terça-feira, 31 de maio de 2011

Metropolitana coloca em circulação em São Paulo primeira frota de ônibus a etanol do Brasil

31/05/2011 - UITPLAD

Os primeiros ônibus movidos a etanol da Metropolitana, entregues oficialmente nesta quinta-feira, dia 26, começam a circular nas ruas de São Paulo amanhã. A novidade fará, gradativamente, os trajetos das linhas 577T/10 (Jardim Miriam-Vila Gomes); 509M/10 (Jardim Miriam – Terminal Princesa Isabel) e 6358/10 (Jardim Luso – Terminal Bandeira).


“Este é o momento ideal de começar a mudar a visão sobre o transporte público no Brasil. A utilização de combustíveis limpos é um caminho sem volta”, afirmou a presidente da Metropolitana, Niege Chaves, durante a cerimônia de entrega, realizada no Anhembi. Ao parabenizar os parceiros doprojeto, o Cenbio da USP, Scania, Caio, Unica, Raízen, Prefeitura de São Paulo, Secretaria Municipal de Transportes e SPTrans, Niege lembrou que sem o trabalho e o empenho de todos, os ônibus entregues hoje não sairiam do papel. 

Para o presidente da Unica, Mark Jank, São Paulo toma a dianteira entre os municípios brasileiros no combate às mudanças climáticas. “Também ganha a saúde pública com a redução das emissões”, destacou. Com experiência obtida com a primeira frota de ônibus a etanol do mundo, na Suécia, o presidente da Scania para América Latina, Sven Antonsson, ressaltou a importância do transporte público movido a etanol. “Este é um grande salto para a saúde da população e do planeta”, disse. Ele lembrou que na Suécia, existem mais de 700 veículos com tecnologia semelhante e há todas as condições de ampliar este tipo de frota no Brasil. 

O secretário municipal de Transportes, Marcelo Branco, reforçou que a Prefeitura de São Paulo tem trabalhado para melhorar a mobilidade urbana. “Hoje demos mais um passo para cumprir o plano estabelecido para 2018, quando toda a frota do transporte público deverá ser movida a combustível não-fóssil”, reafirmou. Para cumprir as determinações da Política Municipal de Mudanças do Clima, instituída pela Lei nº 14.933, de 5 de junho de 2009, a Prefeitura já aprovou a substituição de 200 ônibus e se comprometeu a diminuir em pelo menos 10% ao ano o uso de combustíveis fósseis. Segundo o secretário municipal do Verde e Meio Ambiente, Eduardo Jorge, o Brasil tem tudo para seguir o exemplo de Estocolmo. “Temos a tecnologia e um combustível 100% nacional. São Paulo é só o começo. Espero que o projeto seja implantado logo em Pernambuco”, destacou se referindo ao Estado onde a Metropolitana foi fundada há quase 30 anos. 

Para o prefeito Gilberto Kassab, a capital paulista dá o exemplo. “Conseguimos colocar este importante projeto de pé e mostrar a viabilidade do uso de combustível limpos no transporte público”, comemorou. Ele explicou que até junho, os 50 novos ônibus a etanol estarão circulando nas ruas e, em breve, haverá mais. 
A Metropolitana adquiriu 50 ônibus produzidos pela Scania e adaptados a partir de um estudo da USP. A Unica e a Raizen são responsáveis pela produção e distribuição do etanol, adicionado a 5% de aditivo promovedor de ignição. Os novos ônibus são do modelo K 270 4×2, com motor de nove litros de 270 cavalos de potência. A tecnologia utilizada atende às exigências da lei brasileira de emissão de gases poluentes; à Euro V, legislação de emissões que entrará em vigor no Brasil em 2012; além do mais exigente padrão de emissões da União Europeia - EEV -(Enhanced Environmentally Friendly Vehicles). 

O investimento da Metropolitana é da ordem de R$ 20 milhões. A empresa, que é uma das operadoras do sistema de transportes nas cidades de São Paulo e Recife, é pioneira no transporte público sustentável. “Não há como ficar imune à questão ambiental. Temos consciência da importância de investir em sustentabilidade, não apenas como forma de agregar valor ao negócio, mas como contribuição para a melhoria da qualidade de vida da população”, destaca a presidente do Grupo, Niege. O Grupo se prepara para ampliar os investimentos em 20% ao ano. “Estamos investindo não apenas no uso de combustíveis não-fósseis, mas também aperfeiçoar o transporte urbano para adequar aos padrões exigidos aos grandes eventos, como Copa do Mundo e Olimpíadas”, informa.


Sucesso no Brasil e no exterior
Antes mesmo de circular nas ruas de São Paulo, os ônibus movidos a etanol da Metropolitana já foram premiados no exterior. O projeto foi vencedor do prêmio internacional PTx2 Awards (Public Transport times two), na categoria Tecnologia e Inovação, concedido pela Associação Internacional de Transporte Público (International Association of Public Transport -UITP) anunciado durante o 59° Congresso e Exposição Mundial de Mobilidade e Transporte Urbano, neste último mês de abril, em Dubai, nos Emirados Árabes. O ônibus a etanol que passa a circular em São Paulo é baseado no modelo desenvolvido para a Suécia, pioneira no mundo na utilização em grande escala de transporte público urbano movido a etanol. Há mais de 20 anos, o país nórdico investe na substituição de combustíveis fósseis por alternativas menos poluentes.


A nova frota a etanol da Metropolitana também será apresentada como inovação na área de transporte público urbano e iniciativa sustentável na quarta IV Cúpula de Prefeitos da Rede C40, que reúne, em São Paulo nos dias 31 de maio, 1 e 2 de junho, prefeitos das 40 maiorescidades do mundo para o combate às mudanças climáticas. Criada em 2005, em Londres, a C40 reúne os representantes das grandes metrópoles, a cada dois anos, para apresentar os avanços e discutir o futuro diante as ameaças desencadeadas pelo aquecimento global. Esta será também a primeira vez que o evento acontece em um país da América Latina. A segunda edição foi realizada em Nova York, nos EstadosUnidos; e a terceira, em Seul, Coreia do Sul.

Sobre a Metropolitana

Pioneira no investimento em ônibus movidos a etanol para o transporte público urbano no País, a Metropolitana faz parte do Grupo Metropolitana, fundado em 1982, em Recife, Pernambuco. Com faturamento anual de cerca de R$ 260 milhões, o Grupo, presidido por NiegeChaves, é formado por empresas de transporte urbano e de soluções de tecnologia aplicada ao transporte. No total, são cerca de 3,2 mil funcionários e uma frota de mais de 760 veículos responsáveis pelo transporte de aproximadamente 420 mil pessoas por dia. Em 2008, a empresa iniciou a operação em São Paulo, onde integra o Consórcio Unisul, que transporta mais de 210 mil passageiros diariamente.

Acordo de sindicatos prevê fim de cobradores

31/05/2011 - O Estado de S.Paulo, Cristiane Bomfim

Profissionais receberão outras funções e motorista terá adicional de R$ 250

JORNAL DA TARDE
JB Neto/AE

No cartão. Segundo os sindicatos dos trabalhadores e das empresas, apenas 8% dos passageiros pagam viagem com dinheiro

Com o argumento de que hoje só 8% dos usuários de ônibus de São Paulo pagam as passagens com dinheiro, o Sindicato de Motoristas e Cobradores (Sidmotoristas) fechou acordo com as viações para acabar com a função de cobrador. Pela proposta, sem data para começar, o motorista terá a incumbência de eventualmente cobrar a passagem. A Secretaria de Transportes informou que não tem nenhum estudo sobre o assunto.

Por dia, a frota de 8,3 mil ônibus - que não inclui vans e micro-ônibus - transporta 5,5 milhões de pessoas. São 15 mil motoristas e 15 mil cobradores. A proposta, que prevê a readequação dos cobradores em outras funções, foi apresentada pelo Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo (SPUrbanuss) e aprovada pelos trabalhadores em assembleia no dia 18. "Essa é uma discussão que se arrasta desde a gestão do ex-prefeito Celso Pitta (1996-2000), mas na época não tínhamos nenhuma garantia de que os cobradores não seriam demitidos", afirma o diretor de comunicação do Sindmotoristas, Nailton Francisco.

Uma das promessas do sindicato que representa as 32 empresas que operam o serviço na capital é de que não haverá demissões. Os cobradores serão realocados em outras funções, como mecânicos, fiscais, manobristas em pátios e até motoristas. Além disso, segundo o acordo, todo motorista que for trabalhar sem o cobrador receberá adicional de R$ 250 no salário.

Mas para passageiros, cobradores e motoristas a mudança não é bem-vinda. "E quem não está acostumado a andar de ônibus e embarca com dinheiro? Não embarca?", pergunta a ajudante de cozinha Maria Solange de Fátima, de 40 anos. Outras preocupações dos usuários são a fila para entrar no coletivo e a segurança. "O motorista terá de fazer a cobrança da passagem de quem embarca com dinheiro. Ou ele dirige, ou dá o troco. É um perigo, porque o motorista não vai prestar atenção nas duas coisas", afirma o encarregado de almoxarifado Mauro Henrique Alves de Oliveira, de 35 anos.

Entre os cobradores, a preocupação é o desemprego. "Não dá para confiar em propostas como essa. Não vai ter como recolocar todos os cobradores em outras funções", diz Anderson Medeiros da Rocha, de 30.

Motorista há 16 anos, Clodoaldo Alves da Silva, de 37, diz que seu trabalho ficará mais difícil sem o cobrador. "Ele ajuda idosos e deficientes a embarcar, orienta em uma manobra mais complicada, não deixa passageiros entrarem pela porta de trás. Sozinho não tenho como fazer isso", diz.

Lei. Segundo a lei municipal 13.207 de 2001, é obrigatório que todos os coletivos tenham um funcionário além do motorista para orientar e auxiliar os usuários, ajudar o motorista nas atividades, evitar o não pagamento das passagens e fazer a cobrança quando necessário. A assessoria de imprensa da Câmara Municipal informa que não há nenhum projeto de lei que altere a legislação em vigor.

Questionada sobre o possível não cumprimento da legislação, a SPUrbanuss diz que a mudança não vai ferir a lei. "Não existe exigência de que o ônibus tenha um motorista e um cobrador, e sim um segundo tripulante", afirma, em nota. O sindicato patronal diz ainda o que "existe é um movimento que prevê o esvaziamento da função relativa à cobrança embarcada". "As etapas, bem como as iniciativas para que isso aconteça, serão avaliadas com o tempo."

REAÇÕES

Luis Cláudio Mariolino
Cobrador

"Uma decisão como essa dá medo de demissão. Ainda mais quando dizem que a gente só vale R$250"

Maria Lúcia da Silva
Dona de casa

"Acho que vai ficar ruim até para quem anda com bilhete único"

Anderson da Rocha
Cobrador

"A população não está preparada para a mudança"

Gregório Poço
Ex-presidente do Sindmotoristas

"Paulatinamente os cobradores vão deixar de existir. Mas a necessidade de um segundo homem vai se manter"

LÁ TEM...

Londres
Passageiros têm um cartão como o bilhete único, recarregável, e validam na catraca do ônibus, que desconta a tarifa.

Buenos Aires
O passageiro diz seu destino e o motorista digita a informação em uma espécie de computador. Depois, o passageiro faz o pagamento em uma máquina.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Bilhete metropolitano será aceito no Metrô e na CPTM, diz EMTU

27/05/2011 - G1 SP, Bruno Azevedo

Usuário não terá, inicialmente, desconto de integração.

EMTU aguarda dados para definir desconto de tarifa.

O Bilhete de Ônibus Metropolitano (BOM), usado por passageiros de 39 municípios da região metropolitana de São Paulo, começará a ser aceito nas catracas do Metrô e da CPTM a partir do dia 27 de julho. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (27) pelo presidente da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), Joaquim Lopes, em São Bernardo do Campo, no ABC.

Inicialmente o cartão BOM poderá ser usado em apenas uma estação a ser definida pelo grupo de trabalho coordenado pela Secretaria dos Transportes Metropolitanos e que envolve técnicos das três empresas (EMTU, CPTM e Metrô).

O usuário não terá desconto de integração, como acontece na cidade de São Paulo com o Bilhete Único quando o passageiro utiliza ônibus e Metrô ou ônibus e trem. Segundo Lopes, para se definir um desconto na tarifa de integração é preciso que todos os municípios da região metropolitana entreguem à EMTU cálculos com seus gastos operacionais.

“Estamos trabalhando com a data de 27 de julho para que o BOM possa acessar o Metrô e a CPTM”, disse Lopes.

Além disso, a EMTU precisa colher dados de quanto tempo o passageiro da Grande São Paulo gasta em seus deslocamentos. Isso para que seja dado um período para o benefício de integração. No município de São Paulo, por exemplo, a tarifa integrada com desconto usando o Bilhete Único tem duração de duas horas.

O presidente da EMTU ressaltou que, num primeiro momento, o uso do BOM nas catracas da CPTM e do Metrô trará facilidades para usuário. “[Para oferecer a tarifa de integração com desconto] São precisos cálculos operacionais. Estamos estudando o tempo médio de viagem dentro do sistema de transporte metropolitano”, disse Lopes.

Segundo ele, esse estudo será contratado em breve e os dados devem estar à disposição da EMTU até o final deste ano. A integração de tarifas depende também de convênios firmados com cada município da região metropolitana. Lopes evitou definir prazos de quando será dado desconto na integração de sistemas.

Frota de ônibus movido a álcool começa a circular em São Paulo

27/05/2011 - Ciclo Vivo

O uso do etanol proporciona uma redução de até 90% na quantidade de carbono emitida por um ônibus. (Imagem: Divulgação Scania)

A primeira frota de ônibus movido a álcool foi entregue nesta última quinta-feira (26), em São Paulo, pelo prefeito Gilberto Kassab. Segundo a Prefeitura de São Paulo, serão 50 veículos rodando pela cidade até junho.

Mais um passo foi dado para reduzir a poluição do ar na capital paulista. Desta vez, o maior centro financeiro do país recebeu os transportes coletivos que beneficiarão a qualidade do ar.

No anúncio, ocorrida no Anhembi, o prefeito Kassab conduziu um ônibus no local do evento e disse que estava satisfeito. “Aprovei. É muito positivo para a cidade e espero que em breve tenhamos centenas de veículos como esse”, afirmou o prefeito.

Foram distribuídas rapaduras, um doce feito com caldo de cana, para simbolizar a matéria-prima que dá origem ao etanol utilizado no Brasil. Em outros países, como os Estados Unidos, por exemplo, é comum obterem o biocombustível de outras fontes vegetais, como a beterraba.

Em entrevista ao G1, o diretor de tecnologia, Mark Lyra, falou sobre o processo de aproveitamento da cana. “O bagaço da cana é queimado para gerar energia que a gente precisa no processo de produção do etanol. O excedente é vendido para a rede elétrica”, explicou ele. Para ele, a saúde pública também ganha muito com a redução das emissões.

O ônibus movido a etanol tem um custo de aproximadamente R$ 100 mil a mais que os modelos tradicionais, que usam o diesel comum. O consumo também é maior, pois rodam apenas um quilômetro com um litro de combustível. A questão financeira talvez seja o maior empecilho para que a ação se popularize rapidamente. 

Porém, estas questões são recompensadas no meio ambiente. O uso desse veículo proporciona uma redução de até 90% na quantidade de carbono emitida por um ônibus. Também há uma redução de emissão de material particulado, o mesmo que fumaça preta. 

Um protótipo já opera com etanol, desde 2007 no Corredor Metropolitano São Mateus - Jabaquara, em São Paulo. A partir desta sexta-feira (28), outras quatro linhas da região sul começaram a circular com os novos ônibus.

Para os passageiros desavisados quase nada muda, isto por que o ônibus tem as mesmas características dos outros com capacidade para 33 passageiros sentados e 13 metros de comprimento.

A cidade de São Paulo é obrigada a diminuir os combustíveis poluentes até 2018. Para atingir o alvo de redução nas emissões dos gases de efeito estufa, a Prefeitura se comprometeu a diminuir pelo menos 10% ao ano o uso de combustíveis fósseis. Com informações do G1.

Redação CicloVivo

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Frota de Ônibus a Etanol

2011 - Site SP Trans

São Paulo será a primeira cidade brasileira a ter em sua frota veículos movidos a combustível totalmente renovável e não poluente. 

A iniciativa é resultado de parcerias promovidas pela Prefeitura de São Paulo e prevê que os 50 ônibus movidos a etanol estarão em circulação a partir de maio de 2011.

A frota de ônibus do sistema de transporte municipal de São Paulo terá 50 veículos movidos a etanol em circulação a partir de maio de 2011. A primeira frota a utilizar combustível totalmente renovável e não poluente do Brasil será viabilizada por meio de um protocolo de intenções assinado pela Prefeitura de São Paulo, Secretarias Municipais de Transportes e do Verde e Meio Ambiente, Scania, Cosan, Unica e Viação Metropolitana.

O etanol derivado da cana-de-açúcar é um combustível renovável, produzido em larga escala no território do Estado de São Paulo, com potencial de redução de 80% da emissão de gases do efeito estufa, quando comparado com os combustíveis fósseis, e que ainda tem relevante potencial para diminuir as emissões de material particulado, de óxidos de nitrogênio e de óxidos de enxofre em relação às emissões resultantes da combustão de óleo diesel.

Existem programas bem-sucedidos de substituição no transporte coletivo urbano de combustíveis derivados de petróleo por etanol, como a Suécia, cuja capital, Estocolmo, possui atualmente cerca de 30% da frota movida a etanol aditivado. São mais de 600 ônibus fabricados pela empresa matriz da Scania _ dezenas desses veículos operam há mais de 10 anos.

O programa está sendo possível graças à parceria entre a Prefeitura de São Paulo, a Secretaria Municipal de Transportes, a Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente, São Paulo Transportes (SPTrans), Unica (União da Agroindústria Canavieira do Estado de São Paulo), Cosan Combustíveis e Lubrificantes S/A, Scania Latin America, Viação Metropolitana. Por meio do protocolo de intenções serão viabilizados a fabricação, distribuição do combustível já aditivado e o gerenciamento da nova frota da capital, participando efetivamente da Política Municipal de Mudanças do Clima no Município de São Paulo, instituída pela Lei nº 14.933, de 5 de junho de 2009. Essa lei tem como uma de suas diretrizes “a promoção do uso de energias renováveis e substituição gradual dos combustíveis fósseis por outros com menor potencial de emissão de gases de efeito estufa”.

Testes em desenvolvimento na capital

A Secretaria Municipal de Transportes já investe em combustíveis alternativos ambientalmente mais corretos. Desde janeiro de 2009, os ônibus da capital estão operando com óleo diesel de S 50 (50 ppm de enxofre e com a adição de 5% de biodiesel). Esse combustível com baixo teor de enxofre apresenta ganhos ambientais significativos na comparação com o diesel utilizado anteriormente. Testa também um ônibus que utiliza uma mistura de diesel com um biodiesel extraído da cana-de-açúcar e um novo modelo híbrido, que utiliza eletricidade e diesel.

O teste com o ônibus movido a etanol começou em dezembro de 2009. O veículo já rodou aproximadamente 25 mil quilômetros nas ruas da cidade e transportou 85 mil passageiros. Não apresentou falhas e reduziu em mais de 80% as emissões de gases responsáveis pelo aquecimento global, em 90% a emissão de material particulado e 62% de NOx (óxidos de nitrogênio), além de não liberar enxofre. Além disso, a Secretaria Municipal de Transportes intensifica a renovação de 140 trólebus, dos 200 veículos elétricos em circulação na Capital.

A Secretaria Municipal de Transportes, por meio da SPTrans, está investindo também na renovação da frota paulistana. Dos cerca de 15 mil veículos da frota, 9.100 são novos , representando 60% da frota. Esses coletivos novos reduziram a emissão de monóxido de carbono (CO) , conforme taxas médias aferidas nos veículos. Os índices podem ser acompanhados em tempo real no Emissômetro, instrumento que permite o acompanhamento, segundo a segundo, dos ganhos ambientais obtidos com a redução da emissão de poluentes na atmosfera.

Todos os ônibus do transporte coletivo urbano da capital passam por vistorias semestrais para checagem da manutenção, conservação e a emissão de fumaça. Qualquer carro que for reprovado na vistoria fica impedido de circular até que o problema seja corrigido. Além dessa vistoria, todos os carros também passam pela Inspeção Veicular Ambiental.

Ônibus movidos a etanol devem começar a circular em SP em junho

26/05/2011 - G1 SP

Veículos que usam combustível menos poluente serão entregues nesta quinta.

Os 50 ônibus serão usados em três linhas da Zona Sul da cidade.

A cidade de São Paulo terá até o fim de junho mais 50 ônibus movidos a etanol circulando por suas ruas. Os veículos serão entregues nesta quinta-feira (26).

Os ônibus movidos a etanol são considerados mais limpos porque emitem 90% menos poluentes, como dióxido de carbono. Os veículos irão atender três linhas da Zona Sul da capital paulista.

Uma forma de diminuir a poluição é incentivar a substituição de combustíveis fósseis, como a gasolina e o diesel, por outros renováveis, como o biodiesel e o etanol. Atualmente, 1,2 mil ônibus da cidade rodam com 20% de biodiesel no tanque.

Padrões

Nesta quarta-feira (25), integrantes do Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema) aprovaram o novo padrão de medição da qualidade do ar. Ele será implantado gradualmente, em etapas. A primeira levará três anos.

Pelos padrões usados até hoje pela Cetesb, a quantidade tolerável de poeira respirada em um dia é de até 150 microgramas por metro cúbico. O novo padrão estabelece na primeira etapa 120. Na segunda, daqui a três anos, serão 100 microgramas por metro cúbico. Na terceira, sem prazo determinado, ficará em 75. Mas a Organização Mundial da Saúde (OMS) considera aceitável um nível bem menor, de até 50 microgramas por metro cúbico.

O conselho tem 60 dias para elaborar uma sugestão de decreto, que depois o governador Geraldo Alckmin deverá avaliar e sancionar.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Prefeito de Guarulhos apresenta projetos de mobilidade urbana ao Ministério das Cidades

20/05/2011 - Guarulhos Notícias


O prefeito de Guarulhos Sebastião Almeida apresentou nesta quinta-feira (19) um pacote de obras ao Ministério das Cidades, em Brasília, que prevê a construção de corredores de ônibus e viadutos em várias regiões do município. Os projetos foram incluídos no PAC Mobilidade Urbana, que destinará R$ 430 milhões ao município nos próximos anos.

Almeida destacou que todas as cidades contempladas por verbas federais são obrigadas a fazer a defesa dos projetos junto aos técnicos do ministério, entre eles a diretora de Mobilidade Urbana, Luiza Gomide. “Mostramos a importância dos projetos para a cidade e teremos uma reposta sobre sua viabilidade até o final de julho”, disse o prefeito.

Segundo Almeida, os principais pedidos da Prefeitura de Guarulhos atualmente são a reformulação completa do Trevo de Bonsucesso na Via Dutra, a ampliação do Viaduto Santos Dumont também na mesma rodovia, em Cumbica, e a construção de corredores de ônibus em avenidas importantes como a Monteiro Lobato, Juscelino Kubitschek e Paulo Faccini.

Novo corredor de ônibus de Santos será na Rua João Pessoa

20/05/2011 - A Tribuna


A Rua João Pessoa, um dos maiores conglomerados de trânsito de Santos, receberá um novo corredor de ônibus na Cidade,o quarto instalado desde 2009. A Companhia de Engenharia de Tráfego de Santos (CET) planeja implantar o mecanismo até o final deste ano. 

O sistema funcionará nos moldes do corredor que vigora na Avenida Ana Costa desde o segundo semestre de 2009. Nos horários de grande fluxo, das 6 às 9 horas e das 17 às 20 horas, a faixa será exclusiva para ônibus. Porém, a CET ainda não descarta a possibilidade do corredor funcionar durante todo o dia.

"Assim que a pavimentação da João Pessoa for feita, implantaremos o corredor. Por fazer ligações com outros municípios, é uma via que precisa de um corredor", explica o presidente da CET, Rogério Crantschaninov. 

A Secretaria Municipal de Infraestrutura e Edificações (Seidi) calcula que a pavimentação será feita no segundo semestre deste ano."Mandamos uma solicitação para o Governo do Estado, para contarmos com o apoio do Dade (Departamento de Apoio e Desenvolvimento das Estâncias). A autorização já foi publicada no Diário Oficial. Só estamos no aguardo de um retorno do Estado para assinarmos o convênio", detalha. "Acredito que no segundo semestre deste ano faremos essa pavimentação", afirma Antonio Carlos Silva Gonçalves, titular da Seidi. 

Antes da Rua João Pessoa, também no segundo semestre, a CET promete implantar o corredor de ônibus na Avenida Bernardino de Campos (Canal 2). A instalação, porém, será de acordo com o que vigora na Avenida Conselheiro Nébias desde o mês passado: o fluxo de veículos é permitido, mas com preferência para os ônibus.

A pista exclusiva no Canal 2 funcionará somente no sentido Centro/Praia, das 17 às 20 horas, mas ainda sem a determinação do início e fim do percurso. Segundo a CET, oito mil pessoas de 11 linhas de ônibus cinco municipais, cinco intermunicipais e uma seletiva) utilizam essa via no horário da tarde. 

Ainda segundo o órgão que controla o trânsito na Cidade, desde que os corredores de ônibus foram implementados, o tempo gasto no trajeto das linhas municipais e intermunicipais diminuiu entre 20% e 30% nos períodos de funcionamento. 

"Onde tiver espaço para tirarmos carros e colocarmos o transporte público isso será feito", explica o presidente da CET. 

Carvalho

Além dos corredores na Bernardino de Campos e na João Pessoa, a Rua Carvalho de Mendonça também passará por uma transformação em seu tráfego. 

Até junho, a via terá estacionamento regulamentado no lado direito, das 9 às 18 horas, e proibição para estacionar na faixa da esquerda, das 7 às 20 horas

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Já é possível integrar todos os meios de transportes na Região Metropolitana

11/05/2011 - CBN

Ônibus intermunicipal da Auto Viação ABC, em Santo André, na Grande São Paulo. Presidente do Conselho Diretor que engloba o Consórcio Metropolitano de Transportes, João Antônio Setti Braga, afirmou que imediatamente já é possível integrar de forma física todos os meios de transportes da Grande São Paulo com um só cartão, como o Cartão BOM, que deve ainda neste ano servir também para o Metrô, os trens da CPTM e os ônibus e trólebus da Metra. Atualmente o BOM é usado pelos ônibus intermunicipais nas 39 cidades da Região Metropolitana de São Paulo. O Parlamento Metropolitano, criado na segunda-feira, elegeu como prioridade o Bilhete Único Metropolitano. A integração tarifária depende das condições de cada município. Foto: Adamo Bazani.

“Ônibus integrados na Grande São Paulo, é possível”, diz empresário sobre Parlamento Metropolitano.
Para João Antônio Setti Braga, presidente do Conselho Diretor que engloba o Consórcio Metropolitano de Transportes e a empresa Autopass, que comercializa o Cartão BOM, já há estrutura técnica para a integração física. A tarifária dependerá de cada município

ADAMO BAZANI – CBN

Nesta segunda-feira, dia 09 de maio de 2011, foi criado o Parlamento Metropolitano, uma entidade que reúne representantes de câmaras municipais das 39 cidades que formam a Região Metropolitana de São Paulo.
O objetivo é aproximar os municípios, minimizando as diferenças políticas e ter uma visão realmente dentro do contexto de Região Metropolitana, pelo qual, as cidades divididas apenas por limites imaginários, praticamente se emendando, num alto grau de urbanização, têm relações intensas e problemas em comum. Entre eles o de transportes coletivos.

Na atual conjuntura não basta apenas pensar em mobilidade dentro de uma cidade só. As atividades econômicas e culturais vão além dos limites de território e o vai e vem entre as cidades é cada vez maior.
Uma das prioridades do Parlamento Metropolitano é a criação de um Bilhete Único Metropolitano que poderia integrar os transportes nas 39 cidades, incluindo a Capital Paulista.

Apesar de não concordar com o termo Bilhete Único, o empresário de ônibus João Antônio Setti Braga, do Grupo da Auto Viação ABC, e presidente do Conselho Diretor que engloba a Autopass, empresa que comercializa o Cartão BOM, e do Consórcio Metropolitano de Transportes, diz que é perfeitamente possível haver uma integração não somente entre ônibus intermunicipais, mas os municipais de cada município que forma a Região Metropolitana de São Paulo.

O Cartão BOM (Bilhete de Ônibus Metropolitano) é usado nos ônibus intermunicipais dos 39 municípios e, segundo o empresário, há tecnologia também para ser usado nos ônibus municipais.

O presidente do Conselho Diretor ao qual pertence o Consórcio Metropolitano de Transportes, que reúne 45 empresas de ônibus na Grande São Paulo, João Antônio Setti Braga, disse que inicialmente é possível integração física, inclusive com a utilização do Cartão BOM.

“A integração física imediatamente pode ser feita. Nós temos tecnologia e estamos preparados para isso. Em relação à integração tarifária, depende de cada ente deste Parlamento. Cada município possui uma realidade econômica diferente. Uma coisa tem de ser bem entendida, integração tarifária passa pela palavra subsidio” – defendeu o empresário, sem descartar a possibilidade as tarifas se intregarem depois do avanço das discussões entre as cidades.

João Antônio Setti Braga vê como positiva a vontade política do Governo do Estado de São Paulo para as integrações e anuncia que o CARTÃO BOM, também inicialmente de forma física, poderá ser usado nos trens da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) e do Metrô ainda neste ano.

“As negociações para esta integração entre o BOM (dos ônibus intermunicipais) e os trens e Metrô já foram bem adiantadas. Isso é uma vontade política do governador de São Paulo, ele fala isso abertamente. E tendo vontade política, vamos em qualquer lugar, sem ele, pode ter até dinheiro, mas não se vá a ligar nenhum. Mas existe esta vontade política do Governador. Um dos secretários do Governador, o Edson Aparecido, está incumbido de conversar com todos os Prefeitos da Região Metropolitana para se fazer esta integração (entre as cidades)” – disse João Antônio Setti Braga.

O Cartão BOM já é usado em ônibus municipais de diversas localidades da Grande São Paulo, como Cotia, Taboão da Serra, Ferraz de Vasconcelos, Poá, Mairiporã, São Caetano do Sul, Rio Grande da Serra e Carapicuíba.

A quantidade de Cartão BOM nas 39 cidades da Grande São Paulo atingiu neste dia 11 de maio de 2011, às 9h da manhã, horário que foi realizada a entrevista, 2 milhões 842 mil 527 unidades.

Para João Antônio Setti Braga, no atual contexto de Região Metropolitana, pelo qual as cidades estão cada vez mais relacionadas e as atividades mais intensas, com o cidadão não podendo perder tempo e precisando de praticidade, não há mais sentido de a pessoa usar um passe para o ônibus municipal, outro para o intermunicipal, um para o trem e outro para o metrô.

Uma única mídia deve atender o cidadão em todos os modais e o cartão deve ser multifuncional, podendo ser usado em outros serviços, prevê João Antônio Setti Braga.

O Cartão BOM também deve ser usado neste ano nos ônibus e trólebus da Metra (Sistema Metropolitano de Transporte Ltda), que servem o Corredor ABD, entre São Mateus (zona Leste de São Paulo) e Jabaquara (zona Sul da Capital Paulista), pelos municípios de Santo André, São Bernardo do Campo, Mauá e Diadema, além da extensão o município de Diadema e a região da Berrini, na zona Sul de São Paulo.