quinta-feira, 26 de junho de 2014

Passageiro ganha código de barras para saber onde está ônibus em SP

25/06/2014 - O Estado de SP

SÃO PAULO - Quem tem celular capaz de baixar aplicativos já pode começar a fazer uso de um serviço que facilita os deslocamentos por ônibus na capital paulista. Na manhã desta terça-feira, 24, o secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto, entregou o primeiro abrigo de coletivos com um adesivo do chamado código QR, uma espécie de código de barras, para onde a câmera do telefone deve ser mirada. A partir daí, o aparelho processo os dados e é redirecionado para o site da São Paulo Transporte (SPTrans) e pode ver o itinerário e a localização em tempo real dos ônibus de todas as linhas que passam por ali.

Por enquanto, esse código, sigla em inglês para "quick response" (ou resposta rápida), está espalhado em abrigos de ônibus de somente algumas regiões da cidade, entre as quais as Avenidas Paulista e 23 de Maio e certos pontos de Itaquera, na zona leste.

"Um detalhe: se tem alteração, por exemplo, mudança de linha, você não precisa colar de novo esse código. Ela altera automaticamente, pela central", afirmou Tatto durante entrevista ao lado do abrigo situado na altura do número 200 da Paulista. Ainda segundo ele, a Prefeitura começará a trabalhar em uma versão em inglês para o serviço, pensando nos turistas. Os usuários são sempre redirecionados para o site Olho Vivo.

O código QR está sendo afixado nos adesivos colados nos abrigos de ônibus que indicam o número, o nome e os dias em que circulam as linhas que os atendem. Para fazer uso do serviço, é preciso baixar um aplicativo gratuito. A SPTrans informa que o programa é compatível com os sistemas Android e iPhone.

Questionado sobre a dificuldade de quem não tem celulares com capacidade de baixar aplicativos de saber onde está o ônibus, Tatto disse que "com o tempo" a nova "tecnologia tem uma capacidade de ampliar o uso cada vez mais".

O dirigente não deu prazo sobre quando o código estará disponível em todos os abrigos e totens de ônibus da capital paulista. De acordo com ele, os próximos devem ser instalados nos abrigos novos, conforme forem sendo colocados pela concessionária Otima, que promete trocar 6,5 mil coberturas de ônibus na cidade até o fim de 2015.

Tatto também disse que a nova ferramenta não fará com que sejam extintos os painéis que exigem informações em tempo real das linhas de ônibus nos corredores exclusivos, como o da Rebouças. "Nós estamos, inclusive, estudando aperfeiçoar isso, porque estava muito degradada a informação ao usuário. Nós vamos manter (os painéis) e aperfeiçoar, porque nem todos têm o celular ou este recurso."

A Prefeitura também vem estudando outras tecnologias para tornar mais prática a vida dos passageiros de ônibus. Aplicativos que mostram o tempo médio de espera para determinado ônibus em um ponto específico e outro para determinar a lotação de um veículo já estão sendo avaliados pela SPTrans, informou Tatto.

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Cidade Jardim terá corredor de ônibus até novembro

10/06/2014 - Folha de SP

DE SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo promete para novembro a conclusão de um corredor de ônibus na avenida Cidade Jardim. O novo corredor deve ligar a avenida Faria Lima com a ponte Cidade Jardim, num trecho de 720 metros.

Segundo a prefeitura, as obras de adequação já foram iniciadas e preveem faixa exclusiva à esquerda, com áreas para ultrapassagem dos ônibus.

A obra de R$ 7,8 milhões faz parte da Operação Urbana Faria Lima, como a revitalização do largo da Batata.

Sorocaba tem R$ 196,3 milhões para os investimentos em obras do PAC 2

10/06/2014 - Jornal Cruzeiro do Sul - Sorocaba

A Prefeitura de Sorocaba recebeu ontem R$ 196,3 milhões em disponibilização de recursos para segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). A maior parte desse dinheiro, R$ 133,9 milhões, será destinada para a implantação e operação do sistema Bus Rapid Transit (BRT), que seria a grande promessa da época de campanha do prefeito Antonio Carlos Pannunzio (PSDB).

De acordo com o presidente da Urbes Trânsito e Transportes, Renato Gianolla, é que até julho o edital para a contratação da empresa seja lançado e que as obras se iniciem até o final deste ano. O início do funcionamento do sistema ficará, dentro do cronograma inicial, para a metade do ano de 2016.

Pannunzio relata que desde março do ano passado vem tendo conversas com o governo federal para tornar o BRT realidade na cidade. "Tenho ido inúmeras vezes a Brasília, para cobrar providências, dizer que estamos contando com isso, e o governo, nos últimos dias de possibilidade de assinar convênios, designa o Ministro das Cidades para assinar os projetos com a cidade. É uma grande contribuição para o desenvolvimento de nossa região e, sobretudo, é algo que me deixa muito alegre", diz. Segundo ele, a aprovação dos recursos foi fruto de um "bom estudo e um bom projeto" realizado pela administração municipal.

O presidente da Urbes revela que existem três empresas interessadas no projeto, que será por Parceria Público-Privada (PPP), sendo que já enviaram propostas à Prefeitura. Atualmente, a administração municipal está analisando essas propostas, para então determinar se o edital que está em fase de conclusão compreende todos os aspectos necessários para a implantação do BRT.Gianolla ainda diz que o Poder Público municipal está vendo a possibilidade de contratar a mesma empresa, em um só edital, para a execução das obras viárias e para a operação do sistema.

O sistema de transporte público rápido prevê a implantação de 39,9 quilômetros de corredores para a circulação do BRT dentro de quatro principais vias da cidade. A linha Norte-Sul terá eixos em corredores que percorrerão as avenidas Itavuvu e Ipanema e depois as faixas pela direita das ruas Comendador Oeterer e Hermelino Matarazzo até o Terminal Santo Antônio, seguindo em faixas exclusivas até a avenida Antônio Carlos Comitre. Já a linha Leste-Oeste terá corredor pela avenida São Paulo e segue até o Terminal São Paulo e depois em faixas exclusivas pelo Centro e avenidas General Carneiro e Armando Pannunzio.

Saneamento e pavimentação

Além do BRT, o município poderá contar com esses recursos federais para implantar a Estação de Tratamento de Água (ETA) no bairro Vitória Régia, que irá captar a água do rio Sorocaba e distribuí-la à zona norte da cidade. Foram destinados R$ 53,4 milhões para esse projeto.

O diretor-geral do Saae, Adhemar José Spinelli Júnior, revela que a licitação para o projeto executivo deverá ser lançada na próxima segunda-feira, dia 16. Ele prevê que até o começo do ano que vem as obras sejam iniciadas e a finalização deverá ocorrer em 2017. "Isso irá melhorar as condições de abastecimento de toda a região norte e aliviar a carga atribuída à estação do Cerrado, que da região sul da cidade precisa fazer todo o transporte de água até a outra região, causando algum problema de interrupção de abastecimento", explica. Quando a obra for inaugurada, Sorocaba contará com duas ETAs, ficando cada uma responsável pelo abastecimento de duas grandes regiões.

Por conta das condições da qualidade da água do rio Sorocaba, Spinelli informa que a ETA de Vitória Régia terá um funcionamento diferenciado da do Cerrado, que capta água da represa de Itupararanga. "Com todo o projeto de despoluição que o Saae tem feito nos últimos 20 anos, com a implantação de interceptores e estações, e com as conclusões da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) de Aparecidinha e do coletor do córrego Pirajibu, melhoramos sensivelmente a qualidade da água, de maneira com que a água seja tratada e distribuída para a população da região", afirma. Sobre a ETE de Aparecidinha, que está com as obras paradas, ele estima que até o ano que vem elas sejam retomadas.

Já os R$ 9 milhões restantes serão utilizados para que a Prefeitura faça o recapeamento e a pavimentação de ruas de oito bairros da cidade, sendo a maior parte de vias do bairro Quintais do Imperador 1 e 2. "Agora que a Prefeitura vai tratar da licitação, porque não podíamos abrir uma licitação com uma verba que precisava ser mencionada. Após essa assinatura é que se abre a licitação, então vamos levar em torno de 90 dias até termos o ganhador, aí rapidamente já entraremos com a pavimentação das ruas", informa o secretário de Mobilidade, Desenvolvimento Urbano e Obras (Semob), Antônio Benedito Bueno Silveira.

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Câmara aprova mais 150 km de corredores em SP

05/06/2014 - O Estado de SP / Folha de SP

A Câmara Municipal aprovou ontem, em votação definitiva, o projeto de lei que autoriza o alargamento de 66 vias da cidade para a instalação de 150 km de corredores de ônibus ao custo de R$ 4,7 bilhões. A proposta, que contou com 35 votos favoráveis e 4 contra, segue agora para a sanção do prefeito Fernando Haddad (PT).

Nos próximos 16 anos, a nova lei poderá provocar a desapropriação de 7 mil imóveis. Na pauta há três meses, o projeto só obteve placar necessário com novo recuo do governo. Após aceitar retirar a Avenida Nossa Senhora do Sabará, na zona sul, do pacote de mudanças viárias previsto, Haddad concordou agora em discutir a flexibilização do trajeto de mais três corredores, previstos para passar pela Estrada Dom João Nery e Avenida São Miguel, na zona leste, e Estrada do Alvarenga, na zona sul.

As mudanças são resultado da pressão feita por vereadores e moradores das regiões citadas desde que o projeto chegou à Casa. A maioria das reclamações dizia respeito às possíveis desapropriações necessárias para a construção dos corredores. Se a proposta fosse aplicada como prevista no texto original, mais de mil imóveis poderiam ser desapropriados apenas na região de São Miguel Paulista.

Para assegurar a vitória em plenário, Haddad apresentou um substitutivo ao projeto aprovado em primeira discussão, em março. Os vereadores esperaram a chegada do novo texto durante toda a tarde de ontem. Pouco antes das 21 horas, ele foi entregue aos parlamentares, que deram seu aval duas horas depois, às 23 horas.

"É um projeto que compromete a cidade por 16 anos e que a Câmara vota dessa forma, sem o tempo necessário para debate. Depois vota-se o fim do rodízio e a gente não sabe por quê. Isso é ainda mais grave, uma irresponsabilidade", disse Andrea Matarazzo (PSDB), que votou contra.

Ricardo Young (PPS) amenizou as críticas da oposição e res saltou a insistência da população, que se articulou para reivindicar seus direitos de "forma pacífica e persistente". Moradores da região da Estrada Dom João Nery, por exemplo, passaram mais de oito horas ontem no plenário para acompanhar a votação final do projeto.

Líder do PT na Câmara, o vereador Alfredinho defendeu o projeto e afirmou que a lei trará benefícios à população.

Edital. Com a aprovação do projeto que permite o realinhamento viário necessário à construção dos corredores, a Prefeitura deve agora fornecer as últimas informações exigidas pelo Tribunal de Contas do Município (TCM) para liberar o edital lançado para contratação das obras – a licitação está suspensa pelo órgão desde fevereiro.

A gestão Haddad ainda pode optar por substituir o edital por outro que já contenha as alterações feitas pela Câmara.

Folha de SP

Vereadores aprovam projeto para mais corredores de ônibus em SP

Proposta enfrentou oposição de moradores e comerciantes de regiões que serão afetadas. Obras em quatro corredores foram modificadas após pressão de comerciantes

A bancada da gestão Fernando Haddad (PT) conseguiu aprovar em segunda votação na noite de quarta-feira (4/6) na Câmara Municipal o polêmico projeto de alinhamento viário, que abre caminho para a construção de corredores de ônibus.

O projeto tem como objetivo garantir que seja respeitado um recuo maior para incorporações de imóveis em áreas próximas dos futuros corredores. A ideia é impedir que grandes prédios dificultem possíveis obras de alargamentos das vias.

A lei enfrentou grande oposição das moradores próximos de várias regiões da cidade onde há previsão de corredores, que temem desapropriações nas áreas próximas das vias.

Por causa de pressão de comerciantes e moradores, os vereadores já haviam garantido na época da primeira votação que mudariam o traçado do corredor que passaria pela avenida Nossa Senhora do Sabará, na zona sul.

De acordo com vereadores, outras três áreas da cidade tiveram ajustes após demandas de moradores.

As mudanças serão em relação à estrada D. João Néri (zona leste), avenida São Miguel (zona leste) e estrada do Alvarenga (zona sul).

"Deu para atender as reivindicações da maioria dos movimentos", disse Arselino Tatto (PT). Para ele, é o projeto mais importante do ano, que permitirá a construção dos 150 km de corredores prometidos por Haddad.

Com a base de apoio rearranjada, diferente do que aconteceu na primeira votação, a situação conseguiu aprovar facilmente o projeto, com 35 votos a favor e 4 contra.

PROJETO

O alinhamento viário acontecerá em pelo menos 15 distritos de todas as regiões, como corredores dos distritos de Capão Redondo (zona sul), Penha (zona leste), Limão (zona norte) e Perdizes (zona oeste).

Em alguns lugares, o projeto permaneceu intocado, como no caso do terminal de ônibus que fará parte do futuro corredor da 23 de Maio, em Santana (zona norte). No local, comerciantes se mobilizaram e entregaram material ao Ministério Público Estadual, na tentativa de barrar o projeto para a região.

O vereador Mário Covas Neto (PSDB) alertou que várias outras vias que não estavam no projeto original foram incluídas foram incluídas sem que seus moradores tivessem tempo para se informar.

Isolados na oposição ao projeto, os tucanos fizeram várias críticas.

"Estamos falando entre 7.000 e 10.000 desapropriações ainda", disse Floriano Pesaro (PSDB).

A gestão Haddad sustenta que o alinhamento viário não significa necessariamente que haverá desapropriações. O governo argumenta ainda que, para desapropriar, sequer precisaria aprovar essa lei.

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Ônibus entre Congonhas e metrô circula quase vazio

04/06/2014 - Folha de SP

A primeira linha de ônibus na cidade de São Paulo a ligar o aeroporto de Congonhas, na zona sul da cidade, ao metrô ainda está com baixa adesão. A integração foi inaugurada há dez dias.

Segundo o diretor de planejamento e projetos da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), Tadeu Leite Duarte, a linha, que faz o percurso entre o terminal e a estação São Judas, da linha 1-azul, transporta hoje cerca de 1.200 passageiros por dia.

"Ela tem a capacidade de levar até 8.500 [pessoas] durante a Copa do Mundo", afirmou Duarte à Folha.

"Se ela se demonstrar útil depois disso tudo aqui [Copa], por que não mantê-la enquanto o metrô não chega?", disse Duarte. A linha 14-ouro, monotrilho que interligará o aeroporto e a rede de trens, está em obras.

A primeira semana dos ônibus com o letreiro 609J/10 - Aeroporto -- Metrô São Judas, nas ruas desde 26 de maio, foi de veículos quase vazios. O taxista Benedito de Araújo, por exemplo, disse à reportagem ter sido o único passageiro de uma das viagens.

"O que já deveriam ter feito há tanto tempo estão fazendo agora apenas porque vai vir estrangeiro", afirmou a passageira Sônia Fernandes, em referência à Copa.

Motoristas afirmam que o trajeto do aeroporto à estação do metrô é feito em, no máximo, 15 minutos. O caminho de volta, por sua vez, leva aproximadamente 30 minutos --o itinerário inclui vias movimentadas, como as avenidas Jabaquara, dos Bandeirantes e Washington Luís.

Se o percurso dessa nova linha --que custa R$ 3, valor normal de uma passagem de ônibus na cidade-- for feito de táxi, custa cerca de R$ 20.

A Airport Bus Service oferece, por R$ 36,50, serviço que liga os aeroportos de Congonhas e Guarulhos (Grande São Paulo). No trajeto, há uma parada no Terminal Rodoviário do Tietê, na zona norte.