quinta-feira, 31 de maio de 2012

Presidente da EMTU/SP acompanha o início da operação total do Terminal Taboão, em Guarulhos

04/05/2012 - EMTU

O presidente da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos – EMTU/SP, Joaquim Lopes, acompanhará amanhã, dia 05/05, a partir das 8 horas, o início da operação das 17 linhas municipais no novo Terminal Metropolitano Taboão, em Guarulhos, inaugurado pelo Governador Geraldo Alckmin na última quarta-feira (02). As linhas municipais se juntarão às quatro metropolitanas que já estão partindo do local, propiciando aos usuários mais conforto, segurança e mobilidade aos usuários do transporte público. 

O novo terminal, que representa um investimento de R$ 14,7 milhões,  beneficiará diretamente 25 mil usuários/dia do município de Guarulhos e da região Norte da capital paulista.

Serviço

Evento: início da operação total do Terminal Metropolitano Taboão

Data: 05/05/2012 - sábado

Horário: a partir das 8 horas

Local: Terminal Metropolitano Taboão

Endereço: Av. Natália Zarif, s/n°, Cidade Industrial Satélite de São Paulo - Guarulhos

         (próximo ao Hospital Geral de Guarulhos)

domingo, 6 de maio de 2012

Governador Alckmin entrega Terminal Metropolitano Taboão, em Guarulhos

02/05/2012 - EMTU

Serão beneficiados 25 mil usuários/dia,com integração física entre linhas da EMTU/SP e municipais; investimento foi de R$ 14,7 milhões

O governador Geraldo Alckmin entregou hoje (02/05), o Terminal Metropolitano Taboão, em Guarulhos.   Operando com quatro linhas metropolitanas, 17 municipais e investimento de R$ 14,7 milhões, o terminal beneficia diretamente 25 mil usuários/dia do município e da região norte de São Paulo.

O passageiro também contará com integração física entre as linhas intermunicipais e municipais em local com toda a infraestrutura necessária como rampas, passeios, banheiro, piso podotátil, plataforma elevada de 28 cm, corrimão e guarda-corpo (proteção para cadeirantes), sinalizações visual e tátil de ambientes, lanchonete e bicicletário.

Com 4.300 m2 de área construída, o terminal faz parte do Corredor Metropolitano Guarulhos - São Paulo (Tucuruvi), que terá 32,3 km de extensão e está em construção pela EMTU/SP sob a coordenação da Secretaria dos Transportes Metropolitanos. O empreendimento suprirá importante demanda de transporte público sobre pneus na ligação entre a capital e o segundo município mais populoso do Estado, além de interligar futuramente os usuários ao sistema metroferroviário nas estações Tucuruvi, do Metrô, e Tiquatira, da CPTM.

O próximo terminal do Corredor Guarulhos - São Paulo a entrar em operação é o Cecap, com área de 8.500 m2, no qual estão sendo investidos R$ 23,1 milhões.

O Terminal Taboão será ligado ao Terminal Cecap por um viário de 3,5 km. Estima-se que o trecho seja utilizado por 10 mil passageiros/dia (dois sentidos de operação), usuários de uma linha municipal troncal e cinco linhas metropolitanas troncais previstas para operarem no trecho. Quando os dois terminais estiverem operando, estima-se que a movimentação seja de 60 mil passageiros / dia, número que inclui as linhas municipais e intermunicipais que passarão pelos terminais Taboão e Cecap.

Os dois terminais se destacam pelo apoio à eficiência do Corredor Metropolitano Guarulhos - São Paulo e pela condição estratégica na reorganização das redes metropolitana e municipal de transporte coletivo por ônibus.

Esses terminais, devido à sua função operacional, serão locais de concentração de linhas metropolitanas e municipais de transporte coletivo que atualmente estão com seus pontos finais localizados em ruas e avenidas do município de Guarulhos, causando, na maioria das vezes, incômodos aos moradores vizinhos e transtornos ao trânsito local.



Linhas intermunicipais

Três linhas intermunicipais gerenciadas pela EMTU/SP terão ponto inicial no Terminal Taboão:

015 Guarulhos (Terminal Urbano Guarulhos)/ São Paulo (Campos Elíseos);

121 Guarulhos (Terminal Urbano Guarulhos)/ São Paulo (Penha);

271 Guarulhos (Taboão)/ São Paulo (Terminal Rodoviário Tietê).

A Linha 552, Guarulhos (Parque Santos Dumont) - São Paulo (Metrô Armênia) atenderá apenas de passagem.

Corredor Guarulhos - São Paulo

- Até 2014, está prevista a conclusão de três trechos: Taboão - Cecap (3,5 km), Cecap - Vila Galvão (12,4 km), e Vila Endres - Tiquatira/Penha (6,5 km).

Trecho Taboão - Cecap: previsão de conclusão em 2012.

Trecho Cecap - Vila Galvão: previsão de conclusão em 2013.

Trecho Vila Endres - Tiquatira/Penha: previsão de conclusão em 2014.

EMTU/SP em Guarulhos

A EMTU/SP gerencia e fiscaliza o transporte intermunicipal na Região Metropolitana de São Paulo, dividida em quatro áreas de concessão. Guarulhos faz parte da Área 3, que inclui ainda os municípios de Arujá, Mairiporã e Santa Isabel. O município é servido por 122 linhas intermunicipais operadas pelos consórcios Internorte e Unileste.

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Ônibus perde espaço para trem e metrô em São Paulo

02/05/2012 - Folha de São Paulo

Principal modalidade de transporte coletivo na capital e na Grande São Paulo, o ônibus foi o sistema que menos atraiu novos passageiros nos últimos cinco anos na comparação com trem e metrô.

Desde 2006, com a integração dos sistemas pelo Bilhete Único, o número anual de passageiros transportados saltou 63% na CPTM e 44% no Metrô, enquanto nos ônibus a alta foi de 13,3%, somados os sistemas da SPTrans (prefeitura) e da EMTU (estatal do governo paulista).

O crescimento foi ainda menor -de 10,5%- se for levado em consideração apenas o sistema municipal, que transporta 2,9 bilhões de passageiros por ano, ou quatro vezes o que leva a CPTM.

Tanto a gestão Kassab (PSD) quanto os governos tucanos de Serra e Alckmin não investiram em novos corredores de ônibus.

O Estado tem só um, iniciado por Franco Montoro (1983-87) e ampliado em 2010 por Serra. Já Kassab prometeu 66 km de corredores na atual gestão, que acaba em dezembro, mas não fez nenhum.

Com o crescimento menor, a participação dos ônibus paulistanos no total de passageiros caiu de 65% em 2006 para 58% no ano passado.

Motivos

De acordo com especialistas, um dos motivos para a pouca atratividade dos ônibus é a baixa velocidade, por conta da falta de investimentos em corredores e do aumento de carros nas ruas, o que atrapalha o fluxo onde não há faixas exclusivas.

De acordo com a prefeitura, em 2011, a velocidade média nos dez corredores foi de 15 km/h no horário de pico, inferior à que pode ser desenvolvida em uma bicicleta.

Outro motivo é o Bilhete Único, que permite ao usuário do transporte público usar dois sistemas com uma tarifa. Quem ia de ônibus até o fim da viagem agora desce e pega trem ou metrô no caminho, diz Marcos Bicalho, coordenador da Comissão de Circulação e Urbanismo da ANTP (Associação Nacional de Transportes Públicos).

A prefeitura afirma que a oferta de lugares cresceu mais que o número de passageiros, o que mostra que o ônibus tende a não atrair mesmo mais gente.

Para o engenheiro Ivan Whately, da Secretaria Municipal de Transportes, a demanda é por sistemas de alta capacidade, como metrô.

Bicalho, porém, diz que, se os corredores prometidos estivessem em operação, haveria mais passageiros nos ônibus. Atrairia mais porque a viagem seria mais rápida.

Desde 2006, o metrô ampliou a linha 2-verde e inaugurou a linha 4-amarela. Já a CPTM investiu na modernização dos trens e do sistema -o que não evitou ao menos 15 falhas graves só neste ano.