segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Tecnologia reforça fiscalização do transporte público no Rio

30/09/2013 - G1 RJ

A tecnologia está reforçando a fiscalização do transporte público do Rio. Um aparelhinho discreto, capaz de acompanhar de longe o comportamento dos motoristas no trânsito já começou a ser instalado em ônibus e vans da cidade. O sistema é bem parecido com um que já existe em Nova York, nos Estados Unidos, como mostrou o Bom Dia Rio.

Aonde a van vai, o sinal vai atrás. Se o motorista parar, estiver na pista errada ou até mudando a rota o técnico fica sabendo na hora. "Nós temos relatório de fuga de rota", contou Cláudio Ferraz, coordenador de Transporte Complementar.

Tudo graças ao GPS instalado nas vans, um equipamento que manda o tempo todo sinais capazes de revelar qualquer movimento dos veículos. Ele funciona como um dedo-duro eletrônico: se o motorista sair da linha, a fiscalização pode agir imediatamente.

"A velocidade com que estes veículos circulam, assim como o cumprimento dos turnos compactuados no processo licitatório, do itinerário dos quais aos quais eles são obrigados a fazer a circulação", informou Cláudio Ferraz.

O sistema de controle por satélite foi adotado depois do aumento de roubos e ataques a passageiros de vans.

Uma turista foi estuprada em março de 2012, depois de embarcar em uma van na zona sul do Rio. Outro ataque aconteceu em abril, também em 2012, quando uma mulher foi violentada no bairro de Vista Alegre, em São Gonçalo.

Além da ação de criminosos, é grande a quantidade de reclamações por causa de vans que pegam passageiros fora dos pontos e que saem da rota prevista.

Hoje, existem 4,5 mil vans no Rio de Janeiro e apenas 66 já tem o localizador instalado nas linhas Rocinha-Leblon e Vidigal-Leblon. Já nos 8,8 mil ônibus que rodam pela cidade, o sistema de monitoramento por GPS está funcionando em todos os veículos.

Com o sistema de controle por satélite, os fiscais já advertiram e até multaram motoristas que cometeram infrações.

Em Nova York, nos Estados Unidos, a prefeitura mandou instalar há seis anos um equipamento de GPS em cada um dos 13 mil táxis da cidade. Com o sistema, as autoridades já descobriram crimes milionários.

Com os equipamentos, a prefeitura de Nova York descobriu em 2010 um golpe que era comum entre os motoristas; eles cobravam mais caro por corridas feitas dentro da ilha de Manhattan. Eles só poderiam fazer isso se os carros estivessem andando no Subúrbio, do lado de fora da ilha.

De cada dez motoristas de Nova York, sete deram o golpe pelo menos uma vez. Num total de US$ 8 milhões roubados de turistas e moradores da cidade durante dois anos, um escândalo que acabou com processos contra três mil taxistas.

Atualmente, nos famosos táxis amarelos, o passageiro tem controle total da corrida. Quando o passageiro entra no carro, ele tem acesso a todas as informações sobre a corrida na tela.

A coordenadora do projeto contou que o sistema de Nova York é ligado aos satélites e à internet, dá pra saber por onde os táxis andaram em cada corrida e também quanto foi cobrado de cada passageiro.

O baiano Nelson Nascimento trabalha há 15 anos como motorista de táxi em Manhattan. Acostumado com o rigor das leis e vigiado de perto pelos equipamentos eletrônicos, ele sabe bem o que acontece com motoristas metidos a espertalhões.

"Você não pode pisar na bola, tem que ser super honesto e fazer as coisas direitinhas conforme manda a prefeitura, senão, é cadeia na certa", disse o taxista brasileiro.

Prefeitura de SP pede auditoria no custo dos ônibus

30/09/2013 - Folha de SP

Segundo a SPTrans, as concessionárias de ônibus terão, durante este ano, um ganho líquido de R$ 406,8 milhões.

O governo Fernando Haddad (PT) abriu a licitação para contratar uma auditoria geral na contabilidade e em toda a estrutura de custos das empresas e cooperativas de ônibus que prestam serviços à Prefeitura de São Paulo.

A decisão de auditar as empresas já havia sido tomada depois da suspensão do reajuste nas tarifas, após as manifestações de junho.

Hoje, cabe à SPTrans gerenciar os contratos. Os auditores devem tentar rever as contas de forma independente. Os primeiros resultados devem sair em 2014.

O resultado da consultoria externa vai ser usado para aperfeiçoar o modelo do cálculo da tarifa e atualizar os custos do setor na próxima licitação --o governo Haddad havia iniciado a concorrência, que também foi suspensa para ser readequada.

Será revisto o valor dos investimentos e dos lucros das 16 empresas e cooperativas de ônibus, no período que vai de agosto de 2003 a julho deste ano. Isso inclui a TIR (Taxa Interna de Retorno, um componente do lucro).

Em julho, Haddad prometeu baixar a taxa de lucro do sistema. Segundo a SPTrans, as empresas de ônibus terão, neste ano, um ganho líquido de R$ 406,8 milhões.

O edital da licitação prevê uma análise mais precisa sobre a eficácia da fiscalização da SPTrans nas empresas --a bilhetagem eletrônica e o sistema integrado de monitoramento, utilizado para acompanhar frota, tipo de veículos, horários e tempo de viagem nas linhas.

Em julho, 15 dos 16 contratos venceram. Com isso, foi necessário prorrogá-los em até 12 meses até que seja concluída a nova concorrência.

CUSTOS REAIS

A auditoria traz uma inovação que vem sendo aplicada com mais rigor no país, o exame dos valores que as concessionárias declaram gastar para manter um serviço público, como estradas e ônibus. Ou seja, se o preço do pedágio ou da tarifa é justo.

A prefeitura pretende saber, ainda, se as empresas descontam de seus custos os juros mais baixos que pagam nas linhas de crédito oficiais para comprar ônibus.

É que as empresas podem captar financiamentos subsidiados, como a linha de crédito do Finame, do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), para renovar frotas.

A razão é que uma empresa poderia informar que está pagando pelo financiamento juros de mercado, bem mais altos, embora tenha acesso ao crédito do BNDES.

Os auditores vão comparar o valor declarado com o aluguel de garagens ao preço médio no mercado imobiliário da região. E ainda saber quem é o dono do imóvel.

Isso porque uma empresa poderia alugar uma área dela própria e superfaturar o aluguel, incorporando esse custo irreal à tarifa. Serão revistos, ainda, os balanços anuais das empresas, para saber como foram calculados os lucros ou prejuízos.

A Folha entrou em contato com o SPUrbanuss (sindicato das empresas) no final de semana, mas não conseguiu falar com a entidade.

domingo, 29 de setembro de 2013

CET inaugura mais 13,9 km de faixas de ônibus amanhã em SP

29/09/2013 - Folha de SP

A cidade de São Paulo vai ganhar mais 13,9 km de faixas exclusivas de ônibus a partir de segunda-feira (30). Segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), a mudança vai atingir vias da região central e das zonas leste e sul.

Na zona leste, a rua Guaiaúna, na Penha, ganhará a sinalização preferencial de segunda à sexta-feira, das 6h às 9h, e das 17h às 20h. Por conta disso, haverá alteração em toda a via, que passará a operação em sentido único. Também passará a ser mão única a rua Aracati, entre as ruas Guaiaúna e Major Ângelo Zanchi.

Começarão a funcionar também as faixas exclusiva nas avenidas Márcio Beck Machado e Sousa Ramos, em Cidade Tiradentes, no extremo leste da capital. Ela estará entre a rua Arroio Triunfo e a avenida dos Metalúrgicos, de segunda a sexta-feira, das 17h às 20h, no sentido bairro.

Outra faixa exclusiva está na região da Vila Carrão (zona leste) e passará pelas ruas Antônio de Barros, Cesário Galeno e Honório Maia, no viaduto e avenida Conselheiro Carrão, além das ruas Gonçalo Nunes e Rodrigues Velho. O horário de funcionamento será o mesmo das demais faixas implantadas na região.

Ainda na zona leste, havia faixa exclusiva aos coletivos na avenida Nagib Farah Maluf e na avenida Prof. João Batista Conti, na região de Itaquera. Ela estará na faixa da direita e funcionará de segunda à sexta-feira, das 6h às 9h, e das 17h às 20h, no sentido bairro.

Na zona sul da capital paulista, será inaugurada uma faixa na rua Dr. João César de Castro, que funcionará segunda a sexta-feira, das 5h30 às 8h30, no sentido terminal Guarapiranga. Já no sudeste, ela estará nas ruas Bom Pastor e Antônio Marcondes e na avenida Nazaré, funcionando das 6h às 9h.

A av. Dr. Arnaldo também terá sinalização preferencial para os ônibus a partir de amanhã. Ela estará entre as ruas Heitor Penteado e Galeno de Almeida, onde os coletivos terão a exclusividade à direita de segunda a sexta-feira, das 6h às 22h, e aos sábados, das 6h às 14h, sempre no sentido centro.

Já na av. Nove de Julho, as faixas estarão nos dois sentidos, no trecho entre as avenidas Cidade Jardim e São Gabriel. Elas funcionarão de segunda a sexta-feira das 6h às 22h e, aos sábados, das 6h às 14h, interligando assim o Corredor da av. Nove de Julho já existente com a av. Cidade Jardim.

Na região central da cidade, uma nova faixa exclusiva estará na avenida Casper Líbero, no trecho entre a rua Mauá e a rua Washington Luís, sentido sul. Ela funcionará sempre de segunda a sexta-feira, das 6h às 22h e, aos sábados, das 6h às 14h.

Outra faixa de coletivos estará na rótula central --o eixo composto pela av. São Luiz, viaduto Nove de Julho, viaduto Jacareí e rua Maria Paula. A exclusividade de ônibus vai valer entre as avenidas Ipiranga e Brigadeiro Luís Antônio de segunda a sexta-feira, das 6h às 22h e, aos sábados, das 6h às 14h.

O desrespeito à sinalização pode resultar em multa que varia de R$ 53,20 (faixas à direita) a R$ 127,69 (à esquerda). A prefeitura aponta que até o final do ano, a cidade deverá ter 220 km de faixas exclusivas de ônibus.

sábado, 28 de setembro de 2013

Faixa exclusiva da 9 de Julho vai até a Cidade Jardim

28/09/2013 - O Estado de São Paulo

A Avenida 9 de Julho terá mais uma faixa exclusiva à direita para ônibus a partir desta segunda-feira. Com 1,4 quilômetro de extensão, a nova via ficará entre as Avenidas Cidade Jardim e São Gabriel. Os carros não poderão passar pelo novo trecho de segunda a sexta, das 6 às 22 horas e das 6 às 14h, nos sábados.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) também vai inaugurar a partir da data outras pistas exclusivas para coletivos em mais de 20 vias da capital. Serão aproximadamente 14 km de novas faixas exclusivas para ônibus.

Na Avenida Dr. Arnaldo, a faixa já em operação será estendida em mais 400 metros no sentido centro. A extensão ficará entre as Ruas Heitor Penteado e Galeno de Almeida e será exclusiva para o transporte coletivo de segunda a sexta, das 6 às 22 horas, e aos sábados, das 6 às 14 horas. Com o novo trecho, a avenida terá 1,7 quilômetro exclusivo para a circulação das 30 linhas de ônibus que passam pelas vias.

O bairro do Ipiranga, na zona sul, também terá novas faixas exclusivas à direita. Com 1,4 km, a nova via passa pelas Ruas Bom Pastor e Antônio Marques e na Avenida Nazaré. Nesse trecho, circulam mais de 79 mil usuários de transporte público diariamente. No centro, serão mais 1,1 km de extensão no trecho que compreende a Avenida São Luís, os Viadutos 9 de Julho e Jacareí e na Rua Maria Paula.

A Prefeitura já inaugurou, somente em 2013, 204,1 km de faixas exclusivas para o transporte público. A previsão é de que até o fim do ano esse número chegue a 220 km.

A CET não divulgou quando começa a aplicar multas para os motoristas que não respeitarem as faixas exclusivas dos ônibus nesses locais. A infração, considerada leve pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB), custa R$ 53,20 e rende três pontos na carteira de habilitação./ ALLAN NASCIMENTO, ESPECIAL PARA O ESTADO

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Avaré lança bilhete único para ônibus urbano

24/09/2013 - DCI

A exemplo do que já acontece em outras cidades, os usuários do sistema de ônibus urbano de Avaré contam agora com seu "bilhete único". A Rápido Luxo Campinas, concessionária do transporte urbano de Avaré, adotou o cartão Sistema Integrado de Transporte (SIT) para oferecer vantagens aos usuários.

Com o novo cartão, o usuário terá desconto de R$ 0,10 no valor de cada passagem (reduzindo de R$ 2,65 para R$ 2,55). Além disso, quem precisa pegar dois ônibus para chegar ao destino, poderá pagar apenas uma tarifa. Isso será possível dentro de um período de 50 minutos, contados a partir do momento em que o usuário passar o cartão no primeiro ônibus.

Para receber o cartão, o interessado deve se cadastrar no Terminal Urbano, de segunda a sexta-feira, das 07h00 às 19h00, e aos sábados, das 07h00 às 15h00. O usuário deve levar documento de identificação com foto (RG ou CNH).

Após o cadastramento, o cartão será emitido sem custo para o usuário. Em caso de perda, a emissão da segunda via do cartão custará R$ 15,00. Os usuários que têm direito à gratuidade no transporte (idosos e portadores de deficiência) receberão um cartão com foto e digital. "Esse sistema será importante para inibir possíveis fraudes", explicou Rodrigo Barbosa de Oliveira, gerente operacional da concessionária.

A recarga do cartão pode ser feita na agência da Rápido Luxo Campinas, no Terminal Rodoviário, ou na sede da empresa. O cartão aceita carga e recarga de qualquer valor.

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Dezoito vias de SP ganham novas faixas exclusivas para ônibus

23/09/2013 - G1 SP / Estadão / Folha de SP

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) inaugurou nesta segunda-feira (23) um novo trecho com faixa exclusiva para ônibus no Corredor Norte-Sul, em São Paulo. A velocidade dos coletivos na via aumentou em até 108% desde a implantação das primeiras faixas, segundo a CET.

Outras 17 ruas e avenidas da cidade também receberam novos trechos exclusivos. Ao todo, a capital paulista contará com mais 20,4 km de faixas para ônibus. No ano, o número atingirá 190,2 km. A meta é implantar um total de 220 km de faixas até o fim de 2013.

As avenidas Celso Garcia, Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello, Eliseu de Almeida, Heitor Penteado, Padres Olivetanos e Raimundo Pereira de Magalhães, além das ruas Bernardino de Campos, Alvinópolis, Maria Carlota, Luís Gama, Silveira da Mota, Otto de Alencar, Barão de Iguape, dos Trilhos, Duarte de Azevedo, Jovita e o Viaduto Carlos de Campos serão os contemplados com a novidade.

A ação faz parte da Operação Dá Licença para o Ônibus, que tem como objetivo priorizar a circulação do transporte coletivo na cidade, diminuir o tempo de viagem dos usuários e melhorar os padrões de conforto e segurança do transporte público.

De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), trafegar pela faixa exclusiva de ônibus é uma infração leve, que gera perda de três pontos na carteira e multa de R$ 53,20.

Veja os trechos que vão receber novas faixas:

Centro

Corredor Norte-Sul

A faixa foi implantada em um trecho com extensão total de 1,5 km, entre a Rua São Caetano e o Túnel João Paulo II. Ela vai funcionar apenas no sentido Aeroporto de Congonhas, de segunda a sexta-feira, das 6h às 22h e, aos sábados, das 6h às 14h

Zona Oeste

Avenida Eliseu de Almeida

A exclusividade para os coletivos já existente na via se estendeu em dois trechos que totalizam 1,8 km de extensão. O primeiro, funcionará apenas no sentido Centro, entre a Avenida dos Três Poderes e a Rua Alvarenga. O segundo trecho será ativado nos dois sentidos, entre as avenidas Ministro Laudo Ferreira de Camargo e Deputado Jacob Salvador Zveibil. O horário de ativação será de segunda a sexta-feira, das 6h às 22h na direção do Centro, e das 17h às 20h no sentido bairro.

Avenida Heitor Penteado

A faixa exclusiva fica à direita, no trecho entre a Rua João Moura e a Avenida Doutor Arnaldo, ocupando 1 km. Ela vai funcionar no sentido Consolação, de segunda a sexta-feira, das 6h às 22h.

Zona Sul

Ruas Luís Gama, Silveira da Mota, Otto de Alencar e Barão de Iguape

A faixa para ônibus ocupa 1,9 km à direita do corredor formado pelas quatro vias no trecho entre o Largo do Cambuci e a Avenida da Liberdade. Ela vai ficar em funcionamento apenas de segunda a sexta-feira, das 6h às 9h, na direção do Centro.

Rua Bernardino de Campos

A faixa de ônibus fica em uma extensão de 300 metros na faixa da direita, no trecho entre as ruas Tomás Carvalhal e Estela. A exclusividade funcionará apenas no sentido bairro, de segunda a sexta-feira, das 6h às 22h.

Zona Norte

Av. Raimundo Pereira de Magalhães

A faixa foi implantada por 1 km na via, nos seguintes trechos: entre a Rua Agarum e a Avenida Miguel de Castro, em ambos os sentidos; por 100 metros antes da Rua Antonio da Silva Guimarães e por 280 metros antes da Rua Agostinho de Angola, apenas no sentido bairro; entre as ruas Antonio Pais de Sade e Antonio Pinto e Silva, apenas no sentido Centro. As faixas vão funcionar de segunda a sexta-feira, das 6h às 9h na direção do Centro, e das 17h às 20h no sentido bairro.

Ruas Duarte de Azevedo e Jovita

A faixa de ônibus fica no sentido bairro das duas vias, ocupando 700 metros. Primeiro, pela Rua Duarte de Azevedo, no trecho entre a Avenida Cruzeiro do Sul até a chegada à Rua Jovita. De lá, a faixa segue até a Rua Major Sampaio. A faixa funcionará de segunda a sexta-feira, apenas das 17h às 20h.

Zona Leste

Avenida Celso Garcia

A exclusividade para os coletivos já existente na via foi ampliada por mais 2,5 km, na direção do bairro. O novo trecho funcionará entre as ruas Marcos Arruda e Coronel Rodovalho. O horário de ativação será de segunda a sexta-feira, apenas das das 17h às 20h.

Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello

Um trecho de 4,1 km de extensão da via recebeu a faixa exclusiva para ônibus em ambos os sentidos. A exclusividade valerá entre as ruas Francisco Fett e Itamumbuca, de segunda a sexta-feira, das 6h às 9h no sentido Centro, e das 17h às 20h em direção ao bairro.

Rua dos Trilhos

Na via, foi implantado 1,2 km de faixa exclusiva à direita entre as ruas Doutor Almeida Lima e Clark. Os coletivos circularão com exclusividade pelo trecho de segunda a sexta-feira, das 17h às 20h, no sentido bairro.

Ruas Alvinópolis, Maria Carlota, Viaduto Carlos de Campos e Avenida Padres Olivetanos

As faixas funcionam à direita das vias, no sentido bairro, por um total de 3,5 km. O trecho exclusivo começa na Rua Alvinópolis, na altura da Rua Antônio Lamanna, e segue por toda a extensão da Avenida Padres Olivetanos, passando pela Rua Maria Carlota e também pelo Viaduto Carlos de Campos. O horário de ativação será de segunda a sexta-feira, apenas das 17h às 20h.

O Estado de SP

Faixa de ônibus chega ao Túnel do Anhangabaú

Mais um trecho de faixas exclusivas de ônibus começa a funcionar nesta segunda-feira, 23, no Corredor Norte-Sul. A nova via tem 1,5 km e inclui as Avenidas Tiradentes e Cásper Líbero, a Rua Brigadeiro Tobias e o Túnel do Anhangabaú, no sentido do Aeroporto de Congonhas. A proibição para carros valerá das 6h às 22h, de segunda a sexta-feira, e das 6h às 14h nos sábados.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) também inaugura faixas exclusivas de ônibus em outras 17 vias, com total de 20,4 km de novas pistas reservadas aos coletivos a partir de hoje. Assim, São Paulo já alcançou 190,2 km de faixas exclusivas - a Prefeitura pretende implementar um total de 220 km no programa até o fim de 2013.

A Rua Heitor Penteado, na zona oeste, também terá 1 km de faixa exclusiva para coletivos a partir de hoje, entre a Rua João Moura e a Avenida Doutor Arnaldo. Pela via circulam dez linhas de coletivos. A faixa funcionará de segunda a sexta-feira, entre 6h e 22h, no sentido da Avenida Doutor Arnaldo.

Aprovação. As faixas exclusivas, segundo pesquisa do Ibope e da Rede Nossa São Paulo, foram aprovadas por 93% dos paulistanos. Outro estudo da CET e da SPTrans mostra que os coletivos passaram, em média, de 14 km/h para 21 km/h. A intenção da gestão Fernando Haddad (PT) é levar o programa para as vias mais movimentadas.

Folha de SP

SP ganha hoje mais 20,4 km de faixas só para ônibus

Anhaia Melo terá 4,1 km de pistas restritas e Heitor Penteado terá faixa entre rua João Moura e av. Dr. Arnaldo, sentido Consolação

As avenidas Professor Luiz Ignácio Anhaia Melo (zona leste) e Heitor Penteado (zona oeste) ganham hoje faixas de exclusivas de ônibus.

As vias estão em um pacote de 20,4 km de faixas que começam a operar hoje em todas as regiões --a maior parte (12,2 km) na zona leste.

A Anhaia Melo terá 4,1 km de pistas restritas entre a ruas Francisco Fett e Itamumbuca. A Heitor Penteado, na Vila Madalena, terá faixa no trecho entre a rua João Moura e a av. Dr. Arnaldo, sentido Consolação

A prefeitura também vai ampliar o trecho exclusivo já existente no corredor norte-sul: entre a avenida Tiradentes e o túnel Anhangabaú.

A faixa vai funcionar apenas no sentido bairro, de segunda a sexta-feira, das 6h às 22h, e aos sábados até as 14h.

Ainda no centro, o Cambuci terá 1,9 km de faixas nas ruas Luís Gama, Silveira da Mota, Otto de Alencar e Barão de Iguape. Elas vão funcionar de segunda a sexta, das 6h às 9h, no sentido centro.

Também começam as faixas na rua Bernardino de Campos, no Paraíso (zona sul); na rua dos Trilhos, na Mooca (leste); na rua Tomazzo Ferrara, em Itaquera (leste); nas ruas Alvinópolis, Carlos de Campos, Maria Carlota e Padres Olivetanos, na Vila Matilde (leste); na av. Raimundo Pereira de Magalhães, em Pirituba (norte); e nas ruas Duarte de Azevedo e Jovita, Santana (norte).

A maioria vai operar nos horários de pico.

Serão ainda ampliados os trechos nas avenidas Celso Garcia (zona leste) e Eliseu de Almeida (zona oeste).

O motorista flagrado na via exclusiva leva três pontos na carteira e multa de R$ 53,20. As autuações nos novos trechos, porém, ainda não têm data para começar, diz a prefeitura.

sábado, 21 de setembro de 2013

Corredor e faixa de ônibus também são armas antipoluição

21/09/2013 - O Estado de S.Paulo, Giovana Girardi

Estudos mostram redução entre 20% e 50% no consumo de combustível, o que contribui para minimizar o aquecimento global

A reforma do sistema de transporte público, que vem sendo discutida e desenhada por várias capitais do País em razão dos eventos esportivos e em resposta aos protestos de junho, tem de considerar as mudanças climáticas. A mensagem está no centro de alguns estudos recentes que avaliam o potencial do setor na redução das emissões de gases de efeito estufa e o quanto ele próprio é vulnerável às alterações do clima.

Via exclusiva na 23 de Maio. Para especialista, 'sair do carro já é um ganho' - Nilton Fukuda/Estadão
Via exclusiva na 23 de Maio. Para especialista, 'sair do carro já é um ganho' - Nilton Fukuda/Estadão

Pesquisas mostram que investir em transporte público é bom não só para aumentar a mobilidade e melhorar a qualidade de vida, mas também para minimizar a principal contribuição das cidades ao aquecimento global. O setor energético, que inclui os transportes, responde por 32% das emissões brasileiras, de acordo com estimativa do governo para 2010. É o segundo maior contribuinte, atrás apenas da agricultura.

Metade disso vem do setor de transportes, principalmente por meio de caminhões e ônibus nas rodovias. Mas quando se olha só a realidade da cidades, o transporte particular ganha importância.

Uma série de pesquisas realizadas nos últimos anos mostra o impacto que um carro ocupado por uma pessoa - situação prevalente em São Paulo - tem sobre as emissões.

Andando em um SUV, por exemplo, um passageiro pode emitir, por quilômetro rodado, de 200 a 250 gramas de gás carbônico (CO2). Em um carro médio a gasolina, a emissão é de 150g a 200g de CO2/km. Já se estiver em um ônibus, o passageiro vai emitir de 30g a 40g do gás - e menos de 5g se estiver em trens elétricos ou metrôs.

Essa situação pode melhorar ainda mais se forem usados corredores exclusivos. Levantamento feito em 2007 pela Fundação Hewlett para a SPTrans calculou que nessa situação o consumo de combustível caiu pela metade. Em faixas exclusivas, o consumo cai 20%.

"Sair do carro já é um grande ganho. Tem de realmente dificultar para o carro e melhorar para o ônibus, porque ele vai sempre ser melhor para o ambiente. As faixas e corredores de ônibus agem nesse sentido, mas são só o começo. O ônibus híbrido (que combina eletricidade com diesel) é ainda melhor, o trem mais ainda", afirma o pesquisador Roberto Schaeffer, do Programa de Planejamento Energético da Universidade Federal do Rio (UFRJ). "As cidades têm de considerar todas as suas potencialidades de baixo carbono e promover a integração entre elas", afirma a pesquisadora Andrea Santos, também da UFRJ.

O Rio, lembra ela, está investindo no BRT (Transporte Rápido por Ônibus), que tem potencial para deixar de emitir 107 mil toneladas por ano de gás carbônico. "É ótimo, mas ainda é ônibus. Enquanto há todo um potencial aquaviário na cidade, que carregaria muito mais gente e, portanto, emitiria muito menos. Mas hoje é caro porque não tem subsídio."

'Eco-congestionamento'. É o problema também dos veículos híbridos, que operam de modo experimental no País. Um estudo desenvolvido pelo Climate Leadership Group e apresentado neste ano mostrou que, em média, eles apresentam uma redução de 26% nas emissões de CO2 na comparação com os que se movem só a diesel.

"Não pode ter uma solução ambiental que aumente tarifa", alerta Renato Boareto, do Instituto de Energia e Meio Ambiente. E, mesmo se houver incentivos econômicos para resolver custo, diz, necessariamente têm de ser combinados com uma alteração no modelo vigente de incentivo ao transporte individual, como a redução de IPI para carros novos. "Não adianta nada ter um monte de carro elétrico na rua, mas todos parados e paralisando também os ônibus. É o pior caso possível, uma situação maluca de ter um 'eco-congestionamento'."

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Corredor da 9 de Julho será ampliado até a Cidade Jardim

20/09/2013 - O Estado de SP

O corredor exclusivo de ônibus da Avenida 9 de Julho, inaugurado nos anos 1980 e requalificado no início da década passada, ganhará uma extensão até a Avenida Cidade Jardim, na zona sul. As obras começaram nessa quinta-feira, 19, segundo o secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto.

"Vão ser duas ou três paradas, no lado esquerdo da via. Todo mundo falava que para resolver aquele gargalo da Cidade Jardim precisava fazer um túnel. Eis que chegou um gênio e falou que o ônibus pode passar antes do buraco do túnel. Então, o ônibus estará do lado esquerdo da 9 de Julho." De acordo com ele, foram feitas medições para verificar se a estrutura comporta o corredor ali, que terá piso de concreto armado, em vez de asfalto.

Na gestão do ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD), a SPTrans já havia elaborado um projeto, mas não colocou em prática. Tatto não disse quando as obras vão acabar nem quanto custarão. 

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Ônibus em faixa fica mais rápido, mas abaixo da meta

19/09/2013 - Folha de SP


Estudo divulgado ontem pela Prefeitura de São Paulo aponta que a velocidade média dos ônibus subiu 46% nas faixas exclusivas implantadas neste ano na cidade.

A velocidade passou de 14,3 km/h para 20,8 km/h na média de 77 trechos implantados de fevereiro a setembro.

Apesar da melhora significativa, os dados apontam que só em 8 de 77 pontos a velocidade atingiu a meta de 25 km/h planejada pela gestão Fernando Haddad (PT).

O desempenho reforça a avaliação de especialistas, que, mesmo a favor das faixas à direita implantadas neste ano, não veem nelas uma solução definitiva.

Devido a interferências diversas (como carros que precisam fazer conversões ou entrar em garagens), os efeitos dessas faixas são limitados em relação aos corredores à esquerda das vias.

"Estávamos em passo de tartaruga, agora pelo menos estamos mais rápido do que uma galinha", diz Horácio Augusto Figueira, mestre em transportes pela USP.

"É muita coisa, quase 50% de incremento da velocidade média. O que está fazendo com que muitas pessoas repensem como chegar ao trabalho, à universidade", disse Haddad, para quem há mudança de cultura em benefício do transporte público.

A gestão Haddad ainda não divulgou os impactos da implantação das faixas de ônibus nos congestionamentos, para quem anda de carro. Há queixas de motoristas sobre maior lentidão, por exemplo, no corredor 23 de Maio.

Haddad tinha a meta de fazer 150 km de faixas de ônibus à direita até 2016. Ela foi antecipada e ampliada para 220 km ainda neste ano. Até agora, já foram 170 km.

O prefeito mantém a promessa de outros 150 km de corredores exclusivos à esquerda --cujas obras, no entanto, ainda não começaram.

O estudo sobre a velocidade dos ônibus nas pistas exclusivas foi feito comparando os valores da semana anterior com os da semana de implantação de cada faixa.

Ele só considerou trechos acima de 300 metros.

Apesar da melhora generalizada, em um conjunto de faixas implantado na Penha (zona leste) a velocidade dos ônibus à tarde caiu 2,7%, de 14,9 km/h para 14,5 km/h.

O trecho mais lento dos coletivos foi na rua Domingos Calheiros, no Tucuruvi (zona norte), com 7 km/h.


Velocidade dos ônibus subiu 46% com faixas exclusivas - UOL (18/09 - 15:00h)

Segundo a CET, velocidade média passou de 14,3 km/h para 20,8 Km/h em 77 trechos de faixas que foram implantados neste ano 

Estudo divulgado nesta quarta-feira (18) pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) aponta que a velocidade média dos ônibus subiu 46% nas faixas exclusivas implantadas neste ano em São Paulo.

Foram tabulados os dados de 77 trechos de faixas implantados entre 22 de fevereiro e 9 de setembro, totalizando cerca de 160 km. Nesses locais, a velocidade média passou de 14,3 km/h para 20,8 Km/h --melhora de 31%.

O índice de 46% se refere à média das melhorias em cada horário e sentido. De manhã, a melhora foi de 44% no sentido bairro e 33% no sentido centro. À tarde, a melhora foi de 66% (sentido centro) e 40% (bairro).

Os números representam medição feita uma semana antes da implantação da faixa exclusiva e ao longo da primeira semana de ativação. O levantamento desconsiderou os dados nos trechos inferiores a 300 metros.

Os dados apontam que o maior ganho ocorreu na rua Zilda, na Casa Verde (zona norte), onde a velocidade cresceu 232%. Com a faixa implantada no dia 22 de julho, a velocidade média no período da manhã passou de 3,8 km/h para 12,6 km/h.

Em apenas um local, porém, ocorreu piora no desempenho dos ônibus. Na região do centro da Penha (zona leste), onde a faixa começou em 2 de setembro, a velocidade no período da tarde caiu 2,7%, passando de 14,9 km/h para 14,5 km/h.

No trecho do corredor norte-sul que engloba as avenidas 23 de Maio, Rubem Berta e Moreira de Guimarães, houve melhora de 62% com a faixa implantada em 5 de agosto. A velocidade média passou de 13,7 km/h para 22,2 km/h.

De acordo com a CET, um estudo completo ainda está sendo formatado, e os números divulgados são preliminares, pois levam em consideração apenas o início de operação das faixas.

"Ao longo das semanas, as velocidades tendem a se estabilizar. Este novo cenário, que apresentará a acomodação dos veículos e a rotina dos ônibus ao transitar pelas vias segregadas, ainda não aparece nesta primeira amostragem", diz a empresa.

META

A maioria das faixas exclusivas de ônibus foram implantadas pela gestão Fernando Haddad (PT) após o início da onda de protestos que derrubou o preço da tarifa, em junho.

Antes, a meta da gestão era fazer 150 km até 2016. Após os protestos, a meta passou para 220 km e foi antecipada para o fim deste ano.

Até este ano, a cidade contava com 122 km de faixas. Haddad já implantou 169,8 km, dos quais 73% a partir de 17 de junho --data da maior manifestação.

O levantamento da CET aponta que, dos 77 trechos analisados, em apenas 6 as velocidades passaram os 25 km/h --meta que Haddad promete atingir até o fim da gestão.

Segundo a companhia, "com base neste trabalho inicial, os setores de planejamento e engenharia de campo terão um foco mais intenso nos locais onde a velocidade média tenha ficado abaixo da meta".

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Velocidade dos ônibus subiu 46% com faixas exclusivas

18/09/2013 - Folha.com

Estudo divulgado nesta quarta-feira (18) pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) aponta que a velocidade média dos ônibus subiu 46% nas faixas exclusivas implantadas neste ano em São Paulo.

Foram tabulados os dados de 77 trechos de faixas implantados entre 22 de fevereiro e 9 de setembro, totalizando cerca de 160 km. Nesses locais, a velocidade média passou de 14,3 km/h para 20,8 Km/h --melhora de 31%.

O índice de 46% se refere à média das melhorias em cada horário e sentido. De manhã, a melhora foi de 44% no sentido bairro e 33% no sentido centro. À tarde, a melhora foi de 66% (sentido centro) e 40% (bairro).

Os números representam medição feita uma semana antes da implantação da faixa exclusiva e ao longo da primeira semana de ativação. O levantamento desconsiderou os dados nos trechos inferiores a 300 metros.

Os dados apontam que o maior ganho ocorreu na rua Zilda, na Casa Verde (zona norte), onde a velocidade cresceu 232%. Com a faixa implantada no dia 22 de julho, a velocidade média no período da manhã passou de 3,8 km/h para 12,6 km/h.

Em apenas um local, porém, ocorreu piora no desempenho dos ônibus. Na região do centro da Penha (zona leste), onde a faixa começou em 2 de setembro, a velocidade no período da tarde caiu 2,7%, passando de 14,9 km/h para 14,5 km/h.

No trecho do corredor norte-sul que engloba as avenidas 23 de Maio, Rubem Berta e Moreira de Guimarães, houve melhora de 62% com a faixa implantada em 5 de agosto. A velocidade média passou de 13,7 km/h para 22,2 km/h.

De acordo com a CET, um estudo completo ainda está sendo formatado, e os números divulgados são preliminares, pois levam em consideração apenas o início de operação das faixas.

"Ao longo das semanas, as velocidades tendem a se estabilizar. Este novo cenário, que apresentará a acomodação dos veículos e a rotina dos ônibus ao transitar pelas vias segregadas, ainda não aparece nesta primeira amostragem", diz a empresa.

META

A maioria das faixas exclusivas de ônibus foram implantadas pela gestão Fernando Haddad (PT) após o início da onda de protestos que derrubou o preço da tarifa, em junho.

Antes, a meta da gestão era fazer 150 km até 2016. Após os protestos, a meta passou para 220 km e foi antecipada para o fim deste ano.

Até este ano, a cidade contava com 122 km de faixas. Haddad já implantou 169,8 km, dos quais 73% a partir de 17 de junho --data da maior manifestação.

O levantamento da CET aponta que, dos 77 trechos analisados, em apenas 6 as velocidades passaram os 25 km/h --meta que Haddad promete atingir até o fim da gestão.

Segundo a companhia, "com base neste trabalho inicial, os setores de planejamento e engenharia de campo terão um foco mais intenso nos locais onde a velocidade média tenha ficado abaixo da meta

Prefeitura quer cortar 71% das linhas de ônibus no corredor Pirituba-Lapa

18/09/2013 - G1 SP

A SPTrans, empresa da Prefeitura de São Paulo que administra o serviço de ônibus na cidade, vai começar a reduzir o número de linhas dos corredores de ônibus de São Paulo cortando linhas do corredor Pirituba-Lapa-Centro. O projeto da SPTrans prevê diminuir o número de linhas que param em cada ponto do trecho Pirituba-Lapa de 35 para 10, uma redução de 71%. O trecho inclui vias importantes da cidade, como a Avenida Edgar Facó, na Zona Norte de São Paulo.

A estratégia da Prefeitura é dar mais velocidade aos ônibus e diminuir a chance de congestionamentos em corredores e em faixas exclusivas para tornar a viagem mais rápida. Nos corredores, haverá menos linhas, mas as linhas que permanecerem terão maior frequência e regularidade.

A mudança deverá estar contida na licitação do novo sistema de ônibus que vai acontecer no ano que vem e que deve trazer uma reorganização da rede atual. Com os 14 novos terminais que a cidade terá até 2016, segundo previsão da Prefeitura de São Paulo, haverá então uma ampliação dessa reorganização de linhas a partir daquele ano.

A grosso modo, os usuários usarão linhas locais até chegar ao corredor, quando teriam de trocar de ônibus. Nos corredores, o usuário não precisará esperar até chegar o ônibus da linha específica que deseja pegar, como faz hoje. A ideia é que ele possa pegar o primeiro ônibus que passar para percorrer o corredor.

Negociação

Segundo a diretora de planejamento da SPTrans, Ana Odila de Paiva Souza, a reorganização das linhas é um processo que não pode ser feito abruptamente e envolve negociação. Isso porque os usuários podem se sentir prejudicados inicialmente ao saberem da extinção de uma linha que usam e achar que terão de esperar longos tempos para fazer integrações. Há também a negociação com os empresários, pois com a eliminação de linhas muda a forma de remuneração.

Ana Odila cita o caso de Pirituba. "Estou mexendo em 25 linhas. Isso significa mexer com a população dessas linhas e com os operadores, porque eu vou mexer com a remuneração. Então tem uma resistência muito grande", afirma.

A diretora de planejamento lembra que o número reduzido de linhas circulando em corredores já é usado em cidades com sistemas de transporte mais consolidados no mundo. Ela cita o caso de Bogotá, em que os corredores chegam a ter quatro ou cinco linhas por corredor.

Ela ressalta que se trata de uma mudança "cultural" a ser "negociada". "Não pode ser feito tudo de uma vez", afirmou.

Linhas locais

A licitação que foi aberta este ano para a renovação do contrato com as empresas de ônibus previu que as linhas locais também serão reformuladas, e a tendência é que a estratégia permaneça no edital a ser lançado em 2014.

A licitação de 2013 foi cancelada durante os protestos de junho sobre a tarifa do transporte público após a Prefeitura de São Paulo receber críticas de que havia uma "caixa-preta" no setor de ônibus. Após o cancelamento, vários dados foram disponibilizados no site da SPTrans.

O contrato entre a prefeitura e a maioria das empresas, que venceu em julho, foi prorrogado por mais um ano. O contrato a ser firmado no ano que vem vai determinar as empresas que vão operar o sistema de ônibus de São Paulo pelos próximos 15 anos e as condições do serviço e da remuneração. No caso das peruas (permissionárias), o período do contrato deverá ser de sete anos.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Ônibus pede passagem

17/09/2013 - Folha de SP

EDITORIAL

Conta com amplo respaldo dos paulistanos a medida oferecida pelo prefeito Fernando Haddad (PT) como resposta imediata à demanda, amplamente vocalizada nas manifestações de junho, por melhorias no transporte público.

Segundo pesquisa Datafolha, nada menos que 88% dos entrevistados aprovam a criação de faixas exclusivas de ônibus na cidade. Mesmo entre aqueles que se deslocam de carro é alto o índice de apoio à medida: 77% (mas apenas um terço deles passa por locais onde foram instaladas faixas).

Houve também percepção de melhoria nas condições do trânsito: 55% dos entrevistados consideram que a iniciativa ajudou o tráfego paulistano; para 27%, tudo permanece igual, enquanto 14% acreditam que a situação piorou.

Fica no plano subjetivo, contudo, o sucesso das faixas. Verdade que os benefícios, de certa forma, parecem intuitivos. Ainda assim, é lamentável que a prefeitura não tenha divulgado dados que permitam comparação entre cenários antes e depois da adoção da medida.

Não há dúvidas de que Fernando Haddad se viu pressionado pelos protestos de junho. Desde então, foram implementadas 124,6 km de faixas exclusivas --o que corresponde a 73% do total de 169,8 km concluídos na atual administração.

A fácil execução da medida --basta repintar as faixas já existentes à direita das vias e impedir seu uso pelos carros-- decerto pesou para que a prefeitura tomasse decisão raramente vista no cenário político: ampliar a promessa e diminuir o prazo de entrega. Se, no início do mandato, Haddad se comprometera com 150 km de faixas exclusivas até 2016, agora promete 220 km até o fim deste ano.

Que a satisfação com os números positivos da pesquisa, contudo, não faça a prefeitura olvidar dos males crônicos e dos desafios que persistem no trânsito de São Paulo --considerado ruim ou péssimo por 74% dos entrevistados.

Não será possível avançar sem reorganizar as linhas de ônibus de acordo com a demanda. Há regiões em que os coletivos têm frequência baixa e imprevisível, mesmo com as faixas à disposição.

É preciso também que Haddad avance no cumprimento de outra meta, hoje longe da realidade: a construção de 150 km de modernos corredores de ônibus, com espaços para ultrapassagem e cobrança das passagens antes do embarque --obras mais caras e demoradas, é verdade, porém mais eficientes.

Se o transporte público é a prioridade de Haddad, sua gestão precisa se dedicar a mais que apenas pintar faixas pelas ruas da cidade.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Mesmo com faixas exclusivas, ônibus perde passageiro na capital paulista

16/09/2013 - O Estado de SP


Apesar da política de incentivo ao uso de ônibus do prefeito Fernando Haddad (PT), com a criação de 150 quilômetros de faixas exclusivas, os carros e outros meios de transporte continuam roubando passageiros do sistema público de ônibus.

Segundo a São Paulo Transporte (SPTrans), 17 milhões de viagens a menos foram feitas de janeiro a agosto deste ano, em relação ao mesmo período de 2012.

Ao mesmo tempo, as estatísticas do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) indicam que o número de emplacamentos de carros na capital segue crescendo. Nos sete primeiros meses do ano, 70.162 automóveis começaram a rodar na cidade, 15% a mais que a quantidade de carros emplacados no mesmo período de 2012.Em julho, a frota de São Paulo era de quase 5,4 milhões de veículos.

Muitos dos novos donos de carros têm migrado do transporte público paulistano, como a supervisora administrativa Carla Quirino, de 34 anos, que mora em Itaquera, na zona leste. Para ir trabalhar em Pinheiros, na zona oeste, passou a utilizar um automóvel. Às terças-feiras, porém, o carro não pode circular nos horários de pico, por causa do rodízio. Então, ela usa ônibus e metrô. "É o pior dia da semana, com muita demora e cansaço. Mas a situação vai mudar. Queremos um outro carro para usar nesse dia." De carro, ela vence o percurso em uma hora. Quando usa ônibus e metrô, leva até duas horas e meia.

Seu marido, o gráfico Paulo Roberto Sousa Santos, de 37 anos, abandonou o ônibus há uma década. "Apesar desse plano recente de faixas, a situação ainda não melhorou para os ônibus. O metrô também é ruim. Às vezes, minha mulher demora 40 minutos só para entrar na estação."

O consultor em transportes Horácio Figueira diz que a cidade vive uma fase de transição. O primeiro passo foi dado com a implantação das faixas. Agora, é preciso proporcionar um transporte mais confortável, aumentando a frota e reduzindo a lotação dos coletivos. "É uma questão de degustação. Tem gente que andou de carro a vida inteira e experimentará o ônibus agora."

Saída. Figueira afirma que, diante dos congestionamentos da cidade e do tempo necessário para a construção de linhas de metrô, a criação de um bom sistema de ônibus é a saída mais eficiente para a São Paulo.

De acordo com ele, em uma faixa de ônibus passam 4 mil pessoas por hora, contra mil em uma de carros. "Em uma via com três faixas, se você separar uma para ônibus, a circulação passará de 3 mil para 6 mil pessoas por hora." No caso de um corredor de ônibus à esquerda, com espaço para ultrapassagem, o número de passageiros por hora pode chegar a 10 mil.

Faixa do corredor norte-sul tem um ônibus a cada 40 segundos

16/09/2013 - Folha de SP

Após mais de um mês da inauguração do principal trecho das faixas exclusivas para ônibus no corredor norte-sul em São Paulo, a frequência desses veículos na via segregada atingiu a marca de um ônibus a cada 40 segundos, em média.

O intervalo é o estimado pela SPTrans (empresa que gerencia o transporte municipal) desde o início da implantação dos trechos exclusivos.

Na sexta, no horário de pico da manhã, entre as 7h e as 8h, 103 ônibus passaram pelo ponto próximo ao viaduto Paraíso, no sentido centro. Os coletivos, em sua maioria, tinham como destino o terminal Bandeira, na região do Vale do Anhangabaú, no centro.

O intervalo entre um veículo e outro chegou ao máximo de um minuto e ao mínimo de cinco segundos.

Segundo passageiros que esperavam no ponto, o intervalo entre os ônibus não variou desde a instalação da faixa exclusiva e a frequência é, para eles, satisfatória.

A maioria dos ônibus que passou pela região era articulada ou biarticulada. Dos 61 coletivos desses modelos, 33 tinham assentos livres, 24 estavam cheios (poucas pessoas em pé) e quatro estavam lotados (várias pessoas em pé).

Dos coletivos não articulados, 42 passaram pelo ponto de ônibus próximo ao viaduto Paraíso --29 estavam vazios, nove cheios e quatro estavam lotados.

Os ônibus que passavam pela via composta pelas avenidas 23 de Maio, Rubem Berta, Moreira Guimarães e Washington Luís trafegavam, em média, a 24 km/h no horário de maior movimento, segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego).

Um ônibus vai do centro ao aeroporto de Congonhas gasta, em média, 30 minutos. Um carro leva 56 minutos para percorrer o mesmo trecho e trafega a 11 km/h, velocidade similar a de um patinete elétrico.

domingo, 15 de setembro de 2013

Fiscalização nos corredores de ônibus tem início em São José dos Campos

15/09/2013 - G1

A Prefeitura de São José dos Campos começa nesta segunda-feira (16) a fiscalização nos corredores exclusivos de ônibus. O objetivo é autuar motoristas que descumprem a regra e invadirem as faixas destinadas aos coletivos. Os corredores foram implantados em julho com a proposta de aumentar a velocidade média dos ônibus.


Foto: Carlos Santos/G1

Segundo a prefeitura, o motorista que for flagrado usando a faixa dos ônibus para ultrapassar a fila de carros na pista destinada aos veículos ou permanecer no corredor após um cruzamento será multado. A infração é considerada média, com multa de R$ 85,13 e quatro pontos na Carteira de Habilitação (CNH).

Segundo a Secretaria de Transportes, o corredor exclusivo pode ser usado apenas para acessar comércios e residências, fazer conversões à direita ou para passar às demais faixas. Os corredores foram implantados em 10 avenidas da região central e começaram a operar no dia 27 de julho. A fiscalização começará 50 dias após a implantação das faixas exclusivas.

A pasta não informou um limite de extensão e de tempo em que o motorista poderá ocupar a faixa exclusiva a ônibus sem sofrer punições "Os agentes de trânsito foram treinados e estão capacitados para identificar a real intenção do condutor durante o procedimento de fiscalização", informou a Secretaria de Transportes.

Antes da fiscalização ser iniciada, a prefeitura também fez ajustes nas faixas exclusivas para ônibus. Na avenida Ahemar de Barros, uma das vias em que a implantação do corredor gerou maior polêmica, a prefeitura reduziu a extensão do corredor para evitar 'conflito com carros'. A alteração ocorreu no quarteirão da rua Coronel João Cursino e avenida Heitor Villa Lobos - nesse trecho, a prefeitura retirou a palavra "ônibus" do solo e também as faixas na cor azul que delimitam a faixa exclusiva. Com isso, nesse trecho, os carros podem trafegar em qualquer faixa.

Informações: G1 Vale do Paraíba e Região

SP testa ônibus que 'fala' e flagra quem invade a faixa

14/09/2013 - Folha de SP

Sistema também permite identificar automóvel que utilizar corredor exclusivo de forma indevida


A Prefeitura de São Paulo começou a testar pelas ruas da cidade um modelo de ônibus tagarela e dedo-duro.

Desde meados de julho, 5 das 1.318 linhas da cidade foram equipadas com aparelhos inteligentes que oferecem novos serviços ao passageiro e também podem ajudar o poder público a operar o sistema.

Entre os equipamentos estão alto-falantes ao lado das portas que informam a linha e o destino final cada vez que o ônibus para no ponto.

Dentro do veículo, a voz (feminina e pré-gravada) informa a próxima parada, como no metrô. O objetivo é melhorar o uso do transporte público por deficientes visuais.

Também há letreiros internos com a hora certa e a próxima parada, internet wi-fi grátis e um conjunto de oito câmeras de segurança.

A linha com mais equipamentos é a 509M-10, que liga o Jardim Miriam (zona sul) ao terminal Princesa Isabel (centro), com 20 veículos. Só um deles, porém, já tem câmeras.

Outros aparelhos não são notados pelos passageiros, mas podem mudar a forma de operação do sistema --ou afetar até mesmo usuários de carro que desrespeitam as faixas exclusivas de ônibus.

Na frente do veículo há uma câmera com tecnologia OCR, de leitura automática de placas, capaz de flagrar a invasão desses corredores por outros veículos. Ou seja, é um tipo de "radar ambulante".

A ideia é usá-la para fiscalizar a invasão das faixas exclusivas --mas hoje ainda não está sendo adotada para multas porque depende de aval de outros órgãos de trânsito.

Os aparelhos são integrados a um computador de bordo e a um GPS, para envio e recebimento de dados de uma central. Por exemplo, os sensores nas portas que registram o entra e sai no ônibus.

"Hoje a gente sabe quantos passageiros andaram, mas não quantos estão neste momento dentro do ônibus. Com a operação controlada, dá pra saber quais ônibus estão lotados e enviar uma ordem ao motorista de não parar mais", diz Adauto Farias, diretor da SPTrans.

Essa comunicação com o condutor é feita por meio de um monitor, pelo qual ele também pode informar problemas no percurso, como alagamentos ou acidentes.

O objetivo do projeto é testar os equipamentos e verificar se eles resistem às condições de uso na capital. Caso sejam aprovados, a intenção é exigi-los das empresas dentro da nova licitação do sistema, que foi adiada para 2014.

Os aparelhos estão sendo fornecidos pelos próprios fabricantes, mas um conjunto completo pode custar até R$ 23 mil por veículo.

'Voz do além' em ônibus surpreende passageiros

Usuários aprovam veículos hi-tech testados, mas criticam superlotação

'É muito bom, dá para falar com a garagem direto. O que não muda é o trânsito', diz motorista de linha com tecnologia

Os ônibus hi-tech "falantes" que estão sendo testados pela Prefeitura de São Paulo são aprovados pelos passageiros, mas causam susto em quem está mais acostumado a ouvir a próxima parada apenas no metrô.

A auxiliar de limpeza Dinilza Marques, 39, diz ter ficado espantada quando escutou pela primeira vez a voz "de mulher do além" no ônibus, que usa todo dia.

"Tomei um susto, mas o cobrador me explicou o que era e hoje já acostumei", conta a passageira, que também elogia o fato de o sistema ajudar quem é de fora da cidade.

"Ontem mesmo apareceu uma gaúcha aqui que não conhecia nada. Ela me perguntou qual era o ponto do shopping Ibirapuera. Falei só pra ela ficar atenta. Quando a mulher' falou, a menina ficou abismada", relata, aos risos.

"Os passageiros ficam muito curiosos, acham chique andar no ônibus que fala. Para a gente é muito bom, dá para falar com a garagem direto, relatar qualquer problema. O que não muda é o trânsito mesmo", diz o motorista Evaldo Xavier.

Como ainda está em teste, não há indicação aos passageiros sobre a conexão wi-fi. Mas quem descobre e começa a usar também aprova.

"Tô usando pela primeira vez, é bem rápido. Deveria ter em todos os ônibus, mas só temos que ficar ligados, pois se ficar mexendo no celular toda hora fica mais fácil pro ladrão saber quem vai roubar", diz Rodney Alves, 35.

APERTADA

Apesar de aprovarem os diferenciais a bordo, passageiros e motoristas da linha 509M-10 reclamam que ela também sofre de um problema recorrente na cidade: a superlotação nos picos.

"De tarde ela vai bem até o Ibirapuera. De lá pra frente não cabe mais ninguém, vai todo mundo apertado", diz Everson Pace, 30.

Segundo funcionários, a linha é a mais rentável da Mobibrasil, pois transporta mais passageiros e faz quase todo o percurso por corredores e faixas exclusivas de ônibus.

A empresa foi a única fora da zona leste que recebeu conceito "ruim" na avaliação de qualidade da SPTrans no primeiro semestre deste ano.

RECARGA

Outro aparelho em teste é um novo modelo de validador, com tecnologia que permitirá a recarga de benefícios como o vale-transporte dentro dos coletivos.

"O passageiro encosta o cartão, o sistema checa se há algum crédito, carrega e depois cobra o valor da passagem, tudo em milissegundos", diz Adauto Farias, diretor da SPTrans.

O sistema pode ajudar a reduzir custos, pois hoje a empresa paga a outras pelo serviço de recarga.

ANÁLISE

Recurso ajuda, mas inclusão exige mudanças mais amplas

JAIRO MARQUES - COLUNISTA DA FOLHA


A impossibilidade de deslocamento com tranquilidade, viabilidade e segurança na cidade de São Paulo é um dos maiores impedimentos para que pessoas com deficiência consigam ser mais atuantes em sociedade.

Cadeirantes são os que protagonizam perrengues com maior frequência no convívio com o transporte público da cidade, mas cegos, surdos e familiares que conduzem seus parentes também padecem apertos no ir e vir.

Todos as tradicionais dificuldades do transporte, como a superlotação, a conservação ruim e a lentidão, têm efeitos dobrados em quem tem alguma deficiência.

Um "espacinho" para entrar não surge, o letreiro que informa as paradas nunca funciona e não há som de avisos aos cegos.

Uma linha de coletivos totalmente acessível ajuda e avança no debate, mas de nada valerá a pena se o planejamento urbano e a mentalidade das pessoas também não forem inclusivas.

É necessário mudar o comportamento do motorista que não para no ponto ao ver a moça de muletas, do marmanjo que não se cede o espaço reservado ao idoso e padronizar guias de calçada que não comportam a abertura da rampa do ônibus para embarque do cadeirante.

Também é fundamental encarar o desafio de levar o acesso para além de lugares "visados" e nada periféric

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

SP ganha mais 19 km de faixas exclusivas para ônibus na segunda-feira

13/09/2013 - 

Avenida Ipiranga é a primeira da chamada Rótula Central a receber mecanismo
 
Caio do Valle

SÃO PAULO - Começa a funcionar na segunda-feira, 16, o primeiro quilômetro de faixa exclusiva de ônibus circundando o centro de São Paulo, o projeto conhecido como Rótula Central. Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), o mecanismo funcionará em um 1 km da Avenida Ipiranga, de segunda a sexta-feira, entre 6h e 22h, e, aos sábados, das 6h às 14h. Neste dia, no total, serão abertos 19,8 km de faixas na cidade.

A faixa da Ipiranga estará presente em ambas as pistas da via, no trecho entre a Avenida São Luís e a a Praça Alfredo Issa.

Também neste dia, o corredor norte-sul ganha mais um trecho de faixa exclusiva para os ônibus. Com 300 metros, ele ficará no sentido bairro da Avenida Professor Ascendino Reis, entre a Avenida Ibirapuera e a Rua Ipê, na zona sul. O dispositivo será ativado de segunda a sexta-feira, entre 6h e 22h.

Na zona leste, as Avenidas Regente Feijó, Eduardo Cotching e João XXIII terão faixas das 6h às 9h no sentido centro e das 17h às 20h, no sentido bairro, sempre de segunda a sexta-feira. A Avenida Regente Feijó ganhará 500 metros de faixa entre a Rua Antônio Alves Barril e a Avenida Vereador Abel Ferreira, no sentido centro. Na direção oposta, o dispositivo estará ativado da Avenida Vereador Abel Ferreira à Montemagno.

Por sua vez, a Avenida Eduardo Cotching terá 1,8 km de faixa à direita entre a Avenida Montemagno e a altura da Rua Arapoca, nos dois sentidos. Outra avenida da região, a João XXIII ganhará 2,7 km de faixa à direita só para os ônibus, entre as Avenidas Renata e Rio das Pedras.

Outra importante avenida da zona leste, a Avenida Jacu-Pêssego, receberá 6,2 km de faixa de ônibus à direita na próxima segunda-feira, 16. Ela estará no trecho entre a Aveinda Ragueb Chohfi e a Rua São Francisco do Piauí, na altura da Estação Dom Bosco da Linha 11-Coral da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). A faixa ali funcionará de segunda a sexta-feira, das 6h às 9h, e das 17h às 20h.

Já a Avenida Sapopemba, uma das mais compridas da região, passará a ter 4,4 km de faixa só para ônibus entre a Praça Felisberto Fernandes da Silva (ao lado do Terminal São Mateus) e a Avenida Frederico Martins da Costa Carvalho. O mecanismo estará ativo nos dias de semana, das 6h às 9h no sentido centro e das 17h às 20h no rumo oposto.

A Vila Prudente também ganhará faixa exclusiva. Haverá 1,3 km do mecanismo na Rua Capitão Pacheco e Chaves e no viaduto homônimo. Ele funcionará de segunda a sexta-feira, no sentido centro, das 6h às 9h.

Ali perto, mas já na zona sul, no bairro do Ipiranga, a CET ativiará 1,3 km de faixa só para ônibus nas Ruas Tabor e do Manifesto, no sentido centro, entre 6h e 9h.

A Rua Paes Leme, em Pinheiros, na zona oeste, também receberá 300 metros de faixa exclusiva à direita para os ônibus. Ali, o dispositivo beneficiará o transporte público das 6h às 20h, de segunda a sexta-feira, e das 6h às 14h aos sábados. O mecanismo ficará entre as Ruas Amaro Cavalheiro e Padre Carvalho. Nesses horários, o trecho da Paes Leme entre a Marginal do Pinheiros e a Rua Eugênio de Medeiros terá o sentido invertido.

Fiscalização. A CET não divulgou quando começa a aplicar multas para os motoristas que não respeitarem as faixas exclusivas dos ônibus nesses locais. A infração, considerada leve pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB), custa R$ 53,20 e rende três pontos na carteira de habilitação. As multas, segundo a reportagem apurou, devem se iniciar até o fim de setembro.

Com todas essas faixas, a cidade passará a contar com 169,8 km de vias à direita exclusivas para os ônibus. A promessa da gestão Fernando Haddad (PT) era chegar a 150 km até o fim de 2016. Para especialistas, as medidas para melhorar a circulação de ônibus não devem parar nas faixas exclusivas à direita, que estão sujeitas a interferências como ruas laterais e entradas de garagens. Eles sustentam que corredores à esquerda da pista, no canteiro central, são muito mais eficientes.