sábado, 27 de fevereiro de 2016

SP atinge 500 km de faixas para ônibus nesta segunda

27/02/2016 - Blog Ponto de Ônibus


ADAMO BAZANI

A cidade de São Paulo alcança 500,3 quilômetros de faixas destinadas para ônibus a partir desta segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016.

A informação é da CET – Companhia de Engenharia de Tráfego. Serão implantados 4,2 quilômetros de faixas em diferentes regiões da cidade. Veja mais abaixo.

Em nota, de acordo com a CET, a meta inicial era implantar 150 quilômetros faixas:

"Até 2012, a cidade possuía somente 90 km de faixas exclusivas. Seguindo a política de valorização do transporte público, a Administração vem implementando uma grande malha em todas as regiões. Num primeiro momento, a meta de implementação era de 150 km. Diante dos resultados expressivos em benefício dos usuários a programação foi ampliada e se tornou permanente.”
Na mesma nota, o secretário municipal de transportes de São Paulo, Jilmar Tatto, diz que as faixas reduziram o tempo gasto nos transportes na cidade em quatro horas por semana.

"As faixas exclusivas têm tido um papel fundamental no processo de democratização do viário, seja por atender os passageiros, que tiveram uma redução de quatro horas por semana em suas viagens, seja por contribuir para organizar o fluxo do trânsito em geral, já que as faixas delimitam os espaços para os respectivos veículos”, afirmou o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto.
Entretanto, vale destacar que muitas faixas de ônibus na cidade estão instaladas em locais que deveriam receber corredores de ônibus. A meta de campanha do então candidato à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, de 150 quilômetros de corredores até o final de 2016 não avança e dificilmente será cumprida.

Para a implantação dos corredores, a administração municipal enfrenta diversos problemas como dificuldades financeiras motivadas também pela crise econômica que afetou a arrecadação local e fez o governo federal no ajuste fiscal diminuísse os repasses de verbas do PAC – Programa de Aceleração do Crescimento, que financia grande parte desses corredores indisponibilidades – Veja os dados do próprio Governo Federal em:http://wp.me/p18rvS-5Ui
Também são colocados como entraves a postura do TCM – Tribunal de Contas do Município, que vem barrando as licitações de corredores de ônibus desde 2013, início da administração Haddad, e problemas técnicos como erros em projetos que precisaram ser refeitos.

No início de 2016, o secretário de Infraestrutura Urbana e Obras, Roberto Garibe, prometeu que até o início de março devem ser entregues 33 quilômetros de corredores de ônibus, incluindo obras recentemente finalizadas.

Os corredores dentro desta estimativa são:

– Avenida Engenheiro Luís Carlos Berrini, com 3,3 quilômetros de extensão e que custou R$ 45 milhões com recursos do PAC – Concluído

– Corredor de ônibus Inajar de Souza, zona Norte, em janeiro (concluído no início de fevereiro)

– Corredor de ônibus da M’Boi Mirim, na zona Sul, em janeiro (primeira fase)

– Binário Santo Amaro, zona Sul, em fevereiro. (em execução – deve atrasar)

Somando esses corredores, São Paulo passa ter 63,3 quilômetros em obras. Os 33 quilômetros prometidos representam menos de um terço da meta de 173,4 quilômetros apresentada no primeiro trimestre da gestão de Fernando Haddad, que contemplariam 23 corredores exclusivos para ônibus. O número é maior ainda que os 150 quilômetros prometidos na campanha eleitoral de Haddad.

Mas esta meta mudou e o prefeito agora promete que não mais 150 quilômetros de corredores sejam entregues, mas que 150 quilômetros de corredores de ônibus estejam em obras.

EFICIÊNCIA NAS FAIXAS:

Mesmo não sendo o tipo de espaço que proporciona o aumento de desempenho aos ônibus que seria possibilitado em corredores, por causa de mais interferências como cruzamentos, conversões à direita, entradas e saídas de carros em garagens e a presença de táxis permitida desde setembro de 2014, quando a então candidata à reeleição presidencial, Dilma Rousseff, se reuniu com lideranças de taxistas em São Paulo, as faixas de ônibus são uma forma de dar preferência ao transporte coletivo.
Dados da CET e de órgãos independentes mostram ganhos para os passageiros.

De acordo com levantamento do Observatório de Indicadores da Cidade de São Paulo de 2015, após a implantação de faixas de ônibus, as viagens se tornaram mais rápidas. No horário de pico da manhã, na direção bairro-centro, o tempo dos trajetos dos ônibus diminuiu de 66 minutos em 2012 para 61 em 2014. No pico da tarde, na direção centro-bairro, passou de 69 minutos para 64 minutos.

Já um estudo de 2014 feito pela CET- Companhia de Engenharia de Tráfego em 59,3  quilômetros de faixas indicou aumento de velocidade média dos ônibus de 12,4 quilômetros por hora para 20,8 quilômetros por hora. Ainda segundo a CET, o maior ganho foi na faixa da ponte do Jaguaré, na região Oeste, com aumento de 317,3% na velocidade, passando de 10,8 quilômetros por hora para 44,9 quilômetros por hora. Na rua Voluntários da Pátria, o aumento de velocidade foi de 269%. As faixas exclusivas melhoraram a velocidade dos ônibus em 140%, de 12,1 quilômetros por hora para 29,3 quilômetros por hora na avenida Lins de Vasconcelos, na região sul. Na rua Faustolo, o crescimento na velocidade foi de 50,7%,  e na rua Voluntários da Pátria, os ônibus ficaram 15% mais rápidos, ainda segundo este estudo da CET.

FAIXAS DE ÔNIBUS E MEIO AMBIENTE:

A lógica é simples. Se os ônibus conseguem desenvolver maior velocidade nas faixas, logo o desempenho operacional será melhor, o que reflete no consumo de combustível e na emissão de poluentes.
É o que atesta um estudo desenvolvido pelo  IEMA – Instituto de Energia e Meio Ambiente, órgão que reúne especialistas do mundo acadêmico, independentes do poder público.

Segundo um comparativo feito pelo órgão e concluído em outubro de 2014, em 37 linhas de ônibus que passam pelo Corredor Norte Sul, na capital paulista, a redução do consumo de óleo diesel foi de 756 litros por dia por causa da implantação da faixa para o transporte coletivo no local. Essa redução de consumo de óleo diesel significa, ainda de acordo com o instituto, que por dia os ônibus deixam de emitir nestas 37 linhas municipais aproximadamente 1,9 tonelada de gás carbônico.

O período de comparação foi entre setembro de 2012, quando não havia ainda a faixa, e setembro de 2013, já com o espaço para o transporte coletivo.

O IEMA levou em consideração para os cálculos o perfil de cada motorização de ônibus diesel, desde os mais antigos e poluentes até os de atual tecnologia Euro V, que geram menos poluição.


RESISTÊNCIAS E "FALTA DE CRITÉRIO”:

A aprovação das faixas de ônibus é em torno de 90% de acordo com a mais recente pesquisa de satisfação dos paulistanos do IBOPE/Fecomércio/Rede Nova São Paulo, apresentada no início de 2016.
Já uma pesquisa do Datafolha no final do ano passado revela aprovação de 88% entre os entrevistados.

Realmente é bastante alto, mas as faixas de ônibus também levantam polêmicas. Uma delas é em relação ao número de multas, que cresceu pelo fato de haver invasões aos espaços destinados para o transporte público. No entanto a maioria, destas vias é bem sinalizada e as faixas de ônibus hoje não são novidades na cidade de São Paulo, assim, o motorista de carro individual ou motociclista já podem conduzir com maior atenção para identificar se em um local há ou não faixa para ônibus.

Outra crítica é em relação a determinadas faixas que, segundo alguns moradores e comerciantes, são instaladas com "pouco planejamento, prejudicando o acesso dos veículos às casas e estabelecimentos comerciais”.

A polêmica mais recente envolve a faixa de 3,8 quilômetros criada na região da Avenida Giovanni Gronchi, no Morumbi, zona sul da capital paulista, área nobre de São Paulo.

Moradores e comerciantes organizaram um abaixo-assinado para que a faixa fosse retirada.

A prefeitura disse que o trajeto reduz o tempo de viagem de 146 mil passageiros por dia.

Outro aspecto que envolve as discussões sobre as faixas de ônibus na cidade de São Paulo é o excesso regras, que variam entre uma região e outra. Não há horários padronizados entre as faixas e nem dias de operação:  algumas faixas funcionam o dia inteiro, outras somente nos horários de pico, algumas só em determinados sentidos da via, outras têm operação somente nos dias úteis, enquanto que algumas também estão ativas aos sábados.

De acordo com a prefeitura, é impossível haver uma padronização pelo fato de cada região ter características diferentes.

OS NOVOS ESPAÇOS:
Os espaços que vão fazer com que a cidade de São Paulo supere os 500 quilômetros de faixas de ônibus nesta segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016, são os seguintes:

RUA CAIO PRADO – entre Rua Augusta e Rua da Consolação – sentido Centro – de segunda à sexta-feira, das 6h00 às 20h00 – 300 metros

AVENIDA DOS TRÊS PODERES – entre Avenida Professor Francisco Morato e Avenida Eliseu de Almeida sentido Eliseu de Almeida – de segunda à sexta-feira, das 6h00 às 20h00, e sábados das 6h00 às 14h00  – 400 metros

RUA LEAIS PAULISTANOS – entre Avenida Dom Pedro I e Rua Agostinho Gomes – sentido Bairro – de segunda à sexta-feira, das 17h00 às 20h00 –  1 quilômetro.

RUA AGOSTINHO GOMES – entre Rua Leais Paulistanos e Rua Xavier Curado – sentido Bairro – de segunda à sexta-feira, das 17h00 às 20h00 –  800 metros.

RUA XAVIER CURADO – entre Rua Agostinho Gomes e Rua Silva Bueno – sentido Bairro – de segunda à sexta-feira, das 17h00 às 20h00 – 400 metros.

RUA JOSÉ CHIMENTI – entre Rua Silva Bueno e Avenida do Estado – sentido Bairro – de segunda à sexta-feira, das 17h00 às 20h00 – 200 metros.

RUA SÃO PEDRO FOURIER – entre Avenida Giovanni Gronchi e Rua Marechal Hastimphilo de Moura – sentido Centro –  De segunda à sexta-feira, das 6h00 às 9h00 e das 17h00 às 20h00 – 400 metros.

RUA MARECHAL HASTIMPHILO DE MOURA – entre a Rua São Pedro Fourier e a 70 metros antes da Rua Domingos Lopes da Silva – De segunda à sexta-feira, das 6h00 às 9h00 e das 17h00 às 20h00 – 200 metros.

AVENIDA VITOR MANZINI – entre Rua Vicentina Gomes e Rua Cristalino Rolim de Freitas – sentido Centro – Horário Integral. – 200 metros

PONTE SANTO DIAS DA SILVA/PONTE DO SOCORRO – entre a Av. Atlântica e a Rua Cristalino Rolim de Freitas – sentido Bairro – Horário Integral – 300 metros.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Ponto de ônibus 'brutalista' em São Paulo mistura concreto e vidro

24/02/2016 - Folha de SP


A Prefeitura de São Paulo já instalou 6.200 dos 6.500 novos pontos de ônibus previstos em contrato. Os abrigos que ainda faltam serão instalados nos corredores de ônibus que estão em construção.

Segundo a SPObras (empresa municipal de obras), são três tipos de pontos, instalados levando em conta a paisagem urbana do local.

Nas avenidas Aricanduva e Prof. Luiz Ignácio de Anhaia Melo (zona leste) e na pista local das marginais Tietê e Pinheiros, por exemplo, foi instalado o "brutalista" – usado em vias de grande movimento e viadutos. Ele tem estrutura e banco de concreto, fundo de vidro e cobertura de fibra.

Em alguns lugares, esses modelos também podem ter coberturas de vidro ou tela de aço. O modelo "caos estruturado" tem construção mais simples e foi instalado em quase toda a cidade.

Os novos pontos começaram a ser instalados em 2013 pela Ótima, empresa que venceu a licitação para explorar os espaços com publicidade.

Além dos abrigos, a empresa vai substituir 12.500 totens indicativos de parada. Ao longo da concessão de 25 anos, outros mil abrigos e 2.200 totens serão implantados.  

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Frota de ônibus com tecnologia avança a passos lentos na cidade de São Paulo


onibus
Ônibus com tecnologia ainda integram minoria da frota paulistana. Situação deve mudar após licitação. Foto: Sidnei Santos

Cidade possui 14 mil 752 ônibus. Veículos com ar-condicionado chegam a 602 unidades, com wi-fi são 362. São Paulo ainda não tem todos os ônibus acessíveis

ADAMO BAZANI - 18/02/2016 - Blog Ponto de Onibus

A SPTrans – São Paulo Transporte, gerenciadora do sistema da capital paulista, divulgou nesta quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016, balanço sobre os itens de tecnologia e conforto na frota e na prestação de serviços.

De acordo com a gerenciadora, dos 14 mil 752 ônibus que fazem parte da frota da capital paulista, 362 veículos possuem serviço de conexão à internet gratuita – wi-fi.  Já 602 veículos do sistema municipal têm ar-condicionado, 164 ônibus contam com tomadas USB e 2 mil 381 ônibus articulados, superarticulados e biarticulados possuem câmeras que permitem que o motorista visualize por uma tela no painel o embarque e o desembarque dos passageiros.

Os números de veículos com essas inovações tecnológicas são modestos em relação a toda a frota de ônibus municipais. Situação que a prefeitura promete que vai ser mudada após a realização do processo de licitação dos transportes na cidade, que está barrada pelo TCM – Tribunal de Contas do Município desde novembro de 2015. O órgão apresentou dúvidas quanto ao modelo de licitação, remuneração das empresas, como deve ser implantado o novo CCO – Centro de Controle Operacional, o tempo de contrato de 20 anos renováveis por mais 20, entre outros pontos, inclusive o custeio dos avanços tecnológicos.

CIDADE AINDA NÃO POSSUI TODOS OS ÔNIBUS ACESSÍVEIS:

Nem toda a frota de ônibus em São Paulo é acessível. Dos 14 mil 752 ônibus da cidade, 12 mil 618 possuem rampas e piso baixo ou elevadores para cadeira de rodas.

O decreto presidencial n º 5296/2004 determinou no ano em que foi publicado que as cidades teriam dez anos para que todos os veículos de Transportes Coletivos fossem acessíveis. Portanto, a acessibilidade total nos transportes, incluindo os ônibus, deveria ocorrer em 2014.

A NTU – Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos diz que a lei prevê a substituição gradual das frotas de acordo com o vencimento dos contratos de prestação de serviços. Em média, no país estes contratos são de dez anos. Os ônibus com equipamentos de acessibilidade começaram a sair obrigatoriamente de fábrica a partir de 2008. Antes, rampas e elevadores eram opcionais ou atendiam apenas às legislações locais. Assim, de acordo com argumento da NTU, as cidades, em sua maioria, só teriam frota total de ônibus acessíveis somente a partir de 2018.

A discussão, entretanto, não anula o fato de que ainda hoje muitas pessoas com algum tipo de deficiência encontram dificuldades para andar no transporte público. A cidade de São Paulo, de acordo com os números divulgados nesta quarta-feira pela SPTrans, não possui todos os ônibus dotados de equipamentos de acessibilidade, apesar de os veículos deste tipo serem maioria na frota.

BILHETAGEM ELETRÔNICA:

O balanço da SPTrans também cita a bilhetagem eletrônica.

De acordo com a gerenciadora, dos 14 mil 752 ônibus de São Paulo, 12 mil 377 possuem novos tipos de leitores de Bilhete Único que permitem o desconto dos créditos de forma mais rápida e com tecnologias que possuem mais capacidade de armazenamento e transmissão de dados que coíbem possíveis fraudes nos usos da gratuidade. Uma das novidades é o reconhecimento facial que compara as fotos tiradas pelo equipamento do validador com os cadastros da SPTrans.

Segundo a gerenciadora, um mesmo cartão do Bilhete Único pode ser recarregado por várias funcionalidades diferentes, como comum, estudante, vale-transporte, mensal, semanal, diário.

A SPTrans ainda informou que o total de passageiros do sistema que pagam em dinheiro é de 7%.

LUZES DE NATAL O ANO TODO:

A SPTrans confirmou também que está em andamento o projeto para que os ônibus da Rede Noturna, que circulam da meia noite às quatro da manhã, tenham iluminação com luzes de LED em toda a lataria, como os enfeites natalinos nos veículos da cidade.

O objetivo seria melhorar a visualização dos veículos e a sensação de segurança.

A gerenciadora destacou também a disponibilização de aplicativos para celulares gratuitos pelos quais o passageiro pode acompanhar em tempo real a posição dos ônibus, os horários, a previsão de chegada cada ponto e detalhes das linhas.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Pontos de ônibus terão wi-fi e carregador de celular em São Paulo

08/02/2016 

As paradas também terão painel interativo com informações sobre as linhas e previsão do tempo

O DIA

São Paulo - Um painel interativo com toques na tela que informa sobre as linhas em tempo real, câmera de monitoramento, wi-fi, previsão do tempo e até carregador de celular. Isso tudo estará presente no novo modelo de parada de ônibus que será implantado em São Paulo em 2017.

Os abrigos modernos serão instalados pela empresa Otima, responsável pela manutenção e conservação dos pontos de ônibus da cidade, nos locais de maiores movimentos. Eles serão feitos com materiais resistentes para evitar atos de vandalismo. 


* Com informações do site Via Trolebus

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Reforma de trecho do Corredor Inajar de Souza é concluída pela prefeitura de São Paulo

03/02/2016 - Blog Ponto de ônibus 

ADAMO BAZANI

A Prefeitura de São Paulo entrega nesta quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016, a reforma do trecho do corredor de ônibus Inajar de Souza – Centro.

O espaço que faz parte da meta de 150 quilômetros de corredores anunciada ainda pelo então candidato à prefeitura, Fernando Haddad, na campanha de 2012, tem 14,6 quilômetros de extensão entre o Terminal Vila Nova Cachoeirinha e o centro da cidade, até a Praça do Correio. O trajeto engloba as avenidas Inajar de Souza, Marquês de São Vicente, Rudge e Rio Branco.

De acordo com a prefeitura, 201 mil passageiros devem passar pela nova estrutura todos os dias. O espaço deve receber 30 linhas de ônibus municipais.

O trecho faz parte dos 32 quilômetros de corredores de ônibus que a prefeitura prometeu entregar até o final de fevereiro. A reforma do Corredor Inajar de Souza era pra ser entregue em janeiro, mas o prazo não é considerado um atraso considerável já que fevereiro ainda está no início.

Os corredores dentro desta estimativa são:

– Avenida Engenheiro Luís Carlos Berrini, com 3,3 quilômetros de extensão e que custou R$ 45 milhões com recursos do PAC – Concluído

– Corredor de ônibus Inajar de Souza, zona Norte, em janeiro (concluído no início de fevereiro)

– Corredor de ônibus da M’Boi Mirim, na zona Sul, em janeiro (em execução)

– Binário Santo Antônio, zona Sul,em fevereiro. (em execução)

Somando esses corredores, São Paulo passa ter 63,3 quilômetros em obras. Os 32 quilômetros prometidos para os próximos dois meses representam menos de um terço da meta de 173,4 quilômetros apresentada no primeiro trimestre da gestão de Fernando Haddad, que contemplariam 23 corredores exclusivos para ônibus. A meta é maior ainda que os 150 quilômetros prometidos na campanha eleitoral de Haddad.

A prefeitura diz que problemas financeiros principalmente relacionados ao ritmo lento de liberação de verbas do PAC – Programa de Aceleração do Crescimento, devido à crise econômica, impedem o avanço das obras.

A administração municipal também atribui à postura do TCM – Tribunal de Contas do Município, que tem barrado as licitações das obras. O tribunal de contas diz que há uma série de irregularidades, como sobrepreço e erros nos projetos. Já nos bastidores, a prefeitura diz que parte dessas decisões é política, principalmente por parte do conselheiro Edson Simões, considerado opositor de Fernando Haddad. O TCU – Tribunal de Contas da União também recomendou a paralisação de algumas obras por suspeitas de sobrepreço.

Para tentar diminuir a interferência do conselheiro Edson Simões, a prefeitura de São Paulo fez a seguinte manobra: transferiu as obras que eram de responsabilidade da SPTrans, cujos editais seriam analisados por Simões, para a Siurb, que tem análise de outro conselheiro, mesmo assim os projetos continuaram sendo barrados.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Prefeitura de São Paulo vai licitar novamente corredores de ônibus que foram barrados pelo TCM e pelo TCU

04/02/2016 - Blog Ponto de Onibus

onibus
Corredor de ônibus da Inajar de Souza contou com verbas do PAC. Prefeitura vai licitar novamente corredores barrados pelo TCM e TCU e buscar recursos no mercado financeiro. Foto: Fabio Arantes/Secom

De acordo com Secretário de Infraestrutura Urbana, até o início de março devem ser entregues 33 quilômetros de corredores exclusivos para ônibus

ADAMO BAZANI

A Prefeitura de São Paulo vai licitar novamente corredores de ônibus que tiveram o processo interrompido por determinação do TCM – Tribunal de Contas do Município e TCU – Tribunal de Contas da União que, entre outros problemas, verificaram erros de projetos e também suspeitas de sobrepreço nas intervenções.

Um destes espaços, o prolongamento do Corredor da M Boi Mirim foi suspenso por exigência do Ministério das Cidades, como já tinha noticiado o Blog Ponto de Ônibus no dia 27 de janeiro deste ano, acompanhe no link: http://wp.me/p18rvS-5Mm

Os outros espaços são os corredores de ônibus na Radial Leste e Itaim Paulista que tiveram suspeitas de sobrepreço apontadas pelo TCM e pelo TCU.

Além disso, o corredor da Avenida dos Bandeirantes está em fase final de homologação. A informação foi repassada pelo secretário de Infraestrutura Urbana e Obras, Roberto Garibe, durante entrega da reforma do Corredor Inajar de Souza. Ele ainda explica, de acordo com nota da prefeitura de São Paulo, quais outros espaços que devem ser inaugurados. Segundo Garibe vão ser entregues até o início de março de março, 33 quilômetros de corredores de ônibus. Acompanhe:

“Entregamos o corredor da Berrini, 1,5 quilômetro do Ponte Baixa e hoje o Inajar. O corredor M’Boi Mirim já está pronto também e estamos finalizando o binário Santo Amaro. Com isso vamos entregar ainda neste bimestre 33 quilômetros de corredores de ônibus. Estamos em obras no Leste-Itaquera, todo o trecho da avenida Líder, e vamos começar outros que estão contratados”, explicou o secretário Roberto Garibe (Infraestrutura Urbana e Obras). Ainda segundo o secretário, o corredor Bandeirantes está em fase final de homologação, as obras na avenida Chucre Zaidan foram iniciadas e os editais dos corredores Itaim Paulista, Radial Leste e do prolongamento do M’Boi Mirim serão publicados em breve.

A promessa da prefeitura agora mudou. Durante a campanha eleitoral, o então candidato Fernando Haddad, hoje prefeito, tinha colocado como meta entregar 150 quilômetros de corredores de ônibus até o término da gestão, no final de 2016. No entanto, por dificuldades de financiamentos e também pelos bloqueios por parte do TCM e TCU, muitos com razão por causa de erros em projetos e outros motivados por supostas divergências polítias, agora a meta é diferente: até o final de 2016, ter 150 quilômetros de corredores de ônibus em obras ou licitados.

A reforma do corredor Inajar de Souza, entregue nesta quarta feira em São Paulo, custou R$ 170 milhões, sendo que R$ 129 milhões vieram pelo PAC – Programa de Aceleração Crescimento. O corredor tem 14,6 quilômetros de extensão, 28 paradas de ônibus, 3 quilômetros de ciclovia e 2,9 quilômetros de pista de caminhada.

As dificuldades da Prefeitura de São Paulo em obter liberação de recursos do PAC fizeram com que o prefeito Fernando Haddad decidisse buscar R$ 2 bilhões em financiamentos no mercado.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Piracicaba inicia obras para implantar corredores de ônibus em avenidas



02/02/2016 - G1

Corredores preferenciais serão construídos em cinco avenidas da cidade. O investimento previsto para a primeira etapa é de R$ 9,6 milhões

 ecretário de Trânsito, Jorge Akira, apresentou o p
O Secretário de Trânsito, Jorge Akira
créditos: Alessandro Meirelles/G1

A Prefeitura iniciou, na segunda-feira (1), as obras para implantação do primeiro trecho de corredores de ônibus em cinco avenidas de Piracicaba (SP): Armando de Salles Oliveira, Rui Barbosa, Juscelino Kubitschek de Oliveira, Dona Francisca e Barão de Serra Negra. A empresa contratada pela administração municipal iniciou as demarcações, sondagem e locação de maquinários. O investimento previsto para a primeira etapa é de R$ 9,6 milhões.

O projeto de melhoria no transporte público da cidade consiste na requalificação de corredores estratégicos para diminuir o tempo de viagem e proporcionar mais conforto e segurança aos usuários do sistema. De acordo com o secretário de Trânsito e Transportes (Semuttran), Jorge Akira, a Avenida Juscelino Kubitschek de Oliveira e o viaduto da Rua do Rosário são os primeiros a receberem a intervenção.

"A proposta é a melhoria do transporte público e deverá beneficiar o serviço de transporte, podendo atrair novos usuários", afirmou Akira. "O projeto também engloba a modernização dos terminais de ônibus”, disse.

Projeto

Ao todo, o projeto para criação de corredores de ônibus em Piracicaba, que inclui melhorias em 9 km de via, está sendo custeado por um financinamento obtido junto ao programa "Mobilidade Médias Cidades", da Caixa Econômica Federal, no valor de mais de R$ 55,4 milhões. Desse montante, cerca de R$ 2,8 milhões são contrapartida da Prefeitura.

De acordo com o poder público, haverá recapeamento de trechos que estiverem ruins, continuação de alça no viaduto da Rua do Rosário, eliminação de terceiro estágio em semáforos, alteração de sentidos em algumas vias, instalação de piso em concreto e construção de calçada acessível nos pontos de parada, implantação de novas faixas de pedestres próximas aos pontos de parada e sinalização horizontal, vertical e semafórica.

O contrato com a empresa Termaq para o início das obras do primeiro trecho de corredores preferenciais para o transporte coletivo foi assinado por Ferrato dia 27 de janeiro, na companhia dos secretários da Semuttran, Jorge Akira, e de Obras, Arthur Ribeiro.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Avenidas do Estado e Giovanni Gronchi ganham faixas de ônibus

01/02/2016 - G1 SP / Blog Ponto de Ônibus

Leia: Moradores protestam contra faixa de ônibus na Giovanni Gronchi - Veja SP

Duas faixas exclusivas para ônibus começam a funcionar nesta segunda-feira (1º) na capital paulista. Uma delas está localizada na Avenida Giovanni Gronchi, no Morumbi, na Avenida do Estado, e a outra fica na Avenida do Estado, no Centro.

São quase 4 km de faixas para ônibus instaladas na Avenida Giovanni Gronchi. Segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), 146 mil passageiros que circulam por ruas municipais de ônibus na região serão beneficiadas.

Outros 2 km de faixas foram instalados na Avenida do Estado. A nova faixa vai beneficiar 46 mil pessoas por dia que utilizam linhas municipais que circulam pela avenida. No sentido Centro, a faixa à direita, fica entre a Praça Palmira Teixeira e a Rua da Mooca,  e funcionará em período integral. Já no sentido bairro, fica entre a Rua Luís Gama e a Avenida Dom Pedro 1º, também com funcionamento em período integral.

A cidade possui 490 km de faixas exclusivas para ônibus.

Blog Ponto de ônibus

São Paulo recebe 5,8 quilômetros de novas faixas para ônibus nesta segunda-feira

ADAMO BAZANI

A partir desta segunda-feira, 1º de fevereiro de 2016, a cidade de São Paulo passa a contar com mais de 5,8 quilômetros de faixas destinadas ao transporte coletivo.

Na zona sul da capital paulista, as avenidas Giovanni Gronchi, Padre Lebret e Jules Rimet somam 3,8 quilômetros. Já na Avenida do Estado são mais dois quilômetros de faixas para ônibus.

De acordo com a CET -Companhia de Engenharia de Tráfego, os novos espaços juntos recebem diariamente 192 mil 785 passageiros, sendo que 146 mil 785 na região da Giovanni Gronchi e 46 mil na Avenida do Estado.

Com esta recente implantação, a cidade de São Paulo passa a ter 490,8 quilômetros de faixas para ônibus que também são usadas por táxis desde que estejam com passageiros.

Giovanni Gronchi, Padre Lebret e Jules Rimet

O motorista deve estar atento porque na zona sul da capital paulista, os 3,8 quilômetros implantados nesta segunda-feira não correspondem a um espaço contínuo. Na Avenida Giovanni Gronchi, serão dois trechos sendo que um deles à direita apenas nos horários de pico e outro à esquerda em período integral. Já no corredor das Avenidas Padre Lebret Jules Rimet a faixa será à direita. Confira a explicação da CET:

Na Avenida Giovanni Gronchi, a implantação da faixa exclusiva ocorrerá em dois trechos distintos:

Primeiro Trecho – Faixa exclusiva à direita por 2,45 km, entre a Praça Roberto Gomes Pedrosa e a Avenida Doutor Guilherme Dumont Villares, em ambos os sentidos, com funcionamento de segunda à sexta-feira das 6h00 às 9h00 e das 17h00 às 20h00.

Segundo Trecho – Faixa exclusiva à esquerda por 250 metros, entre a Avenida Alberto Augusto Alves e a Avenida João Dias, em ambos os sentidos, com funcionamento em período integral.

Pelo corredor das avenidas Padre Lebret e Jules Rimet ocorrerá implantação da faixa exclusiva à direita por 1,1 km, entre a Praça Roberto Pedrosa e a Avenida Morumbi, em ambos os sentidos, de segunda à sexta-feira das 6h00 às 9h00 e das 17h00 às 20h00.

Pela Avenida Giovanni Gronchi, no primeiro trecho, circulam 10 linhas de ônibus municipais, numa frequência de 83 ônibus/hora, transportando uma média 133.470 mil pessoas por dia; já pelo segundo trecho circulam 13 linhas de ônibus municipais, numa frequência de 85 ônibus/hora, que transportam 146.785 mil pessoas por dia, em média.

No corredor das avenidas Padre Lebret e Jules Rimet circulam 07 linhas de ônibus municipais, numa frequência de 58 ônibus/hora, que transportam 32.257 mil pessoas por dia, em média.

Avenida do Estado:

Na Avenida do Estado, segundo a CET, devem ser beneficiados aproximadamente 46 mil passageiros que passam pelos novos espaços de faixas para ônibus.

O motorista também deve estar atento porque os trechos variam de acordo com o sentido da Avenida do Estado. Confira também a explicação da CET:

A implantação da faixa exclusiva na Avenida do Estado ocorrerá no:

Sentido Centro – Faixa exclusiva à direita, entre a Praça Palmira Teixeira e a Rua da Mooca, com funcionamento em período integral.

Sentido Bairro – Faixa exclusiva à direita, entre a Rua Luís Gama e a Avenida Dom Pedro I, com funcionamento em período integral.

Por este trecho da Avenida do Estado, no sentido Centro, circulam 7 linhas de ônibus municipais, numa frequência de 27 ônibus/hora, transportando uma média de 28 mil pessoas por dia; no sentido Bairro circulam 9 linhas de ônibus municipais, numa frequência de 40 ônibus/hora, que transportam 46 mil pessoas por dia, em média.

Multas:

As multas nestes espaços vão ser aplicadas a partir do dia 15 de fevereiro. Vale lembrar que agora trafegar sem autorização em espaços para o transporte público , seja em faixas ou em corredores, pode gerar multa de R$ 191,54 e sete pontos na CNH – Carteira Nacional de Habilitação, sendo uma infração gravíssima.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Moradores protestam contra faixa de ônibus na Giovanni Gronchi

31/01/2016 - Veja SP

Moradores do Morumbi protestaram na manhã deste sábado contra a instalação de uma faixa de ônibus na Avenida Giovanni Gronchi na segunda-feira (1).

O ponto de partida foi a Praça Roberto Gomes Pedrosa. Alguns levavam cornetas, megafones e faixas com dizeres como "Sim ao transporte público de qualidade. Não à falta de segurança"e "Cadê os estudos de impacto no trânsito do Morumbi?"

Os manifestantes argumentavam que a faixa pode piorar o já lento fluxo dos carros na avenida, tornando os condutores alvos ainda mais fáceis de assaltos.

Já a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) argumenta que a nova fase do programa Dá Licença Para Ônibus, que inclui também as avenidas Padre Lebret e Jules Rimet, beneficiará 146 000 usuários de transporte coletivo. Cita um estudo segundo o qual a implantação de faixas exclusivas aumentou em 46,7% a velocidade média dos coletivos na cidade.

Na Avenida Giovanni Gronchi, a implantação acontece em dois trechos. O primeiro é uma pista da direita por 2,45 km, entre a Praça Roberto Gomes Pedrosa e a Avenida Doutor Guilherme Dumont Villares, nos dois sentidos, de segunda à sexta-feira das 6h às 9h e das 17h às 20h.

O segundo corre à esquerda por 250 metros, entre a Avenida Alberto Augusto Alves e a Avenida João Dias, nos dois sentidos, em período integral.