sábado, 28 de abril de 2012

Campinas consegue verba de R$ 339 milhões para corredores de ônibus

26/04/2012 - Band.com.br

Campinas conseguiu os R$ 339 milhões que reivindicava do PAC (Plano de Aceleração do Crescimento) da Mobilidade para investir na infraestrutura do transporte coletivo. O anúncio foi feito ontem em Brasília pela presidente Dilma Rousseff.

O volume total de investimentos em 19 Estados será de R$ 32 bilhões em recursos do OGU (Orçamento Geral da União) e financiamentos via BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Social) ou CEF (Caixa Econômica Federal).

Segundo o secretário de Transportes de Campinas, André Aranha, a contrapartida do município será de R$ 34 milhões.

Aranha disse que não dá para garantir o início das obras ainda este ano por causa da legislação eleitoral. No entanto, os projetos executivos serão feitos para que as licitações tenham andamento.

domingo, 22 de abril de 2012

São Bernardo terá 11 corredores de ônibus

21/04/2012 - Diário do Grande ABC

Até o início de 2014, São Bernardo deverá ter quase 12 quilômetros de corredores exclusivos para ônibus e um novo terminal. A Prefeitura apresentou ontem a segunda etapa do Programa de Transportes Urbanos, que prevê investimento de US$ 250 milhões (cerca de R$ 470 milhões) para a construção de 11 corredores e quatro terminais. A estimativa da administração é a de que todas as intervenções fiquem prontas em 2016.
Da verba total, 50% virão de financiamento com o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), enquanto o restante será oriundo dos cofres municipais. Este será o segundo financiamento do município com o BID na área de transportes. O primeiro foi assinado em 2007 e foi usado para diversas obras viárias, como a da Avenida Lions.
Os primeiros corredores a serem finalizados serão os do Alvarenga, João Firmino e Senador Vergueiro, além do Terminal Alves Dias - todos já estão com projetos executivos prontos. O secretário de Transportes e Vias Públicas de São Bernardo, Oscar Silveira Campos, explica que o programa já foi aprovado pelo banco, mas que, para o contrato ser assinado, a Prefeitura teve de apresentar os três primeiros projetos. "A partir daí, eles tiram dados para colocar no contrato e medem a eficiência do empreendimento", explica.
Campos garante que, no dia 17, serão abertas as propostas das empresas interessadas na execução dos projetos dos oito corredores restantes. A previsão é a de que o contrato com o BID seja assinado em setembro.
Dos três primeiros corredores, o mais longo será o do Alvarenga, com seis quilômetros. A faixa exclusiva começará no futuro Terminal Alves Dias, no cruzamento com a Estrada do Poney Club. A demanda esperada é de 6.600 passageiros por hora no pico da manhã. O da Avenida Senador Vergueiro terá três quilômetros e percorrerá toda a extensão da via. O corredor será no meio da pista, o que deixará apenas uma faixa de rolamento para os automóveis em cada sentido. Em alguns pontos, ainda não definidos, terão de ser feitos alargamentos e, portanto, desapropriações. São esperados 4.100 usuários por hora durante a manhã.
O corredor João Firmino terá dois quilômetros e passará também pela Avenida Joaquim Nabuco, até chegar à Brigadeiro Faria Lima.
Em 2014 deverão ser iniciadas as construções dos outros oito corredores: Faria Lima, Jurubatuba, Montanhão, Ferrazópolis, Rotary, Capitão Casa, Castelo Branco e Galvão Bueno. Os outros três terminais serão nos bairros Batistini, Vila São Pedro e Rudge Ramos. O projeto inclui também oito estações de conexão, que funcionarão como um terminal de menor porte.

Avenida Lions deverá ser inaugurada no dia 19 de maioAs obras de rebaixamento da Avenida Lions, em São Bernardo, deverão ser entregues no dia 19. Segundo o secretário de Transportes e Vias Públicas, Oscar Silveira Campos, a expectativa é a de que os serviços sejam finalizados no dia 15, mas a inauguração ocorra no sábado seguinte.
A via está em obras desde abril de 2010 e o investimento aplicado é de R$ 25 milhões, sendo que 70% foram financiados pelo BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento). A pista expressa funcionará nos mesmos moldes da Avenida Perimetral, em Santo André. O trecho rebaixado tem aproximadamente 700 metros. Segundo a Prefeitura, cerca de 40 mil veículos passam diariamente por lá em cada sentido. Cerca de 80 imóveis foram desapropriados.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

SP vai ganhar 130 km de faixas só para ônibus

18/04/2012 - O Estado de São Paulo

Vias exclusivas serão criadas na Domingos de Morais e outras avenidas; multa para carro que trafegar por elas é de R$ 127,69

Artur Rodrigues de 2012

Corredor Rebouças em horário de pico
créditos: Renato Stockler/Folha Imagem
 
Até o fim do próximo mês, a capital paulista vai ganhar 30 km de faixas exclusivas de ônibus. As obras fazem parte de um pacote de 130 km de vias voltadas ao transporte público, previsto para ser concluído até o fim de junho.
 
A Secretaria Municipal de Transportes classifica os primeiros 30 km de vias exclusivas como corredores à direita. Por esse sistema, os ônibus têm o espaço delimitado por tachões (sinalização de chão com reflexivo). O horário de restrição para os demais veículos será das 6h às 20h. A multa para motorista de carro ou caminhão que entrar na via é de R$ 127,69, mais cinco pontos na carteira. A fiscalização será feita por meio de radares.
 
Essa primeira parte inclui vias em toda a cidade, como as Avenidas Interlagos, na zona sul, Vital Brasil, na oeste, e Cruzeiro do Sul, na norte. A região que receberá a maior quilometragem, no entanto, será a leste. Um corredor nas Avenidas Líder e Itaquera somará 12,4 km. Ainda está prevista a construção de outra via exclusiva para ônibus na Avenida Aricanduva, em um trecho de 5,9 km, entre a Praça Júlio Colaço e a Avenida Itaquera.
 
A secretaria não informou que vias serão contempladas na segunda etapa das obras. Mas adiantou que as Avenidas Domingos de Morais, Engenheiro Caetano Álvares, Eliseu de Almeida e Jabaquara estarão na lista. Nesses locais, a restrição deve ocorrer apenas em horários de pico. Como critério de escolha das vias, a secretaria informou que foram avaliadas a quantidade de ônibus por hora, a ligação com corredores e estações de trem e metrô, além da quantidade de faixas de rolagem. Os locais receberão sinalização e terão estacionamento proibido.
 
Radial
 
Para justificar a opção pelas faixas exclusivas, a secretaria cita o exemplo da Radial Leste, onde o modelo foi adotado em setembro. Segundo a pasta, a velocidade média dos ônibus ali aumentou 26% nos dois sentidos e houve ganho de 15 minutos no tempo de viagem. A Radial deve passar por obras para se tornar corredor de ônibus tradicional, com tráfego à esquerda. A via está incluída em outro pacote de obras, que inclui 68,5 km de corredores e cuja consulta pública para licitação das obras foi aberta na semana passada. Segundo o prefeito Gilberto Kassab (PSD), as obras desse pacote devem começar ainda na sua gestão. "Nós tínhamos esse compromisso com a cidade e estamos com a expectativa de que ainda neste ano as obras sejam iniciadas", disse.
 
A pressão pela construção de corredores aumentou depois das panes no Metrô e na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, em março. Em entrevista ao Estado publicada no domingo, o secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, fez críticas ao Município pela falta de vias exclusivas para ônibus. O pré-candidato petista à Prefeitura, Fernando Haddad, também fez críticas relacionadas ao tema.

sexta-feira, 6 de abril de 2012

EMTU/SP inicia 2ª fase das obras de acessibilidade do Corredor ABD

23/03/2012 - EMTU

Começou esta semana no Terminal Ferrazópolis a segunda etapa das obras de acessibilidade nos terminais metropolitanos do Corredor ABD (São Mateus-Jabaquara), investimento de R$ 7,9 milhões do governo do Estado por meio da EMTU/SP. Nos próximos meses os melhoramentos alcançarão os Terminais Santo André, Piraporinha, Diadema e São Mateus.

Os Terminais receberão pisos táteis  (direcional e alerta), rampas nas plataformas, corrimãos nas escadas, sinalização nos degraus, portões automáticos nas travessias entre as plataformas, que podem ser acionados à distância pelos operadores da Sala de Controle Operacional, circuito interno de TV e interfones para comunicação com os operadores do terminal. Os sanitários passarão por reforma e também receberão dispositivos de acessibilidade (barras, torneiras, campainha, portas adequadas e área apropriada para a circulação). 


As obras de acessibilidade nos terminais São Bernardo do Campo, Sonia Maria e Jabaquara já foram concluídas.

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Novos corredores de ônibus em SP

03/04/2012

Muito boa a notícia de que a Prefeitura vai lançar plano de corredores de ônibus. É de 1975 o Plano Sistran, da gestão Olavo Setubal, que propunha a implantação de 280 km de corredores operados por trólebus, reduzindo ruído, eliminando a poluição e economizando energia. Nesses corredores seriam utilizados quase 2 mil veículos.

Na sequência, o projeto perdeu impulso e sofreu mutilações. O que sobrou, feito nos quase 40 anos que se seguiram, foi meia dúzia de corredores precários, onde os ônibus movidos a combustível se acumulam em filas de 20 a 30 carros, nos horários de pico. Oxalá os novos corredores sejam, de fato, exclusivos para o transporte coletivo troncal, com ônibus movidos a eletricidade e/ou hidrogênio.


Enquanto o tempo passou, a cidade congestionou-se cada vez mais, a ponto de se avaliarem os custos diretos e indiretos desse congestionamento, na Região Metropolitana, em torno de R$ 40 bilhões por ano! Hoje temos um sistema de transporte público de elevada capacidade (cerca de 70 mil passageiros por hora/sentido), mas transporta apenas 12% das viagens totais, ficando os restantes 88% (conforme pesquisa OD de 2007) a cargo de um sistema de ônibus de baixa capacidade, misturados com os 7 milhões de automóveis, incapaz de atender a demandas maiores do que 10 mil a 15 mil passageiros por hora. No meio disso, uma gritante ausência de um sistema público de média capacidade (30 mil a 40 mil passageiros) que permita substituir o transporte individual, como se vem fazendo no mundo inteiro. Os corredores farão esse papel, custando muito menos do que o transporte de massa, desnecessário em muitas regiões, e implantando-se com muito maior rapidez.


A solução para a crise é investir em corredores e ampliar a rede metroviária simultaneamente, já que é reconhecidamente escassa em São Paulo. Simples assim. Está de parabéns a Prefeitura. Oxalá o seu propósito se converta em realidade.


Adriano M. Branco é ex-secretário de Estado dos Transportes