governo no Metrô, conforme o Orçamento de 2013. "Vamos arcar com os custos apertando o cinto", disse Alckmin.

GOL DA SELEÇÃO

A redução das passagens foi comemorada como um gol da seleção brasileira por 10 mil torcedores que, do Vale do Anhangabaú (centro), assistiram ao jogo do Brasil pela Copa das Confederações. O público havia vaiado antes, quando Alckmin e Haddad apareceram no telão da TV.

Alckmin declarou que a queda de R$ 0,20 na tarifa é um "sacrifício grande".

Destacou ainda a necessidade de São Paulo voltar à rotina depois dos protestos. "Queremos tranquilidade para que a cidade funcione, para que os temas legitimamente levantados possam ser debatidos com tranquilidade."

O tucano enfatizou também que cerca de dois terços da população não paga a tarifa completa --segundo ele, 38% têm vale-transporte subsidiado por empregadores, 10% têm gratuidade total (como idosos) e 12%, descontos.

Haddad disse que a prefeitura conversou não só com o Estado, mas com outros prefeitos de capitais, como o Rio.

"É um gesto de manutenção de espírito da democracia, de convívio pacífico que continuaremos a fazer com a cidade. E agora com mais responsabilidade, porque temos que explicar as consequências desse gesto para o futuro da cidade."

CAI A TARIFA - Quem vai pagar?

* APÓS CENTENAS DE MILHARES IREM ÀS RUAS, HADDAD E ALCKMIN REDUZEM TARIFAS DE ÔNIBUS, TRENS E METRÔ * CONTA SERÁ PAGA COM CORTE DE INVESTIMENTOS * GRUPO PROMETE MANTER PROTESTOS

Após 13 dias de protestos, que reuniram centenas de milhares de pessoas nas ruas de São Paulo em atos ora pacíficos ora violentos, o prefeito Fernando Haddad (PT) e o governador Geraldo Alckmin (PSDB) cederam à pressão e anunciaram a redução nas tarifas de ônibus, metrô e trens, de R$ 3,20 para R$ 3. O reajuste vigorava desde 2 de junho. O Rio e outras seis capitais também decidiram baixar as passagens.

A histórica redução vem acompanhada de duas perguntas. A primeira: a medida será capaz de conter a onda de manifestações pelo país? O Movimento Passe Livre, responsável pelos atos, afirma que os protestos continuarão, agora pela tarifa zero e por causas como a reforma agrária. Durante comemoração na avenida Paulista, o grupo confirmou manifestações que estão marcadas para hoje.

A segunda: quem pagará a conta? Segundo Haddad e Alckmin, que enfrentam problemas financeiros, o dinheiro virá do corte de investimentos. A conta será de cerca de R$ 385 milhões só em 2013. Isolado pelo governo federal, Haddad havia dito horas antes que reduzir a tarifa poderia ser "populismo".

Segundo a polícia de São Paulo, 14 dos 69 detidos anteontem por depredações e saques no centro têm passagem por roubo, furto ou tráfico de drogas. Ontem, protestos fecharam cinco rodovias do Estado. Em Fortaleza, houve confronto antes do jogo do Brasil contra o México, pela Copa das Confederações.

ANÁLISE

Recuo terá de ser compensado mais cedo ou mais tarde



A PROLIFERAÇÃO DE SUBSÍDIOS TORNA MAIS DIFÍCIL IDENTIFICAR PRIORIDADES


Se a redução das tarifas de transportes é "populista", como havia dito o prefeito Fernando Haddad antes de capitular à medida, o populismo tarifário não começou agora.

Em janeiro, o governo federal já pedia a governadores e prefeitos --incluindo Geraldo Alckmin e Haddad-- que adiassem os reajustes de preços originalmente programados para o início do ano.

Na ocasião, o objetivo era conter a escalada da inflação e tentar evitar uma alta dos juros, dois motivos de desgaste político para o Palácio do Planalto que acabaram sendo apenas adiados.

Os governos municipais e estaduais cederam, a despeito do impacto nos orçamentos locais. E com prejuízo para a transparência tanto dos indicadores econômicos quanto das contas públicas.

Num país em que os governos seguem a tradição de intervir nos mais diferentes setores da economia e dos serviços públicos, é grande a tentação de manipular tarifas para atender à conveniência política imediata.

Não só custos são camuflados, mas também contradições: bem antes do transporte paulistano, o governo federal, controlador da Petrobras, já vinha postergando reajustes da gasolina --na prática, subsidiando o transporte particular e estimulando o uso de automóveis.

Outra providência foi promover a redução das tarifas de energia elétrica, mesmo com risco para os investimentos das empresas do setor.

Enquanto exibem benefícios visíveis como gasolina, luz, ônibus e metrô mais baratos, União, Estados e municípios diluem em estatísticas mais obscuras as contrapartidas de suas bondades.

Em todos os casos, há perdas para os orçamentos que, mais cedo ou, geralmente, mais tarde têm de ser compensadas, seja com redução de investimentos, seja com aumento de impostos.

A Petrobras, por exemplo, teve de atrasar, por falta de receita, obras prioritárias na área de infraestrutura, o que significa menos renda para a economia como um todo.

No conjunto, as manobras para encobrir a inflação resultaram em estímulo ao consumo e maior deficit nas contas públicas, o que, mais à frente, volta a alimentar a alta dos preços.

A proliferação de subsídios torna mais difícil identificar prioridades e delimitar os setores a serem atendidos.

A subvenção é praticamente consensual no transporte coletivo, mas disputa verbas com outros subvencionados como agricultura familiar, habitação popular, cultura, ensino superior e até empresários que tomam crédito nos bancos estatais.


Sem o costume de explicitar custos e consequências dos subsídios, a oferta, por parte dos governantes, acaba por criar mais demandas por parte da sociedade --tanto na forma de lobbies como na de manifestações de rua.

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Campinas faz nova licitação eletrônica para ônibus rápido

06/08/2013 - DCI

A Prefeitura de Campinas promove hoje a partir das 10h, na sala de licitações, no 6º andar do paço, a licitação eletrônica para contratar empresa ou consórcio especializado na consolidação dos projetos básicos do BRT (Bus Rapid Transit - ônibus de trânsito rápido) campineiro.

A licitação prevê a contratação dos serviços pelo Regime Diferenciado de Contratação (RDC - forma de contratação criada pelo governo federal que permite mais agilidade no processo, conforme Lei n. 12.462/2011). Até as 9h30, as propostas serão recebidas eletronicamente.

O RDC eletrônico será acompanhado pela comissão de licitação do BRT. A comissão é formada por dez membros, entre técnicos da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) e procuradoras da prefeitura.

Na primeira licitação eletrônica, em 20 de junho, três empresas participaram do certame (Tranzum Planejamento e Consultoria de Trânsito; Consulgal Brasil Consultores de Engenharia e Gestão; e Fernandes & Terruggi Consultores Associados). O recurso máximo estipulado para a realização do serviço era de cerca de R$ 4 milhões e os concorrentes declinaram da realização do trabalho.

Em negociação com a Caixa Econômica Federal (CEF), a Emdec conseguiu aporte financeiro para complementar o recurso, possibilitando a realização de nova licitação. A Administração municipal tem até o final de outubro para entregar os projetos consolidados dos corredores do BRT ao Ministério das Cidades.

As obras do BRT têm previsão de início para o próximo ano, com duração total estimada de 36 meses.

O projeto contempla, além de uma pista exclusiva para os ônibus, estações de transferência fechadas e plataformas em nível, com embarque e desembarque pela porta esquerda do veículo.

O BRT irá beneficiar cerca de 300 mil pessoas que residem nas regiões do Ouro Verde e Campo Grande. No Ouro Verde serão 14,4 km de extensão, saindo do Terminal Central (Viaduto Miguel Vicente Cury), seguindo pela João Jorge, Amoreiras, Ruy Rodriguez, Camucim e Terminal Vida Nova. Já no Campo Grande serão 17,8 km de extensão, saindo do Terminal Multimodal Ramos de Azevedo, seguindo pelo leito desativado do antigo VLT, John Boyd Dunlop e chegando ao Terminal Itajaí.

SP ganha mais 7,5 km de faixas de ônibus

14/10/2013 - Diário de São Paulo

Trechos da Zona Leste e da Zona Norte terão novos espaços implantados hoje pela Prefeitura DIÁRIO DE S. PAULO

Mais 7,5 quilômetros de faixas exclusivas de ônibus começam a funcionar hoje. A implantação ocorre em trechos da Zona Leste e da Zona Norte da capital. Com isso, a malha implantada pela Prefeitura neste ano chega a 232,1 quilômetros — a meta inicial, de 220 quilômetros, foi superada.

O maior trecho novo, de 3,7 quilômetros, será na Avenida Marechal Tito, entre a Avenida Nordestina e a Rua Ribeiro Escobar, com sequência na Rua Beraldo Marcondes. Os ônibus terão exclusividade de segunda a sexta-feira, das 6h às 9h, no sentido Centro, e das 17h às 20h, em direção ao bairro.

Ainda na Zona Leste, serão implantados mais 2,9 quilômetros de faixa exclusiva em outras cinco vias: Rua Doutor Luiz Ayres, Rua Castelo do Piauí, Avenida Itaquera, Rua Américo Salvador Novelli e Rua Augusto Carlos Bauman. O horário de funcionamento dependerá da via e do sentido.

Inicialmente, agentes da CET orientarão os motoristas nos novos trechos da Zona Leste. A fiscalização começa no dia 28.

Já na Zona Norte, passam a funcionar 900 metros de faixa exclusiva na Avenida Engenheiro Caetano Álvares, no trecho entre a Rua Zilda e a Rua Padre João Gualberto. Os ônibus terão exclusividade de segunda a sexta-feira, no sentido Centro, das 6h às 9h, e no sentido bairro, das 17h às 20h.

De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, transitar na faixa exclusiva à direita de ônibus é uma infração leve, com perda de três pontos na carteira e multa de R$ 53,20.

domingo, 13 de outubro de 2013

Prefeitura extingue empresa de ônibus na zona leste de SP

11/10/2013 - O Estado de São Paulo

Viação foi multada mais de 11 mil vezes neste ano; segundo a administração municipal; funcionários fizeram paralisação.

Caio do Valle - O Estado de S. Paulo

SÃO PAULO - A Viação Novo Horizonte/Itaquera Brasil deixará de transportar passageiros na cidade de São Paulo "devido às reincidentes falhas na prestação de serviços", informou nesta sexta-feira, 11, a Prefeitura. Segundo a gestão Fernando Haddad (PT), a empresa foi multada 11.038 vezes neste ano "em função de mau atendimento à população". Com o descredenciamento, as linhas de parte da zona leste da capital serão reorganizadas e passarão a ser operadas por meio de contrato emergencial com outras viações. A área 4 dos transportes públicos paulistanos, onde operava a Itaquera Brasil, é alvo de reclamações dos passageiros e até de intervenções do governo municipal.

Veja também:
Por falta de pagamento, motoristas paralisam viação na zona leste de SP



Na madrugada, funcionários da Itaquera Brasil iniciaram uma greve por causa da falta de pagamento de salários e horas extras, além de impossibilidade do uso do plano de saúde, em uma das garagens da viação, em Cidade Tiradentes, na zona leste. Ao todo, 220 veículos não saíram às ruas em 24 linhas, que transportam, por dia, cerca de 150 mil passageiros. Uma operação emergencial foi posta em prática, com ônibus de outros operadores para atender metade da demanda.

Depois do episódio, que não foi o primeiro do tipo neste ano na Itaquera Brasil, a Secretaria Municipal dos Transportes decidiu descredenciar a viação. Em nota, a Prefeitura informou que "irá anunciar nos próximos dias a reorganização geral das linhas de toda a região onde a Novo Horizonte/Itaquera Brasil atuava na zona leste, visando a racionalizar o sistema e melhorar a eficiência da operação".

O texto revela que até agora em 2013 a empresa foi alvo de 8.030 reclamações de usuários, "todas referentes à qualidade do serviço, sendo que a queixa mais frequente é por excesso de intervalo em suas linhas". Também há "casos de motoristas que não atendem o sinal de parada, direção perigosa e descumprimento de partidas".

No primeiro semestre deste ano, a Itaquera Brasil (que no passado se chamava apenas Novo Horizonte) teve nota de 46,09 em uma avaliação feita pela São Paulo Transporte (SPTrans), posicionando-a no último lugar do ranking das operadoras de ônibus da cidade. A média das notas dessas empresas na capital paulista foi de 66,1. A avaliação leva em conta itens como ocupação dos ônibus, cumprimento de partidas, reclamações, acidentes, multas e manutenção dos veículos.

A Itaquera Brasil é uma empresa formada por ex-perueiros da região.

Zona leste ganha 6,6 km de faixas

12/10/2013 - Folha de SP

do Agora

A zona leste de São Paulo vai receber mais 6,6 km de faixas exclusivas para ônibus na próxima segunda-feira.

A avenida Marechal Tito, no Itaim Paulista, terá receber o maior trecho, com 3,7 km de extensão.

A exclusividade para os coletivos vai funcionar de segunda a sexta.

No pico da manhã (das 6h às 9h), a faixa será no sentido centro.

No pico da tarde (das 17h às 20h), no sentido bairro.

Na região de Itaquera, também na zona leste, o novo trecho terá 2,9 km de extensão e vai percorrer cinco vias do bairro, entre elas a avenida Itaquera e a rua Doutor Luiz Ayres.

Carro é o cigarro do futuro, diz Lerner

12/10/2013 - Folha de SP

Leia: Motorista não é o 'folgadinho' do trânsito, afirma especialista

Pedágio urbano é visto como solução inescapável

Responsável pela implantação do primeiro sistema de BRTs (ônibus de trânsito rápido) do mundo, o urbanista e ex-prefeito de Curitiba Jaime Lerner disse que São Paulo "ganhou uma grande guerra" ao priorizar o transporte coletivo sobre pneus. O desafio da cidade agora, diz, é dar qualidade ao sistema.

"O carro é o cigarro do futuro", disse Lerner, 75, na quarta-feira, no Fórum de Mobilidade Urbana da Folha. "Para o cotidiano, cada vez mais teremos de apostar no transporte público."

Lerner, que também foi governador do Paraná, disse que, definida a opção pelo ônibus, é preciso "dar outro grande salto: transformar essa concepção de corredores para concepção de rede."

"Não é só uma solução de transporte", disse, ao comparar o ideal urbano a uma tartaruga: "Moradia, trabalho e mobilidade, tudo junto".

O arquiteto afirmou ainda que o BRT "não é faixa pintada". Para ele, é preciso planejar bem a estação de embarque, pois é muito difícil fazer um sistema de qualidade com pontos de ônibus "junto ao meio-fio".

"Não é fazer um abrigo, não é fazer todo mundo, num ônibus biarticulado, embarcar pela catraca. A catraca é imbecilidade no caso de transporte de massa."

Desde o início do ano, o prefeito Fernando Haddad criou 224 km de faixas exclusivas para ônibus. Parte está incluída nos 150 km de BRT que o petista promete entregar até o final de 2016.

Em tom descontraído, o ex-prefeito curitibano disse que os moradores da capital paulista têm uma visão excessivamente negativa da cidade.

"O paulistano tem prazer em dizer que a cidade não tem jeito", brincou.

Além de Lerner, participaram do painel "Eficiência no Transporte Urbano" o secretário estadual dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, e o presidente da Volvo Bus Latin America, Luís Carlos Pimenta.

Pimenta destacou como tendência a implantação de ônibus elétricos. Segundo ele, o segmento tem investido muito nessa tecnologia.

No ano passado, foi lançado o primeiro ônibus híbrido elétrico em São Paulo, que permite renovação da energia e melhor rendimento se comparado ao biodiesel.

"As novas soluções nesse sentido buscam sustentabilidade ambiental e econômica. Os combustíveis fósseis serão cada vez mais escassos e a poluição urbana deve aumentar", afirmou.

Audiência pública discute corredores de ônibus em São José dos Campos

12/10/2013 - G1 Vale e Região

A Prefeitura de São José dos Campos realizou uma audiência pública na noite desta sexta-feira (11) na Câmara Municipal para discutir os corredores de ônibus, implantados há três meses na cidade, mas apenas 100 pessoas estiverem no local, muitas delas funcionárias da prefeitura.

No evento foram apresentados os resultados alcançados com as mudanças nas vias da cidade. O público se manifestou e questionou as multas aplicadas para motoristas que circulam nos corredores de ônibus. Quem permanece no corredor leva multa de R$ 85,10 e perde quatro pontos na carteira. O motorista só pode pegar faixa exclusiva se for virar ou estacionar.

"A proposta era que fosse apenas aplicado efetivamente essa multa a partir de uma reincidência, porque o que importa mais é uma campanha educativa e a partir daí não um sistema punitivo", disse Gabriel Silva Júnior, do núcleo regional do Plano Diretor.

O secretário de Transportes, Wagner Balieiro, descarta a ideia apresentada pelos moradores e disse que houve oportunidades para debater o assunto antes da audiência pública. "Nós tivemos diversas reuniões com a Associação Comercial e Industrial, Sindicato do Comércio Varejista, no Sesc, várias oficinas do Centro Vivo que falaram sobre corredores. Lógico, que todos os processos que nem esses corredores, você pode ter medidas para aperfeiçoá-lo, melhorá-lo", afirmou.

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Santo André terá corredor para ônibus até fim do ano

11/10/2013 - Diário do Grande ABC

A Prefeitura de Santo André prevê implementar o primeiro dos 13 corredores exclusivos para ônibus programados para a cidade até o fim do ano. O primeiro eixo beneficiado será a área central, incluindo as avenidas Cel. Alfredo Flaquer (Perimetral) e General Glicério.

Conforme explica o diretor da SATrans, Leandro Petrin, as intervenções serão realizadas com recursos próprios, tendo em vista a necessidade de melhorar a fluidez viária da cidade para incentivar o uso do transporte coletivo. A administração pleitea R$ 500 milhões do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) para a construção dos corredores exclusivos.

Atualmente, a cidade conta apenas com faixas preferenciais para ônibus, o que não impede motoristas de veículos de passeio de circular pelo trecho. Com a medida, os carros que invadirem o espaço passam a ser multados. O CBT (Código Brasileiro de Trânsito) estabelece multa de R$ 53,20 e o motorista perde três pontos na carteira de habilitação.

"Nas próximas semanas concluiremos estudo realizado e vamos apresentar cronograma de obras dos corredores", conta Petrin. Segundo ele, a expectativa é implementar a faixa exclusiva para o transporte público em mais dois pontos da cidade no início de 2014. "As avenidas Carijós e D. Pedro II estão entre as que precisam ser privilegiadas, mas ainda não sabemos se teremos condições de fazer com recurso próprio ou vamos esperar a verba do BID", destaca.

O diretor da SATrans explica que o corredor definitivo é mais caro do que a simples separação de faixas para os coletivos, mas apresenta eficiência maior, já que o embarque dos passageiros é mais rápido e existe possibilidade de interação entre os semáforos para que o transporte público tenha mais fluidez. "Já estamos fazendo estudo para adaptar os semáforos para dar preferência aos ônibus e melhorar a fluidez", comenta Petrin.

Os locais escolhidos para acolher os corredores são considerados "intransitáveis" pelo próprio prefeito, Carlos Grana (PT), como as avenidas Industrial e Vieira de Carvalho, Viaduto Castelo Branco, avenidas Príncipe de Gales, José Amazonas e D.Pedro I, e Estrada do Pedroso.

Os únicos corredores definitivos que existem no Grande ABC são o ABD (Jabaquara/Brooklin/São Mateus) e o da Avenida Capitão Mário Toledo de Camargo, em Santo André.

Bilhete Único registra 348,7 mil integrações

Em três meses de operação, o Bilhete Único Andreense já registrou 348,7 mil integrações tarifárias. O número corresponde a cerca de 7% do total de viagens observadas no período, superando a meta traçada em 2012 para este ano. O sistema de transporte público municipal tem cerca de 100 mil usuários cadastrados.

Desde junho, a SATrans já emitiu 6.600 cartões, além de contabilizar a migração de 93,1 mil usuários do Urban Pass para o novo sistema.

O Bilhete Único permite ao passageiro embarcar em até três ônibus municipais pagando apenas uma passagem. Em dias úteis, a integração gratuita deve ser feita em uma hora e meia. Já aos domingos e feriados, a conexão precisa ser realizada em até duas horas.

De acordo com Leandro Petrin, com a modernização o número de viagens aumentou. Entre setembro de 2012 e 2013, houve alta de 3,2%.

Na visão do gerente geral da Aesa, Luiz Marcondes de Freitas Júnior, a população já entendeu os benefícios da integração. "As pessoas perceberam que podem racionalizar suas viagens e a tendência é que cada vez mais pessoas optem pelo serviço", diz.

Petrin esclarece que o próximo desafio é aprimorar a confiança dos passageiros em relação aos horários dos ônibus. Serão feitas pequenas intervenções, como proibição de estacionamento próximo dos pontos de ônibus, retirada de espaços que atrapalhem a circulação nos viários, além da implantação dos corredores exclusivos e estudo semafórico.

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

200 radares serão instalados em faixas de ônibus de São Paulo

06/10/2013 - Veja

Até o fim do ano, a cidade de São Paulo ganhará 200 novos radares de trânsito, todos voltados para a fiscalização da invasão das faixas exclusivas de ônibus. Com os novos equipamentos e o aumento das faixas de ônibus, a arrecadação da Prefeitura de São Paulo com as infrações deverá subir 22% no ano que vem, na comparação com o previsto para 2013. É o que prevê a proposta de orçamento encaminhada para a Câmara Municipal. Pela primeira vez, a arrecadação com as multas deverá passar de 1 bilhão de reais

Atualmente, os aparelhos de fiscalização estão localizados principalmente nas áreas centrais. Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), agora a ideia é ampliar o monitoramento para todas as regiões da cidade, até as faixas mais "distantes do centro", onde há "altos índices de infrações".

Todos os novos radares passarão a funcionar sob a vigência do contrato que já vigora para a fiscalização do trânsito. Outra licitação lançada neste ano pela gestão Fernando Haddad (PT) previa a troca de 436 radares fixos por modelos mais modernos, capazes de ler as placas dos automóveis e autuar os infratores. Além disso, seriam instalados mais 85 radares pela capital. Esse processo, no entanto, foi suspenso em julho pela Secretaria Municipal dos Transportes, após questionamentos do Tribunal de Contas do Município (TCM) a respeito da modalidade escolhida para a contratação do serviço. Ainda não há prazo para relançamento.

Com o rápido aumento do número de faixas à direita exclusivas para os ônibus — a principal aposta do primeiro ano do governo Haddad no setor de transportes —, torna-se naturalmente maior o risco de motoristas de carros, motos e caminhões serem multados por invasão.

A própria CET admite que esse fato contribuirá para o aumento da arrecadação com multas. Para o próximo ano, conforme a proposta orçamentária apresentada pela Prefeitura nesta semana, o Executivo municipal espera arrecadar 1,190 bilhão de reais com infrações de trânsito. A peça encaminhada pelo ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD) no ano passado estimava 925 milhões de reais com multas de trânsito. Reajustada segundo a inflação do último ano (até agosto), chegaria a 976 milhões de reais.

Informações: Veja Abril

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Passagem de ônibus continuará a ser de R$ 3

01/10/2013 - Folha de SP / Valor

A gestão Fernando Haddad (PT) aposta boa parte das fichas no transporte público. Sem previsão de aumento para a passagem dos ônibus da capital em ano de eleições, a cidade de São Paulo vai gastar R$ 1,65 bilhão só em subsídios dados às empresas. O Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2014 foi divulgado ontem e encaminhado à Câmara Municipal.


Neste ano, o Estado apurou que, pelos cálculos da administração municipal, o subsídio ao transporte público deve fechar em cerca de R$ 1,2 bilhão. A gestão anterior havia previsto para a área neste ano R$ 660 milhões, mas o valor estava subestimado, uma vez que a gestão Gilberto Kassab (PSD) havia gastado R$ 980 milhões com subsídios em 2012.

Após Haddad rever o aumento da passagem, de R$ 3,20 para R$ 3, houve necessidade de aumento do subsídio. A redução da tarifa foi anunciada no dia 19 de junho, após uma série de manifestações públicas pelo País lideradas pelo Movimento Passe Livre (MPL). Na ocasião, o prefeito e o governador Geraldo Alckmin (PSDB) se reuniram no Palácio dos Bandeirantes e, juntos, baixaram as tarifas de ônibus, metrô e trens.

O valor disponível para a Secretaria Municipal de Transportes para este ano é de R$ 2,5 bilhões. O previsto para o próximo ano será de R$ 4,2 bilhões. Estão previstos ainda investimentos de R$ 1,5 bilhão na construção de corredores, principalmente com recursos federais por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

No próximo ano, a área de mobilidade terá um investimento total de R$ 2,1 bilhões. A maioria dos recursos vai para a construção de novos corredores de ônibus e intervenções viárias. Haddad subiu a meta de implementação de corredores de ônibus de 160 quilômetros para 220 km. Até o fim de sua gestão, em 2016, o prefeito também quer modernizar os semáforos, para evitar as falhas principalmente em dias de chuva.

Em julho deste ano, após a onda de protestos, a presidente Dilma Rousseff anunciou a destinação de R$ 8 bilhões à capital paulista para mobilidade urbana e drenagem, que inclui obras antienchente.

Pelo Plano Plurianual (PPA) 2014-2017, divulgado ontem pela Prefeitura, 32,1% dos investimentos serão destinados para a mobilidade urbana.

Nova CMTC. Ontem, Haddad esteve em Brasília em encontro de duas horas com a presidente Dilma atrás de mais recursos federais para São Paulo.

Na área de transportes, o prefeito espera recursos do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a criação de uma empresa estatal de ônibus municipal para operar em uma das oito áreas da capital. A "nova CMTC" teria uma frota própria entre 1.347 e 2.353 veículos - o mínimo e máximo de coletivos que operam os oito consórcios que atualmente servem a capital paulista.

Haddad disse que a intenção do projeto é evitar que a administração municipal fique "refém" das empresas privadas responsáveis pela prestação do serviço atualmente na capital.

A presidente Dilma disse que a entrada em cena do BNDES tem o aval do governo, mas cobrou "transparência" na operação, segundo o prefeito.

O Palácio do Planalto trabalha para viabilizar o empréstimo ainda neste ano. "Conversamos sobre a possível participação do BNDES no apoio a municípios que queiram prestar novas metodologias na oferta (de transporte)", disse Haddad após o encontro com a presidente. "Nós estamos imaginando a possibilidade de ter uma frota própria do Município e, para isso, teríamos de receber o apoio do BNDES", enfatizou Haddad.

O Estado apurou que a área que deverá ser atendida pela nova empresa estatal será na zona leste. Em Brasília, o prefeito afirmou que a ideia é de que a nova companhia estatal tenha uma frota inicial de mil veículos, o que serviria para aumentar a força de negociação com as empresas privadas que hoje dominam o setor de transporte.

"Hoje somos reféns deste modelo (de transporte) e isso causa um desconforto muito grande para o gestor", disse Haddad, acrescentando que a frota pública seria um importante instrumento para a Prefeitura ter alternativa quando uma companhia privada se mostra ineficiente.

Folha de SP

Orçamento pós-protestos congela tarifa de ônibus em São Paulo

Orçamento apresentado ontem indica que tarifa de ônibus irá continuar congelada no próximo ano nos mesmos R$ 3 cobrados a partir de janeiro de 2011

O Orçamento apresentado ontem pela gestão Fernando Haddad (PT) indica que a tarifa de ônibus irá continuar congelada no próximo ano --nos mesmos R$ 3 cobrados a partir de janeiro de 2011.

Em junho, houve uma série de protestos devido ao aumento das passagens do transporte para R$ 3,20. Semanas depois, prefeitura e governo do Estado decidiram revogá-lo.

O congelamento da tarifa de ônibus em R$ 3 foi considerado por técnicos do município que calcularam a elevação dos gastos com subsídios ao transporte em 2014.

O bilhete único mensal, promessa do petista, também foi considerado na conta.

O Orçamento estima que a subvenção ao transporte (que serve para cobrir a diferença entre a receita e as despesas do setor) chegará ao recorde de R$ 1,65 bilhão, um aumento de 150% em relação aos R$ 660 milhões que estavam previstos no Orçamento de 2013.

A previsão original para este ano considerava que haveria reajuste da tarifa em janeiro, mas Haddad segurou a alta para junho como forma de ajudar Dilma Rousseff (PT) no combate à inflação. Diante do congelamento após os protestos, os subsídios neste ano alcançarão R$ 1,2 bilhão.

Também em resposta às demandas das ruas, Haddad estima aumentar os investimentos em transporte público.

O valor disponível para a pasta dos Transportes deverá subir de R$ 2,5 bilhões para R$ 4,2 bilhões, principalmente por repasse federal. A gestão espera R$ 1,5 bilhão do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). Os investimentos serão sobretudo com novos corredores de ônibus.

SAÚDE

Outra área que terá crescimento será a da saúde, na qual Haddad estima gastar R$ 8,6 bilhões --30% mais que a verba deste ano.

Segundo a prefeitura, os repasses do Ministério da Saúde ao município já cresceram 30% neste ano e vão subir mais em 2014. A pasta é chefiada por Alexandre Padilha, principal nome do PT para disputar o governo paulista.

A área da saúde é a mais mal avaliada pelos paulistanos e deve ficar no centro do debate das próximas eleições.

A verba do governo federal ajudará a subsidiar, por exemplo, a Rede Hora Certa (ambulatórios com centros cirúrgicos), promessa da campanha de Haddad.

Folha de SP

SP terá verba do BNDES para frota própria de ônibus

Prefeito Fernando Haddad recebeu ontem aval da presidente Dilma Rousseff para usar recursos do BNDES em um novo sistema de ônibus


O prefeito Fernando Haddad (PT) recebeu ontem aval da presidente Dilma Rousseff para usar recursos do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Social e Econômico) em um novo sistema de ônibus. A ideia, diz ele, é ter uma frota própria, que atuaria, num projeto-piloto, numa das oito áreas licitadas a empresas.

Haddad disse aguardar resultado da auditoria internacional nos contratos de ônibus para seguir com a proposta.

Em quase três horas no gabinete da presidente, Haddad apresentou os termos da auditoria a Dilma, que orientou o BNDES facilitar o projeto.

"O fato de o município ter frota própria dá mais liberdade na negociação com as empresas. Se uma negociação não sai bem, tem como não haver continuidade do serviço."

O banco deve dispor "alguma coisa entre R$ 300 milhões e R$ 500 milhões", disse ele.

Há, afirmou Haddad, 15 mil ônibus hoje em São Paulo. Ele não deixou claro qual seria o número de veículos necessários nesse projeto inicial.

Valor Econômico

Haddad congela tarifa de ônibus e aumenta IPTU

Fernando Haddad: município de São Paulo terá em 2014 investimento triplicado relação aos menos de R$ 3 bi deste ano

A equipe do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT) preparou um ambicioso orçamento para 2014. Ele contempla um aumento de 20,6% nas receitas em relação ao orçamento planejado para 2013, para que o investimento efetivo triplique em relação aos menos de R$ 3 bilhões que estão sendo executados este ano. Para cumprir a meta de elevação substantiva dos investimentos em ano de eleições presidenciais, Haddad negociou um reforço expressivo (R$ 5 bilhões) de repasses do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e projeta um aumento na arrecadação do Imposto sobre Propriedade Territorial Urbana (IPTU) superior a 18% em termos reais - em valores, R$ 1,3 bilhão acima do recolhido este ano.

O aumento na arrecadação do IPTU virá por meio da correção dos valores dos imóveis sobre o qual incide o imposto. Além de ajudar a bancar os investimentos, o aumento com essa receita também compensará a despesa extra que a prefeitura terá com as passagens de ônibus, que ficarão congeladas.

A troca de mais IPTU pela manutenção da tarifa de ônibus em R$ 3 (e que implica em um subsídio de R$ 1,6 bilhão em 2014) tende a ser o ponto mais polêmico do orçamento que a equipe de Haddad entregou ontem à Câmara de Vereadores. As demais receitas (Imposto sobre Serviços e repasses de ICMS, por exemplo) crescem dentro dos parâmetros normais e não há estimativa de alcançar um superávit primário que ajude o equilíbrio de todo o setor público.

Na lógica do orçamento de Haddad, após o pagamento do serviço da dívida, correspondente a 13% da receita corrente líquida, toda a receita restante é para ser gasta. Ainda ajudarão as receitas um aumento de 30% nos repasses do Sistema Único de Saúde (SUS) decorrente de um melhor uso de programas que já estavam disponíveis no governo federal.

De acordo com orçamento preparado pela equipe do secretário de Finanças, Marcos Cruz, a receita total com IPTU deve somar R$ 6,8 bilhões, alta nominal de 24% e real entre 18% e 19% em relação ao previsto no orçamento de 2013. Esse aumento virá da correção no valor dos imóveis. A última correção da chamada Planta Genérica de Valores (PGV) foi feita em 2009. De lá para cá, o valor médio do metro quadrado passou de R$ 3,9 mil para R$ 8 mil na cidade de São Paulo.

A prefeitura não informou qual o valor médio de correção do IPTU que será aplicado sobre cada imóvel. Haverá a correção dos valores, mas ela será acompanhada de uma redução linear de 0,1 ponto na alíquota (hoje ela é de 1% do preço do imóvel e passará para 0,9%) e, além disso, serão adotadas travas para impedir aumentos individuais muito elevados. A estimativa é que nenhuma correção seja superior a 30% em relação ao valor pago este ano. O projeto que corrige o IPTU segue para a Câmara de Vereadores na próxima semana, provavelmente. A prefeitura prepara uma mudança nos atuais mecanismos de isenção do imposto, mas ela será pequena. Atualmente, cerca de um terço (um milhão) dos imóveis é isenta.

Para bancar o aumento do investimento, além do repasse do PAC (R$ 5 bilhões), a prefeitura conta com aumento das chamadas operações urbanas (R$ 1,1 bilhão) e alguma venda de imóveis (R$ 1,3 bilhão) como receitas adicionais. Entre os setores que serão beneficiados pelos investimentos, estão transporte (R$ 2,5 bilhões), habitação (R$ 2 bilhões), urbanismo (R$ 2 bilhões), saúde (R$ 1 bilhão) e educação (R$ 900 milhões).

O orçamento contempla o percentual de 3% da receita corrente líquida para o pagamento de precatórios e não embute nenhuma mudança no pagamento atual da dívida junto à União.

Ontem, a presidente Dilma Rousseff reuniu-se por mais de três horas com Haddad. Na pauta, a dívida com a União e a ajuda federal para melhorar o transporte público na capital. Haddad expôs à presidente o projeto de criação de uma frota própria de ônibus da prefeitura, que seria financiada com recursos do BNDES. De acordo com o prefeito, a frota própria daria mais autonomia ao município para negociar o preço das tarifas com as concessionárias.